Notícias

Para frear aumento da caça, organizações se manifestam contra ampliação do porte de armas

A disseminação do uso de armas de fogo, encorajada e desburocratizada por Bolsonaro, pode ter como efeito colateral um aumento na caça de animais silvestres

Duda Menegassi ·
25 de agosto de 2020 · 1 anos atrás
Ampliação do acesso à armas de fogo e munições tem preocupado ambientalistas. Foto: Pixabay

As armas de fogo sempre foram uma bandeira de Jair Bolsonaro e desde que assumiu a presidência, o mesmo tem se esforçado para desburocratizar e ampliar o acesso às armas. Esse esforço – traduzido em 11 portarias e 8 decretos sobre o tema – repercutiu na posse de mais de 130 mil novas armas só em 2020. Para além de outras críticas sociais feitas por instituições e especialistas sobre a ampliação do acesso às armas de fogo, ambientalistas temem que este aumento possa também estimular a caça ilegal de animais silvestres no país. Um conjunto de 137 organizações da sociedade civil, como a WWF, o Observatório do Clima e a Rede de ONGs da Mata Atlântica, assinaram na segunda-feira (24) um manifesto em que alertam sobre essa relação e esses riscos à biodiversidade.

O texto produzido pelas organizações foi encaminhado aos presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e pede para que ambos pautem e aprovem Projetos de Decretos Legislativos que encerram esse processo de facilitação de acesso dos cidadãos às armas e munições “que contribuem para a deterioração da segurança pública de nossa população e a destruição das condições de vida silvestre em nosso país”. Leia o manifesto na íntegra aqui.

De acordo com reportagem produzida pelo Fantástico, da Rede Globo, baseado em fontes da Polícia Federal e do Exército, em 2019, 191.536 novas armas foram colocadas em circulação no país. E até junho de 2020, já eram 139.334 novas armas de fogo.

No ofício, as organizações denunciam a expansão de compras e registros de novas armas de fogo e chamam atenção, em especial, para a categoria de caçadores, cuja cota de armas foi ampliada pelo Decreto nº 9.846/2019 de 12 para 30, sendo até 15 de uso restrito, o que inclui fuzis semiautomáticos. Além disso, cada caçador pode adquirir anualmente até 5.000 munições para cada arma de uso permitido e 1.000 para as de uso restrito.

No manifesto coletivo, as organizações explicam que é “lamentável o fato de haver sido permitido um aumento do limite de armas e munições para caçadores” e lembram que a legislação atual do Brasil permite apenas a caça de controle do javali-europeu e do seu híbrido, conhecido vulgarmente como javaporco, que são exóticas e invasoras nos biomas brasileiros, mas que na prática a caça de animais silvestres, apesar de ilegal, ocorre a reboque. “Pode-se dizer que o javali é a “porta de entrada” e o “garoto propaganda” para a adoção da caça esportiva no país. Mesmo hoje, é comum que o caçador autorizado pelo Ibama e pelo Exército Brasileiro para controle do javali pratique também, no interior de florestas sem qualquer fiscalização, a caça ilegal a animais nativos do país, o que constitui crime ambiental de acordo com as Leis 5.197/1967 e 9.605/2008”, explica o texto.

Leia também

O que fazer com a caça no Brasil?

A que interesses servem os defensores da caça no Brasil?

A caça no Brasil, seus dogmas e tabus: uma réplica a Borges e colaboradores

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação, montanhismo e divulgação científica. Escreve para ((o))eco des...

Leia também

Análises
27 de agosto de 2019

A caça no Brasil, seus dogmas e tabus: uma réplica a Borges e colaboradores

Acreditamos que qualquer crítica construtiva ao texto “O que fazer com a caça no Brasil?”, deveria, antes de tudo, ter sido acompanhada por uma leitura atenta do artigo científico que inspirou tal conteúdo

Análises
4 de agosto de 2019

A que interesses servem os defensores da caça no Brasil?

A parcialidade e o direcionamento favoráveis à caça estão claros na íntegra do texto publicado em ((o))eco no dia 15 de julho, sobre o qual este artigo se debruça

Análises
15 de julho de 2019

O que fazer com a caça no Brasil?

A gestão da fauna silvestre e a caça precisam ser regulamentadas e adaptadas, no mínimo, com base nas características ecológicas e culturais de cada bioma

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 3

  1. Paulo Pizzi diz:

    Para aqueles que defendem que caçador legalizado de javali / javaporco não caça ilegalmente animais silvestres, veja o link abaixo. Confissão de representante dessa categoria, em rede social de caçadores, afirmando que matou indivíduo de gato-maracajá (ameaçado de extinção), durante caça ao porco, porque ele distraia os seus cães. O próximo argumento dos defensores da caça será certamente outro dogma tradicional: "mas isso é uma exceção à regra, um caso isolado".
    https://www.facebook.com/aprobiodiversidade/video


  2. Bene diz:

    Sim… até porque o caçador vai na loja comprar uma arma legalizada. Aquela falsa correlação de sempre sobre esse assunto. Se o Eco tivesse curiosidade jornalística, sem entrar nessa coleção de lugares-comuns que é esse assunto, veria que a realidade não é bem isso que está sendo dito na notícia.
    Tem muito livro e dados sérios disponíveis.