Notícias

Governo tenta minimizar dados do desmatamento ao comparar erroneamente sistemas do INPE

Ministério do Meio Ambiente compara dados do Deter com o Prodes e diz que há uma tendência de queda em curso. INPE não recomenda comparação entre os sistemas

Daniele Bragança ·
19 de novembro de 2021

O Ministério do Meio Ambiente (MMA) publicou na manhã desta sexta-feira (19) uma nota em que exime o governo federal da culpa pela alta do desmatamento na Amazônia e minimiza o aumento com dados de queda registrados no sistema de alerta do INPE, o Deter, que não serve para medir desmatamento. De 1º de agosto de 2020 e 31 de julho deste ano, 13.235 km² foram desmatados na Amazônia. É a maior taxa registrada desde 2006.

“Os dados de desmatamento do Prodes […], não refletem a atuação do Governo Federal ao longo dos últimos meses. Por outro lado, de acordo com os alertas de desmatamento do Deter/INPE, houve uma reversão do desmatamento acumulado nos períodos de julho a outubro deste ano, com um total de 4.277,32 km². No mesmo período de 2020, o acumulado foi de 4.811,13 km², o que representa uma queda de 11%, resultado de uma ação coordenada do governo federal”, disse o MMA, em nota divulgada esta manhã.

Além de tentar minimizar o aumento de 21,9% registrado este ano, o documento lista uma série de iniciativas, como o efetivo da Força Nacional com 700 homens na fiscalização, que teria contribuído pela diminuição do desmatamento nos dados do Sistema de Alerta, o Deter, também medido pelo INPE.

“Os números que tiveram alta não refletem a atuação dos últimos meses. Agora vamos expandir a Operação Guardiões do Bioma. Teremos o Guardiões do Bioma Amazônia, com foco total no desmatamento ilegal. O Governo Federal vai atuar de forma contundente contra qualquer crime ambiental. Tenho participado de viagens de operações para combater o crime na Amazônia. E vamos ser mais contundentes, pois os números apresentados pelo Prodes são inaceitáveis”, jura o ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite.

Acontece que os dois Sistemas, o Deter, mensal, e o Prodes, com os dados consolidados sobre as mudanças no uso do solo em toda a Amazônia Legal, não são comparáveis. Cada um opera de um jeito, com objetivos diferentes. O Deter é uma ferramenta usada na fiscalização ambiental, para dizer onde se está desmatando, e o Prodes é o que mede a redução da floresta. A confusão de conceitos do governo fez o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais soltar uma nota técnica.

“Em 2021 [01 de agosto de 2020 a 31 de julho de 2021], o PRODES estimou um aumento de 22,0% da taxa de desmatamento anual, enquanto o agregado do DETER, nas classes desmatamento, consolidou uma queda de 4,6% em relação ao ano anterior. Essa divergência entre os valores do PRODES e do agregado DETER é esperada e já ocorreu em 25% dos anos avaliados na comparação histórica dos dados dos dois projetos”, diz o INPE, em nota técnica de 18 páginas assinada por cinco especialistas.

“Apesar de existir uma relação forte e significativa entre os dois projetos, é necessário enfatizar que a tendência anual do desmatamento observada no DETER não reflete necessariamente a tendência do PRODES do mesmo ano”, conclui.

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Notícias
18 de novembro de 2021

Desmatamento na Amazônia sobe 21,97% e chega a 13.235 km², aponta INPE

Número, que acaba de ser divulgado, é o maior em 15 anos. Governo omitiu dado na Conferência do Clima

Notícias
9 de novembro de 2021

COP26 – Brasil vai para Conferência do Clima sem dados oficiais de desmatamento

Historicamente, a divulgação das estimativas do Prodes é feita sempre antes ou durante o evento. É a segunda vez em quase duas décadas que isso acontece

Notícias
17 de janeiro de 2019

Após declarações de Ricardo Salles, INPE divulga as diferenças entre os sistemas de monitoramento

Instituto conta com três sistemas de monitoramento: Prodes, Deter e TerraClass. Ministro tem falado em criar monitoramento que já existe

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta