Reportagens

Cadeia do alumínio inova

Não basta mais reciclar a latinha de refrigerante. Uma série de inovações garantem sustentabilidade para todo processo de reaproveitamento do metal.

Lúcia Nascimento ·
28 de maio de 2010 · 14 anos atrás
Curiosidades
Clique para ampliar
Clique para ampliar

– Obtido a partir da bauxita, o alumínio é o terceiro elemento mais abundante na crosta terrestre. O Brasil possui a terceira maior reserva do minério.

– Quando as latas ganharam espaço no Brasil, um quilo de alumínio produzia 49 latinhas. Na época, eram pesadas e a espessura da chapa, maior. Hoje se faz 74 latinhas com a mesma quantidade de metal e com a mesma resistência.

São Paulo – Imagine tudo que pode ser feito com alumínio: janelas, panelas, fios e cabos, motores de carro, embalagens, latinhas, placas para aviões… Apesar dessa infinidade de aplicações, o metal não seria considerado tão nobre se não fosse por sua capacidade de ser reciclado infinitamente sem perder qualidade. A questão é que chegamos em um momento em que não basta reciclar. É preciso inovar. Assim, surgem ideias como a que incentivou alunos e professores do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (Cefet-MG) a criarem um forno à base de biogás para derreter o alumínio que será reciclado.

Tudo começou com visitas a um aterro do estado, em que se percebeu a grande produção de gás vinda do lixo. Nas grandes cidades, para se ter ideia, cerca de 50% do que chega aos aterros e lixões é matéria orgânica. Ao fermentar e se decompor, esse lixo gera gases como o metano, responsáveis pelo efeito estufa. Para dar um fim sustentável ao gás liberado pelo lixo surgiu a ideia de usá-lo para a produção de energia, já que seu poder calorífico é alto: varia entre 5 mil e 7 mil kcal/m³. No gás veicular, por exemplo, o poder calorífico é de cerca de 10 mil kcal/m³.

Os técnicos e alunos do Cefet-MG construíram um protótipo de forno de fundição de baixo custo (cerca de R$ 6.500) e de fácil operação, para ser instalado nas usinas de fundição ou mesmo nas cooperativas, para reciclar o alumínio. Para funcionar, o forno usa o gás vindo do lixo – e assim economiza outros tipos de energia. De acordo com a apresentação do projeto durante o X Seminário Internacional de Reciclagem do Alumínio, realizado em São Paulo entre os dias 18 e 20 de maio, o projeto não apenas agrega sustentabilidade ambiental à reciclagem, mas inclui os catadores no processo de fundição, já que eles podem ser capacitados para usar o forno e, assim, aumentar a renda.

O forno é capaz de fundir, por hora, 10 quilos de alumínio, mas, para o projeto funcionar e ser ampliado, é preciso que os aterros possuam estrutura montada – com tubos por onde passaria o gás que será queimado para gerar energia. Infelizmente, poucos aterros pelo Brasil possuem a estrutura necessária. Na maioria dos casos, o gás metano produzido é queimado apenas para se transformar em gás carbônico, um pouco menos nocivo ao meio ambiente que o metano.

Inclusão social

Não apenas os catadores de latinhas ganham com a reciclagem. Em 1995, quando morava no Japão, o empresário e artista plástico Osni Branco percebeu que muitos trabalhadores brasileiros vivendo no exterior não se sentiam incluídos na sociedade. Para tentar uni-los e fortalecer o vínculo deles com seu país de origem, Osni decidiu propor uma oficina artística em que os ensinaria a criar peças usando alumínio. Na primeira oficina, apenas doze pessoas apareceram. “Um ano depois, mais de 120 trabalhadores compareceram à oficina”, lembra. Com o crescimento do projeto, houve exposições – dentro e fora do Japão – e premiação para os melhores trabalhos.

Anos depois, em 2003, a ideia chegou ao Brasil. “Criamos um grupo no Capão Redondo, em São Paulo. Depois, levamos o projeto para a periferia de Itapecerica da Serra, no mesmo estado”, diz Osni. Com isso, tentou-se criar oportunidades e até mesmo garimpar talentos. “Reforçamos a importância da cultura brasileira e ajudamos no resgate da dignidade de pessoas que se sentiam esquecidas”, completa. Um uso pouco conhecido do alumínio, mas certamente bastante nobre. Durante a Expoalumínio 2010, ocorrida simultaneamente ao X Seminário, Osni expôs seus trabalhos e os dos alunos, dando dicas aos visitantes de como fazer os últimos retoques em um peixe produzido com alumínio. O peixe, segundo o criador, é o símbolo do projeto: “não damos o peixe pronto, mas oferecemos o equipamento necessário para pescar”.

