Reportagens

Versão brasileira

É possível fazer uma ceia de Natal apenas com produtos orgânicos? Difícil, com os cardápios essencialmente exóticos que adotamos. Mas existem alternativas.

Ana Antunes ·
9 de dezembro de 2005 · 16 anos atrás

Todo ano é a mesma coisa. Chega dezembro e a ceia de Natal se torna a principal preocupação de muita gente. Principalmente os ecologistas, que prezam produtos naturais, livres de agrotóxicos e inofensivos ao meio ambiente. Será possível fazer uma ceia inteiramente orgânica?

Difícil. O problema dos cardápios de Natal é que eles não são nada brasileiros. Em pleno verão, nos rendemos aos costumes tradicionais europeus e enchemos a mesa com pratos pesados típicos do inverno de lá. O peru, por exemplo, deve sua fama natalina ao rei Henrique VIII, que governou a Inglaterra no século XVI. A ave, que até então alimentava os imperadores astecas, foi descoberta junto com as Américas e incorporada pelo rei à ceia de Natal. Substituiu o pavão e o cisne na celebração do nascimento de Jesus, e o costume se espalhou pelo mundo.

Peru orgânico no Brasil? Não tem, garantem os especialistas do ramo. “Desconheço totalmente”, diz Ângela Thompson, dona do Sítio do Moinho, que produz e revende produtos desse gênero. O jeito, sugere ela, é substituir o peru por frango caipira ou algo ainda mais tropical, como camarão. E antes que os ambientalistas se arrepiem, é bom esclarecer: nem todo camarão é produto da devastação dos manguezais na costa nordestina. Já existem os orgânicos devidamente certificados.

Resolvido o problema do peru, chega-se ao dilema das nozes. No Império Romano, essas castanhas, além de alimentarem, serviam de brinquedo para as crianças, e na casa dos ricos eram banhadas em ouro e usadas como decoração. Somos fiéis à tradição, mas não precisa. A castanha-do-pará, hoje também conhecida como castanha-do-brasil, é tão ou mais saborosa que a exótica noz, e pode ser obtida de cultivos sustentáveis, que preservam a floresta de pé e garantem a renda de vilas e povoados na Amazônia. Fáceis de achar, assim como a também deliciosa castanha do caju.

No setor de sobremesas a coisa fica mais fácil, desde que você esteja disposto a prepará-las em casa. Todos os ingredientes da rabanada (ovos, pão, leite, açúcar e canela) podem ser encontrados em versão orgânica. O prato é de origem portuguesa e um dos preferidos por mulheres em fase de amamentação, pois acreditava-se que a rabanada aumentava a produção de leite. Por que o doce foi parar na ceia de Natal, é uma incógnita. Talvez uma referência a Maria, mãe de Jesus…

O panetone também pode ser preparado com ingredientes orgânicos, numa mistura entre o tradicional recheio de uvas passas e a adaptação brasileira da castanha-do-pará. A história do panetone é curiosa. Especula-se que foi criado por um padeiro para ganhar a simpatia do pai de sua amada. Para coroar a estratégia, o moço deu o nome do sogro à sua criação: era o pão de Tone.

Alguns países do hemisfério sul já abriram mão dos costumes natalinos exóticos, adaptando a festa à sua realidade. Na Austrália, por exemplo, a ceia é feita na praia, para aproveitar o verão, e na África do Sul a refeição acontece em parques e jardins. Por aqui ainda estamos muito ligados às tradições dos nossos colonizadores. Quem sabe a iniciativa de fazer uma ceia orgânica não é uma oportunidade de criar um Natal mais brasileiro?

Leia também

Notícias
20 de maio de 2022

Alto custo é principal barreira para visitação de parques

De acordo com estudo, alto custo da viagem, distância e falta de informações disponíveis são os principais obstáculos para visitação de parques naturais

Notícias
20 de maio de 2022

Presidenciáveis recebem plano para reverter boiadas ambientais de Bolsonaro

Estratégia ‘Brasil 2045’ propõe medidas para reconstruir política ambiental brasileira e fazer país retomar posição de liderança global em meio ambiente

Análises
20 de maio de 2022

O dilema de Koniam-Bebê

Ocupação indígena no Parque Estadual Cunhambebe realimenta falsa dicotomia entre unidades de conservação e territórios indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Cássio Garcez diz:

    Brilhante análise, Beto. Parabéns e obrigado por ela.