Notícias

Proposta que extingue parque no Mato Grosso foi suspensa

Autor do projeto, deputado Adriano Silva (PSD) solicitou a paralisação da tramitação decreto e cobrou estudo sobre a Unidade de Conservação

Daniele Bragança ·
3 de maio de 2017 · 5 anos atrás
Autor do projeto, deputado Adriano Silva (PSD) pediu a paralisação da tramitação decreto. Foto: Ascom/Divulgação.
Autor do projeto, deputado Adriano Silva (PSD) pediu a paralisação da tramitação decreto. Foto: Ascom/Divulgação.

O projeto de decreto legislativo que extingue o Parque Estadual Serra Ricardo Franco, localizado na Vila Bela da Santíssima Trindade, estado de Mato Grosso, teve a tramitação na Assembleia Legislativa (ALMT) suspensa nesta quarta-feira (03) a pedido do autor da proposta, deputado Adriano Silva (PSD).

O Projeto de Decreto Legislativo nº 02/2017 foi proposto há um mês e aprovado em votação no primeiro turno no dia 19 de abril. O tempo recorde de tramitação da proposta, que acabaria com um dos mais importantes parques estaduais do Mato Grosso, gerou reação dos ambientalistas e do Ministério Público. Até uma petição direcionada à Assembleia Legislativa de Mato Grosso foi feita, com um apelo para que os deputados impeçam a extinção da unidade.

Os deputados recuaram, por ora. Nesta quarta-feira, o deputado estadual Adriano Silva (PSD) subiu à tribuna para solicitar a suspensão do Projeto de Decreto Legislativo.

“Esse decreto tem 20 anos e não condiz com a realidade dos moradores daquele local. Quando foi criado o Parque, não houve a adequação necessária e legal para desapropriar as pessoas que já estavam lá. Uma falha da Justiça e do Estado de Mato Grosso. O Estado foi omisso nesse processo e nada mais justo que se faça agora um estudo, respeitando a realidade dos que lá vivem”, disse Adriano.

Cachoeira do Jatobá, na parte alta do Parque Estadual Serra de Ricardo Franco. Foto: Renato Moreira/Wikiparques.
Cachoeira do Jatobá, na parte alta do Parque Estadual Serra de Ricardo Franco. Foto: Renato Moreira/Wikiparques.

Segundo o deputado, o Ministério Público do Estado de Mato Grosso e a Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema) vão firmar um Termo de Ajustamento de Conduta com as medidas a serem adotadas visando a efetivação da regularização do Parque.

Em 2015, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) começou a organizar as informações para saber quais propriedades existiam antes da criação do parque, e, portanto, eram de donos legítimos, e quais apareceram depois. A ideia era expulsar os grileiros e regularizar os donos, ora indenizando, ora vendendo a propriedade para outros proprietários rurais que precisassem compensar a reserva legal que haviam desmatados. Foi justamente a tentativa de implementar o Parque e retirar dos limites fazendeiros que compraram terras após a criação da unidade que gerou o movimento, na Assembleia Legislativa, de acabar com a unidade.

Após a reação dos ambientalistas, os parlamentares preferiram baixar o tom e criar uma comissão para analisar a proposta.

“Sou membro dessa comissão e vamos pedir celeridade nesse estudo que será feito pelo Governo do Estado. Nós, enquanto deputados estaduais, queremos ajudar a construir a solução para este imbróglio. E, por este motivo, solicito ao Executivo e ao MPE que delimite uma data para início e finalização deste estudo. Não é viável postergar”, cobrou Adriano, em discurso no plenário. “Que fique registrado o meu posicionamento: sou a favor da Unidade de Conservação Serra de Ricardo Franco. Sou daquela região e sei o quanto a população anseia para que se chegue a um resultado justo. Esse acordo pactuado entre Estado e MP, por si só, já demonstra a necessidade de se fazer um levantamento”.

 

Leia Também

Proposta que extingue parque no Mato Grosso será apreciada por comissão

Parque que pode ser extinto abriga fazendas de Padilha

A lei do mais forte

 

 

  • Daniele Bragança

    Repórter e editora do site ((o))eco, especializada na cobertura de legislação e política ambiental.

Leia também

Reportagens
19 de novembro de 2004

A lei do mais forte

Parque Estadual Serra de Ricardo Franco, corredor ecológico de grande biodiversidade em Mato Grosso, pode perder 100 mil hectares para a expansão da soja.

Notícias
20 de abril de 2017

Parque que pode ser extinto abriga fazendas de Padilha

Assembleia do Mato Grosso aprova em primeiro turno extinção de Parque Estadual Serra Ricardo Franco, onde o ministro tem 4 propriedades sob suspeita de grilagem

Notícias
25 de abril de 2017

Proposta que extingue parque no Mato Grosso será apreciada por comissão

Assembleia criou colegiado que analisará a proposta. Três dos cinco deputados titulares da comissão são autores do decreto que acaba com a unidade

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta