Reportagens

Tragédia no Parque Nacional das Emas

Estima-se que entre os dias 12 e 13 de agosto mais de 90% dos 132 mil hectares de cerrados tenham sido queimados. Unidade ficará fechada por 30 dias.

Redação ((o))eco ·
18 de agosto de 2010 · 11 anos atrás

Conhecido pela imensa quilometragem de aceiros para prevenção de tragédias com o fogo, desta vez o Parque Nacional das Emas (GO) não conseguiu se defender das três frentes de queimada que arrasaram praticamente toda a unidade de conservação em apenas dois dias. Estima-se que entre os dias 12 e 13 de agosto mais de 90% dos 132 mil hectares do Parque das Emas tenham sido queimados.

O chefe do parque, Marcos Silva Cunha, comunicou que a partir desta terça-feira a unidade ficará fechada por pelo menos 30 dias para recuperação das estruturas danificadas, e principalmente para preservar fauna e flora sobreviventes.

Diversos animais que viviam nesta porção de Cerrado cercada por lavouras de soja estão sendo vistos pelos arredores da cidade de Chapadão do Céu perdidos, por isso foram planejadas ações de fiscalização de caça na região. Também nesta semana será realizada perícia no entorno da unidade de conservação para descobrir as causas do incêndio.

A última vez que um desastre causado pelo fogo tomou essas proporções foi em 1994, quando foram contabilizados mais de 300 tamanduás-bandeiras carbonizados.

O Instituto Chico Mendes determinou a todas as suas unidades que considerem ações de prevenção e combate a incêndios prioritárias no país. 

 

Saiba mais sobre o Parque Nacional das Emas na reportagem “Jóia goiana”

Download
O Fogo no Parque Nacional das Emas – livro de Helena França • Mário Barroso Ramos Neto • Alberto Setzer

Leia também

Reportagens
15 de outubro de 2021

Com acordo político, 1ª parte da Conferência da ONU sobre Biodiversidade chega ao fim na China

Mais de 100 países assinaram Declaração de Kunming, se comprometendo politicamente a preservar a biodiversidade do planeta

Reportagens
14 de outubro de 2021

Estudo amplia de 39 para 74 os modos de reprodução conhecidos dos anfíbios e cria nova classificação

Estudo propõe um novo sistema de classificação dos modos reprodutivos para toda essa classe de animais composta por anfíbios anuros (sapos, rãs e pererecas), salamandras e cecílias (cobras-cegas)

Reportagens
14 de outubro de 2021

Licenciamento de resort em Maricá foi cancelado na Justiça, afirma advogada

Andamento no Inea surpreendeu pesquisadores e ambientalistas que movem ações judiciais contra o projeto Maraey. À frente da iniciativa, IDB Brasil nega impedimento legal

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta