Reportagens

Dia 2 – Começa a rotina das capturas e medições

O dia começa as 5h30. Na segunda armadilha encontramos um cachorro-do-mato que é medido e tem amostras de sangue e pele coletados.

Adriano Gambarini ·
23 de abril de 2013 · 9 anos atrás
Cachorro-do-mato, ou melhor, um ‘trisco de bicho’ correndo em disparada para liberdade. Fotos: Adriano Gambarini | Clique para ampliar
Cachorro-do-mato, ou melhor, um ‘trisco de bicho’ correndo em disparada para liberdade. Fotos: Adriano Gambarini | Clique para ampliar

O dia começa as 5:30h. Uma fina névoa ainda adormece os vales, mas o sol promete calor neste canto sudeste de Goiás. A equipe hoje conta com 11 pessoas, incluindo eu. Desde ontem cerca de 10 armadilhas, para raposas, cachorros-do-mato e lobo-guará foram abertas e iscadas com pedaços de frango e sardinha.

A intenção nestes primeiros dias é trabalhar com poucas armadilhas até mesmo para a equipe de veterinários definir os protocolos de coleta das amostras de sangue. A área de abrangência é grande. Desta forma, Frederico de Souza, o “Cigano”, segue de moto para facilitar as checagens, enquanto o resto da equipe, entre veterinários e biólogos, rumam de carro para outra área.

Logo na segunda armadilha colocada à sombra de um limoeiro, escutamos um“latido” agudo e o vulto acinzentado de um cachorro-do-mato. Fabiana Lopes e Caio Motta, veterinários da Fiocruz e do Zoológico de São Paulo, respectivamente, são rápidos na avaliação do peso para definir a quantidade de anestésico. Animal adormecido, começa o trabalho das equipes “Bio” e “Zoo” como auto definimos para facilitar as conversas.

A biometria, que consiste nas medições de comprimento do corpo, patas, cauda, orelhas e dentição é feita por Fernanda Cavalcanti e Mozart. Sabe-se que o cachorro-do-mato (Cerdocyon thous) pesa em media de 6 a 7 kg e consta nas listas de animais de extinção como ‘de menor preocupação’. Mas o fato é que, apesar de ser uma espécie relativamente comum, com larga distribuição nacional em praticamente todos os biomas (exceto floresta densa), é uma canídeo pouco estudado. Segundo Fred Gemesio, deveria ter ao menos o status de “deficiente de dados”.

Dia amanhece com fina névoa. A fazenda-sede do programa é uma das poucas com área substancial de mata nativa. | Clique para ampliar
Dia amanhece com fina névoa. A fazenda-sede do programa é uma das poucas com área substancial de mata nativa. | Clique para ampliar

No caso deste programa de pesquisa, a proposta é conhecer os aspectos ecológicos da espécie e de sobreposição de área com a raposa-do-campo. Existe competição entre as duas espécies, mas quanto? Ambas disputam a mesma fonte de alimento, mas quanto isto interfere sobre uma e outra? Qual é o grau de stress de uma raposinha, nitidamente menor que o cachorro, quando ocorre esta disputa por território? Existe uma limitação espacial definida entre as espécies? Como as ações humanas têm contribuído para diminuir a população de cachorros-do-mato, principalmente quando se referem a intolerância e atropelamento? Estas são algumas perguntas que Fred faz dentro do Programa de Conservação Mamíferos do Cerrado.

Caio e Fabiana dão continuidade à coleta de sangue, amostras de pele e tecido para análises sobre a saúde do animal, num procedimento rápido, dividido com o trabalho dos biólogos. Nos próximos dias, pretendo destrinchar melhor este minucioso trabalho dos veterinários.

Fred Gemesio construiu às duras penas, na fazenda-sede do Programa, um pequeno laboratório para abrigar os trabalhos de processamento das amostras. Cigano chega de moto com uma feliz notícia: um cachorro-do-mato e uma raposinha capturadas na região conhecida por Serengeti. Aliás, tal é o fascínio de Fred e Fernanda pela África que a maioria das áreas de estudo espalhadas entre as fazendas foram definidas com nomes africanos. Findado todos os procedimentos veterinários e biológicos, o cachorro é recolocado na armadilha para que possa se recuperar totalmente da anestesia e ser solto com segurança. É hora de seguirmos em busca da simpática raposa-do-campo. Amanhã tem mais…

Clique nas imagens para ampliá-las e ler as legendas
Enquanto isto, o “Serengeti” goiano nos aguarda...
Enquanto isto, o “Serengeti” goiano nos aguarda…

 

  • Adriano Gambarini

    É geólogo de formação, com especialização em Espeleologia. É fotografo profissional desde 92 e autor de 14 livros fotográfico...

Leia também

Reportagens
30 de novembro de 2021

Há 8 anos na Câmara, projeto que cria uma lei para o mar ainda não tem votação à vista

Série de reportagens investiga motivos da longa tramitação do projeto de lei que institui a Política Nacional para Conservação e o Uso Sustentável do Bioma Marinho Brasileiro

Salada Verde
30 de novembro de 2021

Trilha Transmantiqueira ganha reconhecimento do Ministério do Meio Ambiente

A trilha de longo curso que cruza a Serra da Mantiqueira agora faz parte oficialmente do programa Rede Trilhas, para promover conectividade, conservação e turismo

Salada Verde
30 de novembro de 2021

Ibama abre concurso para contratar 568 servidores

Edital lançado nesta terça-feira (30) prevê a contratação de 136 analistas divididos por áreas temáticas e 432 técnicos ambientais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta