Reportagens

Degradação dá salto em agosto

Imazon detecta redução de corte raso na Amazônia, mas identifica aumento expressivo da degradação florestal no Pará e em Mato Grosso, que também lidera ranking de queimadas.

Karina Miotto ·
29 de setembro de 2010 · 12 anos atrás

O Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia divulgou, hoje, o boletim Transparência
Florestal. De acordo com o documento, em agosto o Sistema de Alerta de
Desmatamento (SAD) detectou 210 km2 de desmatamento na Amazônia Legal, uma redução
de 23% em relação ao mesmo período do ano passado (273 km2).

Os estados campeões de derrubadas foram Pará (68%), Mato Grosso (11%), Amazonas (10%),
Acre (6%) e Rondônia (5%). A degradação florestal, causada pela retirada de madeira e por
queimadas aumentou em assustadores 241%, batendo 1549 km2 contra os 455km2 de agosto
passado. Para variar, Mato Grosso (46%) e Pará (38%) saem na frente.

Tristes recordes

Não é de hoje que Pará e Mato Grosso lideram listas de campeões do desmatamento.
Especialistas não se cansaram de dizer que neste ano os índices aumentariam
significativamente, já que em época de eleição “pega mal” implicar demais com desmatadores,
pois o objetivo número um de políticos parece ser a conquista de votos.

Enquanto a disputa por votos se acirra, o desmatamento e as queimadas na floresta avançam
impiedosamente. Na semana passada, o Instituto Centro de Vida (ICV) divulgou, com dados
do satélite NOAA-15, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), que do começo do
ano até setembro Mato Grosso consagrou-se como o estado com maior número de focos de
calor do país (15.692), seguido de Tocantins (13.929) e Pará (12.210). No mesmo período de
2009, “apenas” 1692 focos de calor foram registrados no MT.

(Karina Miotto)

Leia também

Notícias
20 de maio de 2022

Alto custo é principal barreira para visitação de parques

De acordo com estudo, alto custo da viagem, distância e falta de informações disponíveis são os principais obstáculos para visitação de parques naturais

Notícias
20 de maio de 2022

Presidenciáveis recebem plano para reverter boiadas ambientais de Bolsonaro

Estratégia ‘Brasil 2045’ propõe medidas para reconstruir política ambiental brasileira e fazer país retomar posição de liderança global em meio ambiente

Análises
20 de maio de 2022

O dilema de Koniam-Bebê

Ocupação indígena no Parque Estadual Cunhambebe realimenta falsa dicotomia entre unidades de conservação e territórios indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Cássio Garcez diz:

    Brilhante análise, Beto. Parabéns e obrigado por ela.