Notícias

COP26 – Brasil vai para Conferência do Clima sem dados oficiais de desmatamento

Historicamente, a divulgação das estimativas do Prodes é feita sempre antes ou durante o evento. É a segunda vez em quase duas décadas que isso acontece

Cristiane Prizibisczki ·
9 de novembro de 2021

Diferente da prática adotada em anos anteriores, o governo brasileiro não irá divulgar as estimativas oficiais de desmatamento na Amazônia antes do final da Conferência do Clima da ONU (COP-26), que acontece em Glasgow, Escócia, até o final desta semana. É a segunda vez, em quase duas décadas, que o fato é registrado. O desmatamento é o maior responsável pelas emissões de carbono no Brasil e um dos temas-chave nas discussões que ocorrem no âmbito da Conferência.

Historicamente, a divulgação das estimativas do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal (PRODES), comandado pelo Instituto de Pesquisas Espaciais (INPE), é feita antes ou durante a COP.

Segundo levantamento realizado por ((o))eco, desde 2005, quando o INPE começou a divulgar os números do desmatamento no próprio ano em que ocorreram, somente em 2016 o anúncio foi feito após a Conferência. Naquele ano, o Prodes havia indicado aumento de 29% no desmatamento em relação ao período anterior.

“Num mundo normal, os dados do PRODES são divulgados em tempos de COP. Essa era nossa prática”, diz Gilberto Câmara, cientista que esteve à frente do INPE entre 2005 e 2012.

De acordo com Cláudio Almeida, coordenador do Programa de Monitoramento da Amazônia e Demais Biomas do INPE, a data e formato da divulgação dos números do PRODES são definidos pelo Governo Federal.

“Já houve divulgação junto com a COP e fora da COP, com a presença de ministros ou só a divulgação de dados na internet, sem evento algum. A definição da data de divulgação e como ela será realizada é sempre feita pelos ministros, em Brasília”, explica.

O desmatamento na Amazônia registrou grande alta durante a gestão de Jair Bolsonaro (sem partido). Nos dois primeiros anos do atual governo, a taxa ultrapassou os 10 mil km², cifra que não era alcançada desde 2008.

Em agosto passado, o Sistema de Alertas de Desmatamento do INPE (DETER), que faz o monitoramento em tempo quase real, já indicou que a tendência de alta se manteve em 2021.

Entre agosto de 2020 e julho de 2021, período que integra o chamado “calendário do desmatamento”, o Deter aferiu quase 9.000 km² de área desmatada na Amazônia. Os números do DETER são sempre menores que a taxa anual calculada pelo PRODES.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Análises
28 de outubro de 2021

O que esperar do Brasil em Glasgow para a conservação das florestas

A adoção de políticas de neutralidade de emissões de gases de efeito estufa tem feito com que a demanda do setor privado por créditos de carbono cresça fortemente

Reportagens
27 de outubro de 2021

Estados da Amazônia não estão preparados para eventos climáticos extremos, mostra estudo

Nenhum dos nove estados possui sistema de alertas ou planos de contingência para lidar com inundações, secas, incêndios ou ondas de calor

Reportagens
27 de outubro de 2021

Lobby do agronegócio reduz transparência ambiental de estados e favorece desmatamento

Governadores cedem a interesses de produtores rurais e bloqueiam ou dificultam acesso a dados públicos que poderiam apontar quem está derrubando a floresta ilegalmente

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta