Notícias

Ibama mantém arquivado o licenciamento a usina de São Luiz dos Tapajós

Eletrobras apresentou recurso pedindo a retomada do processo de licenciamento ambiental. Órgão manteve decisão tomada em agosto.

Daniele Bragança ·
28 de setembro de 2016 · 6 anos atrás
Alto Tapajós - Itaituba - Pará. Foto: Max Carvalho.
Alto Tapajós – Itaituba – Pará. Foto: Max Carvalho.

O Ibama reafirmou nesta quarta-feira a decisão de enterrar o processo de licenciamento da usina hidrelétrica de São Luiz do Tapajós, no Pará. A Eletrobras entrou com um recurso administrativo pedindo que a autarquia voltasse atrás na decisão de arquivar o licenciamento da usina, mas o pedido foi negado.

Em ofício assinado pela presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Suely Araújo afirmou que “há óbices legais e constitucionais ao licenciamento ambiental do empreendimento”, principalmente em relação a questão indígena e os estudos de impacto ambiental considerados insuficientes e incompletos, pelo órgão ambiental.

Questão indígena

São Luiz do Tapajós alagaria parte da Terra Indígena Sawré Muyby, da etnia Munduruku, e essa foi a principal razão do licenciamento ter sido negado, após a Fundação Nacional do Índio (Funai) apontar “a inviabilidade do projeto sob a ótica do componente indígena”. A Constituição brasileira veda a remoção permanente de índios de suas terras.

De acordo com Suely, enquanto “não solucionada pelas autoridades legalmente competentes a controvérsia acerca de demarcação e do respectivo perímetro da terra indígena em questão, não há como dar seguimento ao processo de licenciamento do empreendimento”.

 

Leia Também

Ibama arquiva licenciamento da hidrelétrica São Luiz do Tapajós

Estudo de Impacto Ambiental de São Luiz de Tapajós não mede impacto

Hidrelétricas do Tapajós: em mapa, números e gráficos

 

  • Daniele Bragança

    Repórter e editora do site ((o))eco, especializada na cobertura de legislação e política ambiental.

Leia também

Reportagens
19 de julho de 2013

Hidrelétricas do Tapajós: em mapa, números e gráficos

((o))eco tem reportado as repercussões das 5 usinas hidrelétricas a serem construídas. Veja os dados de Itaituba, a cidade base para a construção e operação das usinas.

Notícias
29 de setembro de 2015

Estudo de Impacto Ambiental de São Luiz de Tapajós não mede impacto

Análise feita por 9 especialistas a pedido do Greenpeace conclui que estudo não avalia os verdadeiros impactos da obra no Tapajós.

Notícias
4 de agosto de 2016

Ibama arquiva licenciamento da hidrelétrica São Luiz do Tapajós

Decisão baseada em recomendações do Ministério Público Federal, Funai e técnicos do próprio órgão ambiental paralisa projeto da maior usina prevista para o Tapajós

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 4

  1. Aureo Fontoura diz:

    Quem fala em energi alternativas não conhece a região.. acha que aqui é a Europa ou o Canadá.e não sabe as verdadeiras nescecisaddes de quem leva desenvolvimento ao locais mais ermos do País.


  2. Àureo Fontoura diz:

    É por isso que continuamos como terceiro mundo não fazemos o deveres de casa corretamente e trava todos is projetos de progresso e bem estar das pessoas auê vivem e querem este progresso ao seu Redor!!quem já esteve lá sabe como eu como é importante a energia para estas pessoas!!


  3. PragAmb diz:

    (Continuando comentário acima) O Ibama vira para-raio de todas as pressões pró e contra ao empreendimento…


  4. PragAmb diz:

    Tem que mudar toda a lógica do licenciamento. Não dá mais pro órgão ambiental ter de cuidar dos índios, das cadeias, da prostituição, do quilombo, do desemprego pós-obra, do impacto sobre o trânsito, etc, etc, etc…