Notícias

Rosa Weber derruba decisão do Conama que tirava proteção de restingas e manguezais

Ministra concedeu liminar e derrubou a revogação de resoluções que protegiam áreas de preservação permanente (APPs) de restingas e manguezais, e outra sobre licenciamento para irrigação

Daniele Bragança ·
29 de outubro de 2020
Ministra Rosa Weber, durante sessão extraordinária do STF. Foto: Carlos Moura/SCO/STF.

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu liminar e suspendeu a revogação das resoluções referentes à proteção de manguezais, restingas e licenciamento para irrigação, decididas pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) em reunião realizada no dia 28 de setembro.

Após a concessão da liminar,  a ministra enviou a decisão para apreciação do plenário, que dará a última palavra, tanto sobre a validade da decisão de Weber, quanto sobre o mérito da ação, que foi apresentada pelo Partido dos Trabalhadores (PT).

“Tenho por suficientemente evidenciado, pois, pelo menos em juízo preliminar, que a Resolução nº 500, de 28 de setembro de 2020, do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), ao revogar as Resoluções nºs 284/2001, 302/2002 e 303/2002, vulnera princípios basilares da Constituição, sonega proteção adequada e suficiente ao direito fundamental ao meio ambiente equilibrado nela assegurado e promove desalinho em relação a compromissos internacionais de caráter supralegal assumidos pelo Brasil e que moldam o conteúdo desses direitos”, escreveu Weber na decisão (leia a íntegra aqui).  

“É uma vitória para o Brasil, uma vitória para o Meio Ambiente”, comemorou o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), no Twitter.

A Rede Sustentabilidade e o PSB também entraram com ação no STF contra a decisão do Conama. Mas a decisão liminar é apenas sobre a ação impetrada pelo PT.

O Conama votou pelo fim de 3 resoluções em votação de três horas ocorrida na manhã do dia 28 de setembro. A validade da votação foi suspensa no dia seguinte, em liminar expedida pela Justiça Federal do Rio de Janeiro, mas três dias depois, na sexta-feira (02/10), foi restabelecida pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região. 

 

Leia Também 

Decisão do Conama fragiliza proteção de restingas e manguezais

Congressistas entram na Justiça para reverter retrocessos aprovados no Conama

Conama revoga proteção de manguezais, restinga e dispensa licença para irrigação

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Reportagens
28 de setembro de 2020

Conama revoga proteção de manguezais, restinga e dispensa licença para irrigação

Em reunião atropelada, Conselho Nacional de Meio Ambiente ignora pedidos por mais tempo de apreciação e revoga normas que ele mesmo criou

Notícias
28 de setembro de 2020

Congressistas entram na Justiça para reverter retrocessos aprovados no Conama

Projeto de Decreto Legislativo foi apresentado pelo Psol na Câmara para reverter as revogações aprovadas pelo colegiado. Rede Sustentabilidade entrou com ação no Supremo Tribunal Federal

Reportagens
28 de setembro de 2020

Decisão do Conama fragiliza proteção de restingas e manguezais

Sem a norma nacional, a regulamentação sobre as Áreas de Preservação Permanente, as APPs, ficará a cargo dos estados, que farão sua própria interpretação sobre critérios de proteção

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 5

  1. J.R.Menezes diz:

    Muito triste Licenciamento ambiental para irrigacão de agrossistemas. Uma vergonha tecnológica. Uma demonstração que o colonialismo europeu continua utilizando o ambientalismo anti humanidade, para proibir o desenvolvimento sustentável e a melhoria da qualidade de vida dos brasileiros. Os Qanats persas demontram que a irrigacão é a maneira mais eficiente e sustentável de produzir alimentos. Mais um desperdício burocrático de água, ar, sol e solo. Muito triste. No Brasil, a irrigacão é responsavel por 60% dos alimentos que consumimos e utiliza menos de 0,5% dos 8 trilhões de metros cúbicos de água doce, anualmente jogados no Oceano Atlântico. Chaves do Céu com os guardiões da pobreza e sofrimentos dos brasileiros.


  2. Jurista diz:

    Ou seja, independente do mérito das resoluções, o ativismo judicial falou mais alto. Se o conselho vale pra legislar, porque não pra revogar?


    1. Paulo diz:

      Qual conselho!
      Este que foi formado "nas coxas".
      Seguindo a Constituição, e as escritas. O STF acertou.


    2. Rafael diz:

      Por isso que temos um judiciário. Para verificar se a nossa legislação está sendo cumprinda. Nitidamente a resolução foi elaborada sem seguir o mínimo exigido por lei, ouvir a opinião pública e conulta técnica, para assutos de grande relevância como a conservação de nossos patrimônios naturais.