Notícias

Uma década combatendo pínus invasores nas dunas de Florianópolis

Projeto de extensão da UFSC promove a restauração da paisagem e controle de espécies invasoras no Parque Natural Municipal das Dunas da Lagoa da Conceição

Daniele Bragança ·
2 de junho de 2020 · 1 anos atrás
Voluntária retira pínus invasores no Parque Natural Municipal das Dunas da Lagoa da Conceição. Foto: Michele de Sá Dechoum/UFSC.

Desde 2010, um grupo de voluntários, liderados pelo Instituto Hórus de Desenvolvimento e Conservação Ambiental e pela Universidade Federal de Santa Catarina, realiza mutirões para a retirada de pínus invasores localizados nas dunas da Lagoa da Conceição, em Florianópolis. Em 10 anos, mais de 370 mil pínus foram arrancados e cerca de 200 hectares de restinga estão em processo de restauração.

A introdução desses pinheiros na região ocorreu na década de 1960, mas não houve uso econômico após a reintrodução. Em 1988, o local foi transformado em Parque Municipal. O pinheiro, que possui sementes leves, facilmente carregadas pelo vento, tomou conta da paisagem em pouco mais de 4 décadas, competindo com as espécies locais – algumas que só existem ali, como a Campomanesia littoralis e Cyphomandra maritima, – por espaço, sol e água.

A invasão biológica por Pinus elliottii, nativas do Hemisfério Norte, atualmente está controlada no Parque Natural Municipal das Dunas da Lagoa da Conceição, graças ao trabalho desenvolvido pelo Instituto Hórus de Desenvolvimento e Conservação Ambiental, com apoio técnico-científico do Laboratório de Ecologia de Invasões Biológicas, Manejo e Conservação (Leimac), vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Ecologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), que desenvolve estudos e atividades de extensão no local, e às dezenas de voluntários que, todo mês, tiram um dia para ajudar a arrancar o mal pela raiz (literalmente).

A invasão biológica é uma das 5 causas de perda de biodiversidade do mundo.

Embora o invasor seja persistente, o impacto positivo da retirada na paisagem e nas espécies locais já são sentidos. Pouco a pouco, a ambiente de restinga ressurge como deveria ser, com as espécies nativas reocupando o espaço. Para comemorar os 10 anos de atividade, o Instituto Hórus divulgou um vídeo em homenagem aos voluntários.

Atividades de controle

Até o momento, mais de 100 atividades de controle de pínus foram realizados. Os voluntários são principalmente moradores do entorno do Parque e de Florianópolis, alunos de graduação e pós-graduação da Universidade Federal de Santa Catarina e outros interessados na conservação do parque.

Em 2020, por causa da pandemia do novo Coronavírus, apenas duas atividades de manejo foram feitas na unidade de conservação. “Fazemos ao menos um mutirão por mês. A madeira fica decompondo no local. Não teria como retirar de lá, degradaria muito a área”, explica Michele de Sá Dechoum, coordenadora do Laboratório de Ecologia de Invasões Biológicas, Manejo e Conservação (Leimac), da UFSC.

Galeria: Fora pínus

Paisagem tomada por pínus/Paisagem sem pínus. Foto: Michele de Sá Dechoum/UFSC.
Paisagem com espécie invasora. Foto: Rafael Barbizan.
Paisagem manejada. Foto: Rafael Barbizan.
Com pínus. Foto: Rafael Barbizan.
Sem pínus. Foto: Rafael Barbizan.
Voluntários do projeto em 2015. Foto: Michele de Sá Dechoum/UFSC.
Patos locais. Foto: Michele de Sá Dechoum/UFSC.
A paisagem do Parque Natural Municipal das Dunas da Lagoa da Conceição. Foto: Rafael Barbizan.
A paisagem do Parque Natural Municipal das Dunas da Lagoa da Conceição. Foto: Rafael Barbizan.
A paisagem do Parque Natural Municipal das Dunas da Lagoa da Conceição. Foto: Rafael Barbizan.
Sempre viva. Foto: Michele de Sá Dechoum/UFSC.
Clusia criuva. Foto: Divulgação.
Paisagem sem árvores invasoras. Foto: Michele de Sá Dechoum/UFSC.

 

 

Leia Também 

“Foi uma invasão biológica”, diz José Augusto Pádua

Pandemias, invasões biológicas e o mundo que queremos

Pinus versus bois nos campos sulinos

 

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Análises
19 de abril de 2020

Pandemias, invasões biológicas e o mundo que queremos

A disseminação de um agente causador de doença infecciosa, como vírus e bactérias, pode ter muito em comum com o processo de invasão biológica

Reportagens
9 de maio de 2017

“Foi uma invasão biológica”, diz José Augusto Pádua

Em entrevista a ((o))eco, o historiador fala sobre o gado bovino como instrumento de conquista desde os tempos de colônia até a recente ocupação da Amazônia

Análises
29 de novembro de 2021

Compatibilizar o incompatível é solução pra quê?

Querem mudar a Lei do SNUC através de um instrumento obtuso sem suporte científico, que ignora tudo que a legislação estabelece no que concerne à proteção da nossa biodiversidade

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta