Notícias

Projeto que barra soja no Pantanal em Mato Grosso do Sul é arquivado

Matéria foi rejeitada após parecer contrário da Comissão de Constituição, Justiça e Redação, composta por parlamentares da Frente Parlamentar em Defesa do Agronegócio

Michael Esquer ·
6 de abril de 2023

O projeto de lei (PL) que queria proibir a expansão e a abertura de novas áreas para monocultura, sobretudo de soja, no Pantanal sul-mato-grossense foi arquivado nesta quarta-feira (5). A rejeição da matéria ocorreu após parecer contrário da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMS). A decisão da comissão foi unânime. 

Proposto em março pelo deputado Pedro Kemp (PT-MS), o PL nº 69/2023 tinha o objetivo de proteger o bioma, assim como sua fauna, flora e recursos hídricos, de ameaças como a perda de habitat, aumento da poluição das águas e degradação dos solos. “Além do manejo da terra, do desmatamento, o plantio da soja acaba tendo que utilizar agrotóxicos e isso pode, no período das cheias, ser transportado pela água e causar um estrago muito grande para a biodiversidade do Pantanal”, disse ele a ((o))eco. 

Para o deputado Pedrossian Neto (PSD-MT), que foi relator da matéria na comissão, o PL contraria o princípio da “livre iniciativa, impondo ônus excessivo sobre o direito de propriedade”. O parlamentar ainda argumentou que o Pantanal sul-mato-grossense já recebe proteção por diversas legislações específicas. 

Entretanto, tais proteções não impedem que o bioma assista o avanço de lavouras temporárias que, entre 1985 e 2021, saltaram  de 4,1 mil hectares para 17,3 mil, um número quatro vezes maior, segundo o MapBiomas. Desse total, 605 hectares são de soja, identificados visualmente em duas regiões ao leste do bioma, conforme informa a equipe da rede colaborativa que monitora o Pantanal.

“O Projeto em análise apresenta restrição indevida na propriedade privada, ao impor limitações que extrapolam as normas gerais já fixadas pela legislação federal”, diz o parecer da comissão. “Desse modo, conclui-se que o Projeto de Lei apresentado apresenta vício de inconstitucionalidade material, o que impede sua regular tramitação”, completa o documento

O parecer contrário do parlamentar foi apoiado por todos os membros titulares da CCJR: os deputados Antônio Vaz (Republicanos-MS); João Matogrosso (PSDB-MS); Junior Mochi (MDB-MS); e Mara Caseiro (PSDB-MS). Com exceção de Mochi, os demais parlamentares integram a Frente Parlamentar em Defesa do Agronegócio na ALMS, incluindo o próprio relator do PL na comissão.

Soja em Mato Grosso

Em Mato Grosso, o plantio de culturas de larga escala, como a cana e soja, já está proibido conforme determina a Lei nº 8.830/2008 – também conhecida como a Lei do Pantanal do estado. No mês passado, o deputado Wilson Santos (PSD-MT) propôs um PL similar ao arquivado no Mato Grosso do Sul, cujo objetivo também é conter a expansão e a abertura de novas áreas para monocultura no Pantanal.   

  • Michael Esquer

    Jornalista pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), com passagem pela Universidade Distrital Francisco José de Caldas, na Colômbia, tem interesse na temática socioambiental e direitos humanos

Leia também

Notícias
22 de março de 2023

Projeto quer frear avanço da soja no Pantanal em MS

Proposta quer proibir novos plantios de soja e outras monoculturas para proteger bioma de ameaças como a perda de habitat e contaminação da água

Reportagens
26 de maio de 2021

Pantanal não tem lavouras, mas veneno da soja chega pelos rios e ameaça bioma

Com apenas 0,01% de sua área utilizada para produzir a commodity, o Pantanal está vulnerável justamente pela condição que o faz único: as águas que o inundam anualmente carregam consigo resíduos dos agrotóxicos da região que mais usa pesticidas no Brasil

Notícias
14 de fevereiro de 2022

Em 11 anos, fazendas de soja no Mato Grosso desmataram 468 mil hectares ilegalmente

Maior produtor de soja do país, estado perdeu quase meio milhão de hectares de vegetação nativa, tanto no Cerrado quanto na Amazônia, pro desmatamento ilegal em fazendas da commodity

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comentários 1

  1. Marco Antônio diz:

    Adeus bioma Pantanal. Isso não pode acontecer. Crime. Tem que haver um jeito de impedir esse absurdo. Ministério do Meio Ambiente, Ação.