Notícias

Julgamento de Salles é adiado mais uma vez. Resultado parcial indica absolvição

Dois dos três desembargadores que analisam o processo votaram pela absolvição do ministro. Divergência adia julgamento, que será retomado em 17 de dezembro

Cristiane Prizibisczki ·
19 de novembro de 2020
Adiado pela segunda vez julgamento do Ricardo Salles. Foto: Lula Marques/Fotos Públicas.

O julgamento do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, condenado em 1ª instância em 2018 por improbidade administrativa, foi suspenso pela segunda vez nesta quinta-feira (19). O desembargador Ruy Alberto Leme Cavalheiro pediu vista quando a análise estava 2 a 1 pela absolvição do ministro. O julgamento deve ser retomado em 17 de dezembro.

O processo diz respeito ao período em que Salles era secretário estadual do Meio Ambiente na gestão de Geraldo Alckmin (PSDB). Para o Ministério Público, o atual ministro do Meio Ambiente cometeu fraude no processo de plano de manejo da Área de Proteção Ambiental da Várzea do Rio Tietê, em 2016, para favorecer empresas (leia mais abaixo).

A 1ª Câmara Reservada ao Meio Ambiente do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) julgava o recurso apresentado pelo ministro (2ª instância do processo). O caso foi analisado por três desembargadores: o relator José Helton Nogueira Diefenthaler Junior e os magistrados Marcelo Martins Berthe e Ricardo Cintra Torres de Carvalho.

Durante a sessão desta quinta-feira (19), os desembargadores Martins Berthe e Torres de Carvalho apresentaram seus votos. Berthe acompanhou o entendimento do relator, que considerou que a interferência de Salles no Plano de Manejo teve fundamentação técnica e científica. Com o voto de Berthe, o placar indicava que Salles teria dois dos três votos a seu favor.

O terceiro desembargador, Torres de Carvalho, no entanto, votou pela condenação de Salles. O magistrado destacou que o então secretário foi desleal com sua missão à frente da Secretaria de Meio Ambiente. Para ele, Salles agiu com dolo e ofendeu a lealdade para com o governo, a população e a própria secretaria que comandava, ao omitir registros sobre alterações no plano de manejo, ofender o princípio de publicidade e desviar o processo. Nas palavras de Torres de Carvalho, a conduta do atual ministro do Meio Ambiente foi “grave, propositada, planejada e consciente”.

O relator Nogueira Diefenthaler, que fez uma extensa manifestação favorável a Salles, criticou o terceiro voto e afirmou que por trás dos argumentos de ações como essa, existem motivações ideológicas “com o interesse de destruir o ser humano”. Criticado por sua fala, o relator se desculpou posteriormente com Torres de Carvalho, esclarecendo que não atribuía essas motivações a ele, mas a outras instâncias do processo, como o Ministério Público.

Por causa da divergência, o julgamento foi estendido. Ou seja, outros dois desembargadores também vão analisar o caso. Um deles é Rui Alberto Leme Cavalheiro, que pediu vista.

A defesa do ministro informou que não vai se manifestar e que vai aguardar o fim do julgamento.

Improbidade administrativa

A condenação de Salles em primeira instância foi decidida pelo juiz Fausto José Martins Seabra, da 3ª Vara da Fazenda Pública, em dezembro de 2018 (Leia a sentença aqui). Na ocasião, o magistrado considerou que as mudanças autorizadas pelo então secretário no plano de manejo da área protegida desrespeitaram formalidades e trouxeram prejuízos ao meio ambiente.

Na ação proposta pelo MP, os procuradores afirmam que Salles e a Fiesp modificaram mapas elaborados pela Universidade de São Paulo (USP), alterando minuta do decreto do plano de manejo, e perseguiram funcionários da Fundação Florestal, tudo isso com o propósito de beneficiar empresas, especialmente companhias de mineração e filiadas à entidade empresarial.

O juiz concordou com o processo e condenou Ricardo Salles à suspensão dos direitos políticos por três anos e o pagamento de multa no valor de 200 mil reais. Além disso, Ricardo Salles está proibido de ser contratado pelo Poder Público. Salles e a Fiesp negam as acusações e recorreram da decisão.

Na apelação, os advogados Marcelo Knopfelmacher e Felipe Locke Cavalcanti, que defendem o ministro, afirmaram que não há provas que sustentem as imputações do Ministério Público e pediram o arquivamento do processo. Segundo os defensores, o plano de manejo foi alterado para “corrigir equívocos” da minuta do projeto.

 

Leia Também

Ricardo Salles foi condenado por fraude em plano de manejo

A pedido de Salles, julgamento por improbidade é adiado pelo Tribunal de São Paulo

Inquérito sobre a fala de Salles “passar a boiada” é arquivado pela PGR

 

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Notícias
30 de setembro de 2020

Inquérito sobre a fala de Salles “passar a boiada” é arquivado pela PGR

Apesar do arquivamento ter ocorrido no final de agosto, a Procuradoria Geral da República informou ao Supremo apenas nesta terça-feira, um dia após a reunião do Conama

Notícias
3 de setembro de 2020

A pedido de Salles, julgamento por improbidade é adiado pelo Tribunal de São Paulo

Ministro do Meio Ambiente é réu por improbidade administrativa durante sua gestão na Secretaria de Meio Ambiente de São Paulo, julgamento da 2ª instância seria nesta quinta (03/09). Ainda não há nova data

Notícias
20 de dezembro de 2018

Ricardo Salles foi condenado por fraude em plano de manejo

Futuro ministro do Meio Ambiente teria favorecido empresas ao alterar plano de manejo da APA do Rio Tietê, quando era secretário de Meio Ambiente de São Paulo. Cabe recurso

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta