Reportagens

Chefe do IPCC tem esperanças de acordo

Após apresentação de metas por EUA e China, indiano Rajendra Pachauri afirma que pela primeira vez  suas esperanças estão em alta para um acordo nas negociações do clima.

Gustavo Faleiros ·
30 de novembro de 2009 · 12 anos atrás
foto: Rod Harbinson

O presidente do Painel Integovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), Rajendra Pachauri, afirma que após a apresentação de metas de redução de gases de efeito estufa pelos Estados Unidos e China na semana passada, ele está bastante esperançoso de que um acordo robusto seja possível em Copenhague, onde ocorre a partir da próxima segunda (07) a 15a Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas (COP 15).

“Minha esperança é que tenhamos um acordo forte. Agora, pela primeira vez a minha esperança está próxima das minhas expectativas com relação a Copenhague. Um acordo fará com que o público perceba que todos estes anos de falta de ação ficaram para trás, e isso por si só vai nos colocar numa trilha de mudança”, disse o cientista indiano.

Na semana passada, o presidente dos Estados Unidos Barack Obama afirmou que seu país vai reduzir em 17% as emissões em relação aos níveis de 2005. A China por sua vez divulgou uma meta de 45% sobre a taxa de crescimento projetada para 2020.

O presidente do IPCC participou no último sábado de um debate com ouvintes da BBC World Service. O programa, que será transmitido nesta quarta-feira (Veja link), foi gravado em um auditório do Wellcome Trust, no centro de Londres. O Eco teve oportunidade de assistir à gravação.

Além de coordenar o painel científico mais respeitado da atualidade, Pachauri também tem sido um dos defensores mais árduos da mudança no estilo de vida de alto carbono. “O fato é que existe um minoria de pessoas no mundo que consome muito e uma maioria que aspira emitir tanto quanto”, diz. Perguntado qual o conselho para que as pessoas comuns diminuam sua pegada de emissões de carbono no mundo, ele deu os seguintes conselhos:

1)“Compre um carro somente se for inevitável, e ainda assim um carro eficiente em consumo de energia.”
2)“Desligue as luzes e quaisquer aparelhos eletrônicos quando for de um cômodo a outro de sua casa.”
3)“Coma menos, carne.”

Outro ponto importante, enfatiza Pachauri, foi a necessidade de uma decisão política sobre o nível de danos climáticos que serão aceitos no futuro. A Ciência já mostrou que acima de 1,5oC de aumento na temperatura média do planeta, muitos impactos à agricultura, suprimento de água e biodiversidade serão causados. O problema, pontua o indiano, é que as negociações fixaram a meta de 2oC como limite para o aumento da temperatura do globo . “Para algumas pessoas a preocupação é grande, pois isso parece não ser suficiente para evitar um nível perigoso de mudança do clima”, alerta.

Saiba mais
O Clima está mudando. E rápido

LEIA O ESPECIAL D’O ECO SOBRE COPENHAGUE

Atalhos
IPCC

  • Gustavo Faleiros

    Editor da Rainforest Investigations Network (RIN). Co-fundador do InfoAmazonia e entusiasta do geojornalismo. Baterista dos Eventos Extremos

Leia também

Salada Verde
15 de outubro de 2021

GLO ambiental não será renovada, anuncia Mourão

A operação acabou nesta sexta-feira (15). Atuação de militares não resultou em diminuição do desmatamento na Amazônia, mesmo com efetivo e orçamento maiores que dos órgãos ambientais

Notícias
15 de outubro de 2021

Justiça do México suspendeu revisão da meta climática, apresentada em 2020

Assim como o Brasil, o México revidou a meta para abaixo do estabelecido no Acordo de Paris. Greenpeace questionou na Justiça a nova NDC e ganhou

Reportagens
15 de outubro de 2021

Com acordo político, 1ª parte da Conferência da ONU sobre Biodiversidade chega ao fim na China

Mais de 100 países assinaram Declaração de Kunming, se comprometendo politicamente a preservar a biodiversidade do planeta

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta