Notícias

Projeto quer acelerar aprovação de novos agrotóxicos

As análises realizadas pelos ministérios da Saúde, do Meio Ambiente e Agricultura serão concentradas no último. Objetivo é acelerar aprovação de novos pesticidas

Daniele Bragança ·
17 de março de 2016 · 6 anos atrás
Projeto do Senador Ruben Figueiró (PSDB-MS) transfere para Ministério da Agricultura análises sobre registros de agrotóxicos. Foto: Pedro França/Agência Senado.
Projeto do Senador Ruben Figueiró (PSDB-MS) transfere para Ministério da Agricultura análises sobre registros de agrotóxicos. Foto: Pedro França/Agência Senado.

Enquanto o país comemora o crescimento da produção de orgânicos, alimentos produzidos sem o uso de agrotóxicos, o Congresso Nacional discute uma série de projetos de lei que visa modificar ou substituir a Lei 7.802, de 1989, que rege o uso e a comercialização de agrotóxicos no país.

Uma dessas modificações tramita desde 2003 no Senado. Trata-se do projeto de lei nº 209/2013, que concentra todo o poder de aprovação e revisão de agrotóxicos no Ministério da Agricultura. Objetivo é acelerar aprovação de novos pesticidas.

Atualmente, a competência para registrar novos agrotóxicos é compartilhada entre os Ministérios da Agricultura (através da Secretaria de Defesa Agropecuária), da Saúde (representado pela Anvisa) e do Meio Ambiente (cuja atribuição é do Ibama).

Ao Ministério da Agricultura cabe avaliar o desempenho agronômico do produto e emitir o seu registro. Isto será feito após receber os pareceres dos Ministérios da Saúde, responsável pela avaliação toxicológica, e do Meio Ambiente, responsável pela avaliação ambiental. Só é possível obter aprovação do novo agrotóxico se os três ministérios aprovarem.

O projeto do senador Ruben Figueiró (PSDB-MS), além de acabar com a gestão tripartite, também fixa o prazo de 180 dias para que o órgão registrante analise o pedido da empresas. O senador justifica que o tempo de registro de novos agrotóxicos são demasiadamente longos e que o projeto visa corrigir essa falha.

“É impensável que em pleno século XXI, o registrante de agrotóxicos precise ir com três dossiês – ambiental, agronômico e toxicológico – em vários lugares em vez de ir a somente um. Depois disso, ainda tem que cadastrar o produto em vinte sete estados! Chega-se a absurda média de cerca de 40 meses para registro de um produto novo, havendo expectativa de que se toda a lista em análise pelo Governo for avaliada deveremos esperar cerca de 12 anos!”, afirma o senador Figueiró, na justificativa do projeto.

MPF repudia projeto

Em nota, a Câmara de Meio Ambiente e Patrimônio Cultural do Ministério Público Federal divulgou uma nota de repúdio ao projeto de lei do Senado.

Segundo a nota, o projeto é totalmente contrário à Constituição Federal

“Não se pode permitir, consequentemente, que apenas um órgão, o MAPA (Ministério da Agricultura), seja responsável pelo procedimento de autorização e registro de agrotóxicos e afins, nele centralizando a análise de aspectos sanitários ou ambientais, para os quais não tem competência técnica”.

 

Leia Também

A Revolução Verde é insustentável

Como andam os agrotóxicos no Brasil

Agrotóxico mata milhares de abelhas no interior de São Paulo

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Notícias
19 de fevereiro de 2014

Agrotóxico mata milhares de abelhas no interior de São Paulo

As substâncias foram encontrados nos insetos mortos. Mortandade de colméias em Gavião Peixoto chamou a atenção das autoridades.

Reportagens
2 de setembro de 2011

Como andam os agrotóxicos no Brasil

Em 2008, o país ultrapassou os EUA e se tornou o maior consumidor de agrotóxicos do mundo, como também o de mercado cresce mais rápido.  

Colunas
16 de abril de 2009

A Revolução Verde é insustentável

É inevitável rever a produção de alimentos e a agricultura orgânica é um dos caminhos. Alimentar a população humana não necessita de aumento contínuo da produção

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 3

  1. Andrea_Calheiro diz:

    Este animal pensa o quê? Tem que ser analisado e demorar o máximo possível para ver se é seguro ao menos um pouco já que nenhum é. ao menos nas mãos de 3 grupos fica mais difícil de um arregar sem ter que dar explicações para o outro o que gera mais conforto na hora de negar um visto. senador Ruben Figueiró (PSDB-MS), cidadão cuidado este cara é um assassino, pois certamente mais agrotóxicos causarão mais canceres na população


  2. paulo diz:

    Este senador é um inimigo público da nação, destruidor do bem comum da nação brasileira, um vendido das empresas da quimica da morte.
    Crápula do agouro da morte lenta.


    1. Elizabeth Wonderyne diz:

      É do PSDB, não está nem um pouco preocupado com a alimentação saudável do povo. Povo? rsrsrsr…. O Povo que se dane!