Reportagens

Carnívoros do Iguaçu e as armadilhas fotográficas (dia 03)

Desenvolvidas pela NatGeo, as armadilhas fotográficas aos poucos se difundiram. Em Iguaçu, documentaram a presença de tamanduás-bandeira.

Adriano Gambarini ·
9 de março de 2015 · 7 anos atrás

Tamanduá-bandeira. Foto: Camera Trap/Projeto Carnívoros do Iguaçu
Tamanduá-bandeira. Foto: Camera Trap/Projeto Carnívoros do Iguaçu

Passamos o fim de semana trabalhando sob chuva. Até agora nenhum resultado, apesar de um puma ter pisado muito próximo de um dos laços. Enquanto acionamos os equipamentos no início da noite, Marina coloca armadilhas fotográficas no entorno e checa as demais que estão espalhadas pelo Parque Nacional do Iguaçu.

No post anterior compartilhei uma série de fotos tiradas com estas ‘armadilhas’, conhecidas também como camera trap. Trata-se de um equipamento simples de fotografia ou vídeo, com um sensor que aciona a câmera quando algo passa na frente.

Este equipamento sempre foi muito utilizado por fotógrafos profissionais pelo mundo, principalmente da National Geographic americana. A revista mantém um laboratorio próprio, que inventa traquitanas tecnológicas, tais como sistemas de disparo por movimento, no mesmo princpio de cameras traps mais simples. Elas dão aos fotógrafos a possibilidade de documentar grandes felinos e outros animais nas mais inusitadas situações. Certamente muitas das fotos publicadas eram sinônimo de leitores intrigados: “Como os caras conseguem tirar o retrato de um tigre, ou leopardo das neves?” Simples, na grande maioria das vezes eles não estão lá, e sim o equipamento.

Nos últimos anos e com o avanço tecnológico, surgiram cameras traps de baixo custo, que permitem aos pesquisadores usufruir também desta tecnologia. Assim, conseguem excelentes registros dos animais em seu habitat natural, se alimentando, interagindo e trazendo informações muitas vezes impossíveis de serem comprovadas por outra maneira.

O Projeto Carnívoros do Iguaçu tem várias dessas armadilhas fotográficas espalhadas, as quais já produziram muitas fotos e vídeos da fauna local, algumas de alto valor ecológico. A foto do tamanduá-bandeira do blog anterior (e replicada aqui) é um dos exemplos. Até 2009 havia apenas uma suspeita da existência de tamanduá-bandeira dentro do parque. Encontraram pelos do animal em fezes de onça, o que não é um indício muito forte, afinal a onça poderia ter caçado o tamanduá fora dos limites do parque. Com esse registro da armadilha fotográfica, ficou comprovado que existe uma população de tamanduás-bandeira vivendo e se reproduzindo no Parque Nacional do Iguaçu.

 

 Vídeos

 

 

Outros posts desta expedição
Projeto Carnívoros do Iguaçu – segundo dia
De novo na mata pelo projeto Carnívoros do Iguaçu

 

 

 

  • Adriano Gambarini

    É geólogo de formação, com especialização em Espeleologia. É fotografo profissional desde 92 e autor de 14 livros fotográfico...

Leia também

Reportagens
23 de maio de 2022

Governo não fechou 645 lixões, como afirma Bolsonaro

Cruzamento de dados oficiais e consulta direta a prefeituras mostra ser falso principal anúncio da “agenda ambiental urbana” do governo

Notícias
20 de maio de 2022

Alto custo é principal barreira para visitação de parques

De acordo com estudo, alto custo da viagem, distância e falta de informações disponíveis são os principais obstáculos para visitação de parques naturais

Notícias
20 de maio de 2022

Presidenciáveis recebem plano para reverter boiadas ambientais de Bolsonaro

Estratégia ‘Brasil 2045’ propõe medidas para reconstruir política ambiental brasileira e fazer país retomar posição de liderança global em meio ambiente

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta