Reportagens

O suíço da lagosta

René Schärer deixou pra trás 31 anos de trabalho burocrático e foi morar numa vila de pescadores no Ceará. Tornou-se líder comunitário e ambientalista premiado.

Rodrigo Squizato ·
14 de outubro de 2004 · 18 anos atrás

Ao contrário da fama de seu país natal, a Suíça, René Schärer não é um exemplo de neutralidade. Gosta de comprar uma briga e liderar transformações. E costuma optar pelo lado bom das coisas.

René é uma das peças-chave do desenvolvimento da comunidade de pescadores da Prainha do Canto Verde. Em 1992, depois de uma carreira de 31 anos na companhia aérea Swissair – vivendo em cidades como Boston, Madri, Nova Iorque e Milão –, mudou-se para a vila, que fica a 120 quilômetros de Fortaleza. Enquanto muitos executivos que se aposentam resolvem abrir uma pousada em uma praia desconhecida, ele preferiu o caminho do voluntariado.

Havia conhecido o Ceará anos antes, ao visitar outros lugarejos do estado que ele, junto com um grupo de colegas de trabalho, resolveu ajudar durante a grave seca que atingiu o Nordeste nos anos 80. Quando foi morar na Prainha, ainda não havia luz nem asfalto por lá, e as condições de higiene eram bem piores do que aquelas encontradas hoje. Mesmo assim, resolveu ficar. Na época já tinha se separado há anos de sua primeira mulher. O anúncio do novo endereço fez com que a filha, Michelle, fosse verificar como era o local que o pai tinha escolhido para passar o resto da vida.

Formada em biologia marinha pela Universidade de Porto Rico, Michelle aprovou a nova morada. Tanto que viveu alguns anos com o pai na Prainha. Durante este período aconselhou René a ser mais moderado em suas opiniões em relação aos destinos da vila. “Às vezes, durante as assembléias da comunidade, ela tinha que pedir calma para mim”, lembra este cearense-novo, com sua voz anasalada e ainda cheia de sotaque. A pele queimada de sol, os calções e as havaianas mostram que René já está mais do que acostumado com o clima local. Mas é conversando que este senhor magro, de quase um metro e noventa, mostra o quanto sabe sobre os problemas do litoral do Ceará.

É estranho ouvir a lista de mazelas nordestinas, quando se está na Prainha de Canto Verde. A vila é uma exceção. Ali não se vê especulação imobiliária ou turismo desordenado. Problemas de saúde e de saneamento ainda existem, mas as soluções são mais avançadas do que em outros vilarejos. A batalha mais difícil é garantir o sustento dos pescadores locais, tradicionalmente baseado na pesca da lagosta. Mas o poder de mobilização e motivação de René, aliado à organização da população local, tem evitado que a comunidade embarque na canoa errada.

René aprendeu rápido sobre a cadeia produtiva de pesca, principalmente a parte artesanal, e sobre turismo comunitário. Publicou vários trabalhos dedicados a esses temas, apresentou palestras em seminários internacionais e em pouco tempo construiu um currículo invejável na área social. Além da Associação dos Amigos da Prainha do Canto Verde, ajudou a criar o Instituto Terramar, uma das mais respeitadas instituições ambientalistas do Nordeste. É líder da Fundação Avina, “fellow” da Ashoka, e membro de diversas instituições nacionais e internacionais ligadas à pesca. Isso sem falar nos prêmios que ajudou a comunidade a ganhar e que geraram recursos para investir em programas sociais na vila de pescadores.

Pelo currículo, o ritmo de trabalho parece ser o mesmo da época em que ocupou a diretoria comercial e gerência geral de escritórios da Swissair ao redor do mundo. Mas deu tempo de curtir também. Em Canto Verde, René conheceu sua segunda mulher, Marly Fernandes de Lima, e quando sobra um tempinho deixa o computador e vai tomar uma cerveja na pousada ao lado de sua casa, sempre com o telefone sem fio a tiracolo. Certas manias não são abaladas nem pelo vento constante do litoral cearense.

Leia também

Notícias
23 de maio de 2022

Projeto militar para Amazônia quer fim de restrições em áreas de interesse do agro e da mineração

Chamado de “Projeto de Nação”, plano foi anunciado na última semana por três institutos militares. Proposta para Amazônia repete o “ocupar e integrar” dos anos 1970

Colunas
23 de maio de 2022

Todo dia é “Dia do Fogo” na Amazônia

É preciso parar o desmatamento e restaurar a biodiversidade perdida com queimadas e abertura de novas fronteiras agrícolas

Reportagens
23 de maio de 2022

Governo não fechou 645 lixões, como afirma Bolsonaro

Cruzamento de dados oficiais e consulta direta a prefeituras mostram ser falso principal anúncio da “agenda ambiental urbana” do governo

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta