Reportagens

Tragédia australiana

Cientistas australianos lançam relatório destacando que a temperatura no país subiu 0.7ºC nos últimos 50 anos. E até 2030 poderá se elevar em mais 1.5ºC. A culpa é do homem.

Redação ((o))eco ·
15 de março de 2010 · 12 anos atrás
Tendência de aumento de temperatura entre 1960 e 2009 (fonte: CarbonPlanet.com)
Tendência de aumento de temperatura entre 1960 e 2009 (fonte: CarbonPlanet.com)

Os maiores cientistas australianos lançaram hoje uma publicação chamada “O estado do clima”, em que, apesar da onda de ceticismo que impera desde o fim do ano passado,  concluem existirem evidências reais da mudança climática. O estudo, que abrangeu 100 anos de análises no continente menos habitado do planeta, não deixa dúvidas de que no último século o homem provocou alterações significativas no clima.

Segundo o documento, há uma certeza acima de 90% de que os aumentos nas emissões de gases foram a maior causa do aquecimento global desde meados do século XX. A temperatura média da Austrália aumentou 0.7ºC desde 1960, sendo que algumas partes do país esquentaram de 1.5ºC a 2ºC. Se esse ritmo continuar, a temperatura média do continente ficará entre 0.6ºC e 1.5ºC ainda mais elevada até 2030.

Nunca é demais lembrar que países que assinaram o Acordo de Copenhague ano passado demonstraram apenas seu “desejo” de ver a temperatura média global abaixo dos 2ºC. Mas se atrasarem ainda mais a implementar ações com esta finalidade, não haverá tempo para lugares como o continente australiano, como o estudo de hoje revelou.

Leia também

Notícias
2 de dezembro de 2021

Lideranças indígenas do Pará cedem à pressão de invasores e aceitam reduzir seu território pela metade

Caciques da TI Apyterewa disseram ao STF que, em “acordo” feito com invasores, aceitam redução de 392 mil hectares de suas terras

Notícias
2 de dezembro de 2021

Com maioria no Conama, governo federal impõe mudanças no CNEA

Conama aprova alterações no Cadastro Nacional de Entidades Ambientalistas e impõe mais burocracia e custos para a participação da sociedade civil no conselho

Reportagens
2 de dezembro de 2021

Secas recorrentes afetam a capacidade de recuperação da Floresta Amazônica, alerta estudo

Nas últimas duas décadas, a Floresta Amazônica tem sido impactada por secas cada vez mais intensas e frequentes. As mais severas ocorreram em 2005, 2010 e 2015

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta