Reportagens

Freio no saque

Governo do Pará quer fazer Zoneamento Econômico-Ecológico para dobrar a extensão de território do estado sob proteção ambiental. Brasília não autoriza o financiamento.

Ronaldo Brasiliense ·
3 de setembro de 2004 · 18 anos atrás

Segundo maior estado da Federação, com mais de 1,2 milhão de quilômetros quadrados, o Pará tem, atualmente, 32,45% de suas terras protegidas por reservas indígenas ou quilombolas e por unidades de conservação federais e estaduais. O governo estadual deu início à implantação de um Zoneamento Econômico-Ecológico que pretende praticamente dobrar este percentual dentro das fronteiras paraenses.

Trocando em números, significa que 61,45% de seu território vai ser composto, pelo menos na letra da regulamentação, por áreas protegidas. A proposta de zoneamento defendida pelo governador Simão Jatene amplia ainda de 1,32% para 10% de todo o Pará a extensão de áreas de proteção integral. As áreas de uso sustentável passarão de 9% para 29% do território paraense. Nessas regiões, o uso dos recursos naturais ficará condicionado à implantação de técnicas de manejo ambiental.

No caso específico da rodovia Santarém-Cuiabá (BR-163), que tem preocupado os ambientalistas por deixar regiões ainda intocadas da floresta amazônica vulneráveis ao desmatamento, o zoneamento prevê a criação de novas áreas de proteção integral e de uso sustentável acompanhando as margens da rodovia. Ao formar este corredor, o governo estadual blindaria o avanço das fronteiras já abertas em direção às áreas de floresta da região.

O projeto do governo paraense recebeu o apoio do Grupo Consultivo Internacional (IAG), presidido pelo ambientalista Roberto Smeraldi e formado por especialistas nacionais e internacionais que formulam a estratégia do Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil (PPG7). Todos destacaram o caráter inovador da proposta. Falta apenas o dinheiro para poder tocá-la adiante.

Por essa razão, os planos foram mostrados pelo governador Jatene aos dirigentes do Banco Mundial, em Brasília, numa teleconferência que fez ao lado do secretário-executivo de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente do Pará, Gabriel Guerreiro. É no banco que o Pará pretende conseguir o financiamento para implantar todo o projeto. “Não se trata apenas de reordenar o espaço, mas de utilizá-lo de forma sustentável para que garanta o bem-estar das gerações futuras”, detalhou Jatene a Vinold Thomaz, diretor geral do Banco Mundial (BIRD) no Brasil, e ao coordenador do Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil (PPG7), Gregor Wolf.

Thomaz disse que a idéia era interessante e sugeriu que fosse analisada com atenção pelo governo federal, que aliás conhece a idéia desde o ano passado. Mas parece não ter gostado muito dela. A carta-consulta para o financiamento – que consumirá em cinco anos algo em torno de US$ 15 milhões, parte de um pedido de repasse de US$ 207 milhoes – está parada há meses na Comissão de Financiamentos Externos (Cofiex), do Ministério do Planejamento. Os burocratas do Cofiex devem no entanto, diz Daniel Gross, antropólogo sênior do Bird, autorizar brevemente a remessa de US$ 700 mil, doados pelo governo japonês para o governo do Estado avançar em ações previstas na fase inicial do projeto. Não é muito, mas dá para um começo.

A idéia do zoneamento altera substancialmente o modelo do uso do solo paraense, privilegiando a preservação ambiental. Apresentado aos comandantes militares na região amazônica, o projeto voltou a ganhar elogios. O general Jarbas Bueno da Costa, comandante da Oitava Região Militar apontou que ele estabelece o aproveitamento econômico de áreas que já foram desmatadas e preserva o que ainda resta de floresta. “É esse o caminho que o governo tem que seguir”, disse.

Determinado a conter o avanço desenfreado sobre a floresta nativa, o governador paraense também firmou acordo com a Companhia Vale do Rio Doce (CVRD), garantindo o reflorestamento de 200 mil hectares para produção de carvão vegetal a fim de alimentar usinas de ferro-gusa na região de Marabá, no sul do Estado. “O acordo, nesse item, é emblemático da preocupação com o desenvolvimento sustentável”, afirmou Jatene.

Estratégico para o Estado, o zoneamento é também um desafio para o governador. “Temos consciência de que haverá reação para se inibir o avanço do saque sobre a natureza. Mas também temos a mais absoluta convicção de que vamos desencorajar empreendimentos em desacordo com anseios que não são apenas do governo, mas de toda a sociedade”, prometeu.

Leia também

Notícias
3 de outubro de 2022

Conheça as propostas para o meio ambiente do governador reeleito no Rio

Claudio Castro (PL) abordou timidamente o meio ambiente em seu plano de governo e afirma ter despoluído a Baía de Guanabara

Reportagens
3 de outubro de 2022

“As mudanças climáticas já estão causando desastres”, alerta Marengo aos candidatos das eleições de 2022

Ao ((o))eco, o coordenador do Cemaden fala da importância da educação e das políticas públicas para mitigarmos as mudanças climáticas

Reportagens
3 de outubro de 2022

Pesquisa mapeia impactos do turismo para fauna em parque nacional

Ao longo de sete anos, os pesquisadores monitoraram como mamíferos responderam ao movimento de turistas em trilhas no Parque Nacional Cavernas do Peruaçu

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta