Salada Verde

Após críticas, Bolsonaro chama Greenpeace de “lixo”

Presidente responder pergunta sobre Conselho da Amazônia atacando a ONG. Greenpeace respondeu dizendo que atitude não condiz “com o cargo que ocupa”

Daniele Bragança ·
13 de fevereiro de 2020 · 2 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Jair Bolsonaro durante Cerimônia de assinatura do decreto que dispõe sobre o Conselho Nacional da Amazônia Legal. Foto: Carolina Antunes/PR.

O presidente Jair Bolsonaro xingou nesta quinta-feira (13) a organização ambiental Greenpeace de “lixo”. A ofensa ocorreu em responta a pergunta de um jornalista sobre críticas da ONG em relação ao Conselho da Amazônia, criado oficialmente esta semana. Segundo o Greenpeace, o colegiado “não tem plano, meta ou orçamento”.

A fala de Bolsonaro ocorreu no cercadinho que o separa da imprensa no Palácio da Alvorada.

“Quem é Greenpeace? Quem é essa porcaria chamada Greenpeace? Isso é um lixo. Outra pergunta”, disse Bolsonaro.

Um jornalista quis saber sobre a ausência dos governadores no Conselho. “Se você quiser que eu bote governadores, secretários de grandes cidades, vai ter 200 caras. Sabe o que vai resolver? Nada. Nada”, disse Bolsonaro, que acrescentou: “Tem bastante ministros. Nós não vamos tomar decisões sobre estados da Amazônia sem conversar com governador, com a bancada do estado. Se botar muita gente é passagem aérea, hospedagem, uma despesa enorme, não resolve nada”, disse.

A ausência dos estados e da sociedade civil no Conselho presidido por Mourão foi a crítica que o Greenpeace havia feito. E o que gerou a resposta malcriada do presidente.

“O incômodo de quem destrói o meio ambiente soa como elogio, disse o Greenpeace, em nota. “No Brasil, temos criticado e combatido as políticas do governo que levaram ao aumento do desmatamento e ao desmantelamento dos órgãos de fiscalização, além de nos posicionarmos contra os absurdos ataques aos direitos dos povos indígenas”.

Governo estuda criar novo Ministério para cuidar da Amazônia

O deputado federal Átila Lins (PP-AM) propôs a Bolsonaro a criação de um ministério extraordinário, ligado à Presidência da República, para cuidar de assuntos da Amazônia.

“O ministério seria o órgão executor. Um ministério extraordinário, uma estrutura enxuta e que ficaria ligada à Presidência da República”, explicou o deputado, do lado do presidente.

Bolsonaro explicou que ainda iria estudar o assunto, por conta da despesa extra.

 

Leia Também 

Salles insinua que Greenpeace está por trás do derramamento de óleo no Nordeste

ICMBio perde 6 das 11 coordenações regionais

MMA regulamenta normas que alteram aplicação e cobrança de multas ambientais no país

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Reportagens
11 de fevereiro de 2020

MMA regulamenta normas que alteram aplicação e cobrança de multas ambientais no país

Com a regulamentação das mudanças, Bolsonaro consolida suas promessas de campanha de “tirar o Estado do cangote de quem produz” e acabar com “indústria da multa”, defendem especialistas

Notícias
12 de fevereiro de 2020

ICMBio perde 6 das 11 coordenações regionais

Decreto do presidente Bolsonaro não especifica quais coordenações serão extintas. Mudanças também afetam chefias de unidades de conservação

Salada Verde
24 de outubro de 2019

Salles insinua que Greenpeace está por trás do derramamento de óleo no Nordeste

Em publicação no Twitter, ministro afirma que navio da ONG estava passando por águas internacionais próximo do litoral brasileiro. Greenpeace desmente

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 3

  1. Paulo diz:

    O sr. $alles, já tinha dito que o derramamento de óleo no litoral doNordeste, tinha GRANDES indícios de ser do navio dos green.

    Pois chute e mais chutes. Mais uma farquejada.


  2. Armadillo Joe diz:

    Tão acompanhando a briga entre WWF e Survival International? Essas BONGs (big ONGs) são assim mesmo…briga de mercado! #it's_all_business


  3. Paulo diz:

    Cada um fala o que quer.
    Acredite quem quiser.
    Agora, provar o que falou. O Presidente farquejou, de NOVO.