Reportagens

Parque Estadual do Desengano: quarentão e ligado em produzir ciência

Encontro reúne 170 pessoas em dois dias de evento para debater as pesquisas realizadas ou em andamento dentro da unidade de conservação.

Marcio Isensee e Sá ·
2 de agosto de 2015 · 6 anos atrás
O Parque Estadual do Desengano foi criado em 1970 e recebe, aos 45 anos de idade, seu primeiro encontro científico. Foto: Marcio Isensee e Sá / Instituto Moleque Mateiro
O Parque Estadual do Desengano foi criado em 1970 e recebe, aos 45 anos de idade, seu primeiro encontro científico. Foto: Marcio Isensee e Sá / Instituto Moleque Mateiro

Quarenta e cinco anos após a fundação ocorreu o “1º Encontro Científico do Parque Estadual do Desengano”, celebrado como oportunidade de troca de experiências entre gestores e pesquisadores. O evento ocorreu nos dias 25 e 26 de junho, na sede do parque, no município de Santa Maria Madalena. O público foi de 170 pessoas, que puderam assistir a palestras de especialistas e ver 12 painéis sobre pesquisas já realizadas ou em andamento no interior desta unidade de conservação.

“Um dos objetivos das UCs é exatamente esse, gerar conhecimento científico, entender como funciona aquele ambiente”, disse Eduardo Lardosa, gerente de Fauna do Inea.

Criado em 1970, o Parque Estadual do Desengano possui 22,4 mil hectares e está localizado no norte fluminense, na porção em que termina a Serra do Mar. Preserva o último remanescente significativo de Mata Atlântica da região e abriga animais ameaçados de extinção, como o gato-maracajá (Leopardus wiedii), onça-parda (Puma concolor), preguiça-de-coleira (Bradypus torquatur) e o muriqui-do-sul (Bracgyteles arachnoides) – maior primata das Américas, ameaçado de extinção e símbolo da UC.

“Essa conversa é imprescindível para ajudar a academia com novas informações, metodologias e capacidades para a conservação da biodiversidade”, disse Gustavo Martinelli, pesquisador do Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Ele fez palestra sobre endemismo (espécies que só existem em um local) versus as espécies da flora ameaçadas de extinção na região.

O plano de manejo do PE Desengano passa por uma revisão. É um momento de oportunidade para melhorar a administração. “Facilita tomar decisões com base em pesquisas e não em achismo. A ciência conversa com a realidade do dia a dia da gestão”, disse Carlos Dário, chefe do parque.

Entre as instituições representadas no encontro estavam o Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Universidade Federal Fluminense (UFF), Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF), Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e Instituto Federal Fluminense (IFF). O evento também homenageou o historiador ambiental Arthur Soffiati, pelo trabalho que desenvolve na região desde a década de 70.

Exibição dos 12 painéis com resultados de pesquisas realizadas dentro do Parque Estadual do Desengano. Foto: Marcio Isensee e Sá / Instituto Moleque Mateiro
Exibição dos 12 painéis com resultados de pesquisas realizadas dentro do Parque Estadual do Desengano. Foto: Marcio Isensee e Sá / Instituto Moleque Mateiro
Carlos Dário, gestor do parque, durante o encerramento do 1o Encontro Científico do Parque Estadual do Desengano. Foto: Marcio Isensee e Sá / Instituto Moleque Mateiro
Carlos Dário, gestor do parque, durante o encerramento do 1o Encontro Científico do Parque Estadual do Desengano. Foto: Marcio Isensee e Sá / Instituto Moleque Mateiro

 

 

*Este texto é original do blog Observatório de UCs, republicado em O Eco através de um acordo de conteúdo. observatorio-ucslogo

 

 

 

Leia também
Área de Proteção Ambiental Guapi-Mirim, caso bem-sucedido de integração com uso sustentável
Barragem Guapiaçu: entre o diálogo e tratoraço
Comperj pode condenar parques e reservas

 

 

 

Leia também

Notícias
1 de dezembro de 2021

Audiência Pública discute projeto de lei que quer municipalizar áreas de preservação em Angra dos Reis

Projeto que altera gestão da APA Tamoios é da deputada Célia Jordão, esposa do prefeito de Angra. Cerca de 40 organizações se manifestaram contrárias ao PL

Reportagens
30 de novembro de 2021

Há 8 anos na Câmara, projeto que cria uma lei para o mar ainda não tem votação à vista

Série de reportagens investiga motivos da longa tramitação do projeto de lei que institui a Política Nacional para Conservação e o Uso Sustentável do Bioma Marinho Brasileiro

Salada Verde
30 de novembro de 2021

Trilha Transmantiqueira ganha reconhecimento do Ministério do Meio Ambiente

A trilha de longo curso que cruza a Serra da Mantiqueira agora faz parte oficialmente do programa Rede Trilhas, para promover conectividade, conservação e turismo

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta