Notícias

Não há dúvidas de que fumaça de queimadas atingiram capital paulista, diz Antonio Nobre, do INPE

Análises em água da chuva coletada na segunda-feira em SP indicam presença de partículas provenientes de queimadas

Cristiane Prizibisczki ·
21 de agosto de 2019 · 3 anos atrás
Para Antonio Nobre, do INPE, as nuvens carregadas de fumaça provocaram escurecimento do céu de São Paulo. Foto: Arquivo Pessoal.

Especialista no estudo dos “rios voadores” da Amazônia, o pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Antonio Nobre, declarou nesta quarta-feira (21) que não há nenhuma dúvida de que São Paulo foi atingida pela pluma de fumaça e fuligem das queimadas amazônicas na última segunda-feira (19), quando a capital paulista ficou encoberta por densas nuvens, que escureceram o céu por volta das 15h.

“Mesmo antes de surgirem as provas da chuva contaminada, eu já sabia, por tudo que aprendemos na Amazônia sobre “nuvens poluídas” por fumaça e fuligem, que essas nuvens de SP eram nuvens poluídas”, disse.

Segundo ele, o fato foi comprovado por evidências indiretas, como imagens de satélite mostrando o rio de fumaça que vinha desde a Amazônia, passando pelo Centro-Oeste e chegando no Sudeste, como diretas, como nuvens em São Paulo que ostentavam uma cor cinza chumbo, tendendo para o marrom, e o fenômeno do disco solar alaranjado verificado em cidades do interior do Estado.

Para Nobre, essas evidências “já confirmavam sem sombra de dúvida que queimadas na Amazônia, Centro Oeste e países vizinhos haviam transformado os rios voadores (de umidade) em rios secos (de fumaça)”.

Além disso, durante a segunda-feira, também foram verificados elementos nas nuvens que cobriram são Paulo que confirmariam o fato, como presença de fumaça e fuligem vistas do espaço e do solo – depois comprovada por análise da água coletada; nuvens maiores com tons de poluição e pouca ou nenhuma chuva.

De fato, análises feitas por duas universidades na água da chuva coletada por moradores da capital paulista durante o fenômeno confirmaram a presença de partículas provenientes de queimadas.

Um dos testes foi feito pelo Instituto de Química da Universidade de São Paulo (USP) e indicou que a água escura coletada continha reteno, uma substância proveniente da queima de biomassa e considerada um marcador de queimadas.

Outra análise, realizada pela Universidade Municipal de São Caetano (USCS), mostrou que a concentração de material particulado, conhecido como fuligem, foi sete vezes maior do que a registrada na água de uma chuva normal e a presença de sulfetos 10 vezes superior.

“Parece ter havido um encontro, sobre SP, entre massa mais fria com umidade (local ou remota) com a massa mais quente com fumaça, e daí o fenômeno. Pelo que ouvi, as fontes oficiais de meteorologia já concedem o efeito da poluição das queimadas no que se viu no dia 19 em SP”, explicou Nobre.

Bolsonaro atribui focos de incêndio a ONGs

Na manhã desta quarta-feira, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou que organizações não –governamentais (ONG) podem estar por trás das queimadas na região amazônica para “chamar a atenção” contra o governo.

A declaração foi feita a repórteres na saída do Palácio Alvorada e depois repetida em discurso em um congresso do setor de aço, realizado em Brasília.

“A questão da queimada na Amazônia, que no meu entender pode ter sido potencializada por ONGs, porque eles perderam grana, qual é a intenção? Trazer problemas para o Brasil”, disse o presidente.

Bolsonaro também acusou as ONGs de se utilizarem de recursos do governo e de doações para fazer campanha contra a administração federal. “Você pode ver, pega [ONG] o que se manda de verbas bilionárias, 40% para ONG, essa ONG vai para a mão dessas pessoas para ficar rodando a Amazônia e ficar fazendo campanha contra nós o tempo todo. Perderam a boquinha também”.

Pesquisa inédita do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) analisou o repasse de recursos federais para organizações não governamentais entre os anos de 2010 e 2018 e concluiu que apenas 2,7% das entidades existentes recebem recursos federais. No período estudado, foram repassados para tais organizações R$ 118 bilhões, o que representa apenas 0,5% do total empenhado pelo governo federal durante esse tempo (R$ 25 trilhões).

 

*Editado às 23h, do dia 26/08/2019.