Mercado da reciclagem

Com uma tonelada de alumínio reciclado evita-se a extração de cinco toneladas do minério. (Foto: Ofício da Imagem)
Com uma tonelada de alumínio reciclado evita-se a extração de cinco toneladas do minério. (Foto: Ofício da Imagem)

O Brasil, atualmente, tem uma das mais evoluídas cadeias de reciclagem do alumínio. Consumimos cerca de 350 mil toneladas dessa sucata todos os anos e o consumo está aumentando. A reciclagem se deve principalmente ao curto ciclo de vida das latinhas, que voltam para reciclagem em cerca de 30 dias. Pelo oitavo ano consecutivo, o Brasil é o campeão nesse tipo de processo, com mais de 91% das latinhas recicladas. Logo atrás estão Argentina, com 90%, e Japão, com 87%. Nos Estados Unidos esse índice é muito menor, de 54%.

As vantagens para o meio ambiente são principalmente três: economia de bauxita – de onde o metal é obtido, menor emissão de gases do efeito estufa, e economia de energia. “Com uma tonelada de alumínio reciclado evita-se a extração de cinco toneladas do minério”, afirma Eunice Lima, gerente de Relações Institucionais da Novelis, que apresentou a palestra “A reciclagem no contexto da sustentabilidade da indústria do alumínio”, no primeiro dia do X Seminário.

Com relação à emissão de gases, um estudo feito pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a pedido do Ministério do Meio Ambiente, mostrou que o processo de reciclagem de alumínio libera apenas 5% dos gases do efeito estufa emitidos quando é feita a extração da bauxita e produção do alumínio primário. Sem contar a economia de energia com o processo, que é suficiente para abastecer uma cidade como Campinas, em São Paulo, por um ano. Em 2008 foram recicladas 165,8 mil toneladas de latinhas de alumínio, o equivalente a 12,3 bilhões de unidades.

Caro e sustentável?

Foto: Ofício da Imagem
Foto: Ofício da Imagem
 

A tendência mais marcante, para os próximos anos, é a dos carros produzidos com grande quantidade de alumínio. Desde as rodas ao motor e ao chassi, tudo pode ser feito com o metal. A vantagem é que a troca do aço e de outros metais ferrosos pelo alumínio garante menor peso dos veículos e, desse modo, menor consumo de combustível e menor emissão de gás carbônico… Será? “Para cada quilo de alumínio usado substituindo materiais mais pesados, menos vinte quilos de gás carbônico são emitidos durante a vida útil do veículo”, diz Eunice Lima.

O problema é que a leveza do alumínio tem sido usada, principalmente, para facilitar a criação de carros bem maiores do que os que tínhamos há poucos anos. De acordo com Marcelo Gonçalves, engenheiro metalurgista e pesquisador do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT), que participou do IV Congresso Internacional do Alumínio, realizado simultaneamente ao X Seminário, “o alumínio reduz o peso dos carros, mas seu uso não vem sendo acompanhado da redução real do peso: cada vez os carros têm mais componentes e tamanho maior”. Por isso, não se pode dizer que de fato o alumínio esteja contribuindo para a redução da emissão de gás carbônico nesses casos.

Alternativa Social

Colunas formadas por latas de alumínio geram calor a partir da incidência dos raios solares e, assim, causam a evaporação de pequenas quantidades de água salgada, separando a água do sal. Esse é o princípio do projeto criado por Giuliano Bergamin, aluno do curso de Engenharia Química da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), que venceu a edição 2009 do Prêmio Alcoa de Inovação em Alumínio, na Categoria Gestão da Reciclagem – Estudantes.

O equipamento recebeu o nome de Dessalinizador Solar Térmico e foi criado para ser uma alternativa para regiões litorâneas onde não há tratamento de água. Além de ser um projeto de baixo custo, pode ser montado e manuseado pela própria comunidade, com orientação prévia. “O projeto pretende oferecer soluções para melhorar a sociedade”, afirma Giuliano.

Leia também

Notícias
22 de julho de 2024

Paul Watson, fundador do Greenpeace e protetor de baleias, é preso na Groenlândia

Ambientalista foi detido por agentes da polícia federal da Dinamarca, em cumprimento a mandado de prisão do Japão; ele partia da Irlanda para confrontar navio baleeiro japonês

Salada Verde
22 de julho de 2024

Encontro de alto nível sobre ação climática reúne ministros e líderes de 30 nações

8ª Conferência Ministerial sobre Ação Climática (MoCA), realizada este ano na China, tem objetivo de destravar discussões que ficaram emperradas em Bonn

Notícias
22 de julho de 2024

Ministério Público investiga esquema de propina em órgão ambiental da Bahia

Servidores, ex-funcionários e outros investigados teriam recebido até R$ 16,5 milhões de fazendeiros para facilitar concessão de licenças ambientais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.