Notícias

Idade avançada livra Padilha de acusação por crime ambiental

Acusado de construir um canal de drenagem em área de preservação permanente, o ministro foi beneficiado por norma que reduz tempo de prescrição de crime para maiores de 70 anos

Sabrina Rodrigues ·
1 de agosto de 2018 · 3 anos atrás
O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha. Foto: Foto: Pedro França/Agência Senado

Após tramitar por quase um ano e meio no Supremo Tribunal Federal, o inquérito que investigava o ministro José Padilha, da Casa Civil, por crime ambiental, deverá ser extinto. A Procuradora-Geral da República pediu na semana passada o arquivamento do inquérito. Após aceitar um argumento da defesa, Raquel Dodge considerou que o crime prescreveu. O pedido foi encaminhado para o ministro Ricardo Lewandowski, relator da ação.

Em 2013, teve início a construção do canal de drenagem no Balneário Dunas Altas, em Palmares do Sul, no litoral do Rio Grande do Sul. Eliseu Padilha é um dos sócios da empresa Girassol Reflorestamento, que construiu o canal em uma área de preservação permanente. Segundo a investigação, a construção era irregular e não licenciada. A apuração teve início no Ministério Público do Rio Grande do Sul e foi enviada para o Ministério Público Federal depois de ficar claro que a área atingida pertence à União.

Raquel Dodge : “crime prescreveu”. Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado.

Segundo a PGR, a pena máxima prevista para o crime é de três anos, o que situa a faixa de prescrição em oito anos. Mas como o acusado tem mais de 70 anos, o tempo para a prescrição cai pela metade.

“(…) considerada a cláusula etária de redução (art. 115 do CP), tendo em vista que o ministro investigado conta com mais de setenta anos, esse prazo resulta em quatro anos, lapso temporal já ultrapassado desde a data dos fatos”, escreveu Dodge.

 

 

Saiba Mais

Manifestação – PGR

Leia Também

STF autoriza abertura de inquérito contra Padilha por crime ambiental

MPE denuncia sócio de Eliseu Padilha por crimes ambientais em parque

Parque que pode ser extinto abriga fazendas de Padilha

 

 

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
20 de abril de 2017

Parque que pode ser extinto abriga fazendas de Padilha

Assembleia do Mato Grosso aprova em primeiro turno extinção de Parque Estadual Serra Ricardo Franco, onde o ministro tem 4 propriedades sob suspeita de grilagem

Notícias
23 de março de 2018

MPE denuncia sócio de Eliseu Padilha por crimes ambientais em parque

Justiça recebeu ontem denúncia contra Marcos Antônio Assi Tozzatti por causar dano ao Parque Estadual Serra Ricardo Franco, em Mato Grosso

Salada Verde
16 de março de 2017

STF autoriza abertura de inquérito contra Padilha por crime ambiental

Lewandowski autorizou abertura de inquérito para apurar se houve crime ambiental praticado pelo ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, no Rio Grande do Sul

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Luiz diz:

    Para Velho vivo crime ambiental prescreve, já para velho morto crime ambiental é imprescritível. É pinga pura!