 

Leia Também 

Escuridão em SP não foi causada unicamente por queimadas, mas alertou população para problema

Arco do fogo avança sobre o Amazonas

Série revela a nova realidade das queimadas na Amazônia

 

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Salada Verde
8 de fevereiro de 2018

Série revela a nova realidade das queimadas na Amazônia

Série em cinco episódios do Observatório do Clima aborda as motivações que estão por trás das queimadas e os impactos da destruição do meio ambiente

Notícias
11 de setembro de 2017

Arco do fogo avança sobre o Amazonas

Agosto registrou um record para o estado, mais de 6 mil focos de queimadas. O maior número desde que o monitoramento começou

Reportagens
20 de agosto de 2019

Escuridão em SP não foi causada unicamente por queimadas, mas alertou população para problema

“Dia escuro” foi causado por condições meteorológicas, segundo especialistas. A partir do fenômeno, paulistas descobriram que Brasil a vive a maior onda de queimadas dos últimos anos

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 14

  1. Desmarronza diz:

    Essa notícia não merece crédito.
    Para que essa fumaça chegasse a São Paulo teria que ser incêndios de proporções apocalípticas.
    INPE já disse que tal efeito somente seria possibilitado por erupções vulcânicas.
    Pessoas de Rondônia, Pará e Amazonas já declaram que esses incêndios ocorrem sempre nesse período do ano.
    ONGs perdem dinheiro e agora esses incêndios são o motivo para o futuro armagedom?


  2. José Luiz de Sanctis diz:

    O prof. Ricardo Felício, renomado climatologista, explicou o fenômeno num vídeo https://youtu.be/tLzsrkTMuBg . Era só chuva mesmo, o resto é fake news dos inconformados com a derrota de um candidato poste que transformaria o Brasil numa Venezuela.


    1. Carlos Magalhães diz:

      Pois é, José Luiz. Termos uns poucos mal intencionados informados, o grosso da mídia aí incluída, e uma imensa massa de manobra de inocentes e bobalhões uteis para fazer barulho.

      É cada vez mais impressionante a audácia dos idiotas.


    2. Carlos Magalhães diz:

      Molion e Ricardo Felício NUNCA são ouvidos por O ECO. Isenção passa longe daí.


  3. Carlos Magalhães diz:

    O ECO já virou imprensa marrom, total. Difícil ver uma matéria mais fake, manipulada, falsa, do que esta. Nenhum Estado e nem nenhuma cidade entre a amazônia e SP foi atingida. Curioso, né? Da amazônia direto, "non stop" para a grande São Paulo…. Nenhum piloto que operou naquele dia em GRU ou CGH reportou qualquer anormalidade, apenas as formações normais de frentes e nuvens que os meteorologistas explicam com facilidade…


    1. João da Silva diz:

      Claro. Quem estudou a vida inteira, tem doutorado, é cientista renomado no mundo não entende de queimadas. Quem entende mesmo de queimadas é você, bolsominion.


  4. Paulo diz:

    Informe: Vejam as imagens e comentários provenientes da NASA. Aquela do tio Sam.

    Abraços.


  5. Fabio diz:

    Lamentável que essa industria da fake news esteja se proliferando. Ja li em outras mateiras, outros funcionarios do inpe discordam. Se as nuvens viessem da amazonia, o fenomeno aconteceria em outras cidades também, no caminho entre amazonia e SP. como aconteceu somente em SP, onde a poluição eh gigante, trata-se de um fenomeno local


  6. AAI diz:

    Curioso é ninguém saber que o que tá rolando nas instituições é a lei da mordaça! Ninguém pode abrir a boca pra falar nada que posa prejudicar o governo!
    O Sr. Antônio Nobre foi corajoso! Com certeza agora tá na mira da exoneração se tiver algum cargo, ou no mínimo de represálias!


  7. Deni diz:

    Curioso que nenhum centro de pesquisa se preocupou em coletar a água para análise. Se limitaram a analisar amostras coletadas por moradores.


  8. Paulo diz:

    Pois é.
    Vamos pagar para ver.


  9. João Carlos diz:

    Fumaça pulou da Amazônia e caiu em São Paulo, por isso que no caminho ninguém viu, afirma o "especialista em RIOS VOADORES". Parece matéria da revista UFO… lá eles falam de OVNIS, aqui são RIVNIS, rios voadores não identificados.


  10. Carlos Eduardo diz:

    1. João Carlos diz: