Notícias

Grupo Pão de Açúcar adere a campanha do desmatamento zero

Pressionada pelo Greenpeace, empresa de supermercados anuncia que não comprará carne de área embargada por desmatamento ou trabalho escravo

Daniele Bragança ·
1 de abril de 2016 · 6 anos atrás
A pecuária é responsável por 60% das terras que antes abrigavam a floresta amazônica. Foto: Wikipédia.
A pecuária motivou a derrubada de 60% das terras que antes abrigavam floresta amazônica. Foto: Wikipédia.

O Grupo Pão de Açúcar anunciou na quarta-feira (21) sua nova política de monitoramento da cadeia produtiva de carne bovina. O objetivo é só vender carne que não tenha sido produzida em áreas desmatadas da Amazônia ou em fazendas com trabalho escravo. O anúncio é uma resposta a campanha Carne ao Molho Madeira, lançada pelo Greenpeace.

Para alcançar esse propósito, a rede varejista vai exigir dados detalhados sobre a origem do produto dos frigoríficos que fornecem para o grupo.  A empresa possui 832 lojas das bandeiras Extra e Pão de Açúcar e compra cerca de 6 mil toneladas de carne bovina por mês.

Além da política de compras, o Grupo apresentou um plano de ação. Entre as medidas propostas estão a implantação de um programa de 100% de transparência quanto a origem da carne comercializada em suas lojas, o bloqueio de fazendas envolvidas com desmatamento, trabalho escravo e confrontos com comunidades tradicionais; criação de ferramentas para apoiar a produção responsável de frigoríficos e entrepostos fornecedores e o acompanhamento e divulgação do processo de implementação de tais políticas. A meta é que até junho deste ano as medidas estejam implementadas.  

“O Grupo Pão de Açúcar está dando um importante passo na direção correta ao se comprometer com o Desmatamento Zero. Esta é uma clara sinalização a todos os seus fornecedores, e ao mercado como um todo, de que a carne que vem do desmatamento não é mais aceita pela sociedade”, afirmou Adriana Charoux, da campanha Amazônia do Greenpeace. “Vamos continuar monitorando o Grupo Pão de Açúcar para garantir o cumprimento da promessa. Falta agora que o restante do setor siga na mesma direção”, disse.

Desmatamento vindo da pecuária

Há mais de dez anos o Greenpeace monitora o avanço da Pecuária na Amazônia. Em 2009,  após uma campanha da ONG, os três maiores frigoríficos do país assinaram o Compromisso Público da Pecuária, onde se comprometeram a tirar o desmatamento da Amazônia de suas cadeias produtivas.  Em novembro do ano passado, o Greenpeace lançou uma nova fase da campanha, com o relatório “Carne ao Molho Madeira – Como os supermercados estão ajudando a devastar a Amazônia com a carne que está em suas prateleiras”. Na ocasião, o Grupo Pão de Açúcar obteve a pior avaliação dentre os três maiores grupos do mercado. O relatório motivou a mobilização de ativistas, que foram às lojas do Pão de Açúcar para expor a ligação entre a carne vendida em suas gôndolas com a destruição da floresta, trabalho escravo e invasão de terras indígenas. A campanha também conseguiu mobilizar os próprios consumidores da rede, que enviaram mais de 28 mil e-mails para a companhia pedindo que a rede se comprometesse a modificar suas práticas.

De acordo com o relatório do Greenpeace, nenhuma das sete maiores redes de supermercados do país conseguiu atingiu o patamar “verde”, que corresponde a um percentual de 70% a 100% de carne livre de crimes socioambientais.

Leia Também

Frigoríficos na contramão da pecuária ilegal

Governo é aliado da destruição da Amazônia

Vaqueiros gentis criam bois mais sustentáveis

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Reportagens
30 de julho de 2014

Vaqueiros gentis criam bois mais sustentáveis

Selo internacional identifica fazendas que usam práticas de redução do sofrimento animal e do impacto da pecuária sobre o meio ambiente.

Reportagens
1 de junho de 2009

Governo é aliado da destruição da Amazônia

Relatório do Greenpeace mostra que governo é cúmplice do desmatamento da floresta tropical. Grupos internacionais fecham os olhos aos produtos que compram

Reportagens
21 de julho de 2010

Frigoríficos na contramão da pecuária ilegal

Maiores empresas do setor deixaram de comprar gado de 221 fazendas localizadas dentro de áreas protegidas ou recém-desmatadas.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta