Reportagens

Vítimas do fogo em zona de floresta

Um incêndio criminoso no entorno de parque estadual no Espírito Santo queima 50 hectares de vegetação nativa e vitima tamanduás e pacas, como mostra vídeo. As imagens são chocantes.

Redação ((o))eco ·
13 de outubro de 2008 · 14 anos atrás

O vídeo acima foi gravado pela equipe do Parque Estadual de Itaúnas (ES) na semana passada, quando um incêndio de grandes proporções destruiu 30 hectares de vegeteção nativa. A paca foi salva e recebeu tratamentos, mas não resisitiu. Este foi o relato enviado pela consultora de educação ambiental do parque, Luciana Veríssimo. 

 
“Agora é época de incêndios, semana retrasada fizemos a maior campanha de educação ambiental” em todas as comunidades do entorno do Parque com Palestra de Incêndios Florestais e distribuímos 700 mudas nativas…e depois de uns quinze dias…fogo… 

 
Vou dar uma breve descrição:
 
– O incêndio ocorreu na área de amortecimento do Parque Estadual de Itaúnas (…).
 
De mata nativa, estimamos 50 hectares queimados. Anteontem foi um tamanduá com as patas queimadas, mas cuidamos e conseguimos soltar. E ontem esta paca que estava prenha…com face totalmente queimada, olhos tb…e por baixo tudo queimado. Morreu de parada respiratória. Ainda não estimamos a perda de biodiversidade na área afetada, esta com árvores centenárias como Angelim Pedra e Ipês”.” 
 
 
 
 

Leia também

Análises
17 de maio de 2022

Oportunidades e desafios para a implementação do Código Florestal brasileiro

A lentidão na implementação do Código Florestal representa o desperdício de uma valiosa oportunidade de transformar o uso da terra no Brasil

Salada Verde
16 de maio de 2022

((o))eco oferece curso gratuito de jornalismo ambiental para estudantes da Amazônia Legal

Participantes poderão concorrer a uma bolsa de 3 mil reais para produzir uma reportagem sobre a Amazônia

Notícias
16 de maio de 2022

Brasileiro recebe prêmio internacional por trabalho na conservação do tatu-canastra

O prêmio Future for Nature Awards 2022 reconheceu o trabalho do biólogo Gabriel Massocato no Programa de Conservação do Tatu-Canastra

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta