Reportagens

Barrados no baile das políticas climáticas e de biodiversidade

Pesquisadores e ambientalistas pedem mais atenção à conservação do Pampa, de matas com Araucárias e de ambientes aquáticos

Aldem Bourscheit ·
10 de maio de 2021 · 3 anos atrás

Pesquisadores e ambientalistas alertam que o Pampa, as matas com araucárias e ambientes aquáticos são escanteados no enfrentamento das emergências globais da mudança do clima e da perda de biodiversidade. Manifesto público foi enviado ao governo de Joe Biden (Estados Unidos) durante a Cúpula de Líderes sobre o Clima. A mobilização desde a Região Sul pode se tornar permanente.

Ambientes típicos dos estados sulistas estão desaparecendo num ritmo alarmante e sem a devida atenção pública brasileira e externa. Pampa, florestas com araucárias e ambientes aquáticos mantêm grande variedade de animais e plantas únicos e elevados estoques de carbono, ajudando no combate à crise climática.

Coordenador técnico da ONG Curicaca, Alexandre Krob comenta que a conservação e o uso realmente sustentável desses ambientes não são levados a sério em agendas nacionais ou internacionais. E que isso acirra a concorrência desses “ambientes abertos” com ações de conservação focadas em florestas.

“Todo mundo pensa que o Brasil é apenas a Amazônia e isso é um erro geográfico, ecológico e político. Outros biomas e ecossistemas têm papel muito importante para a biodiversidade e para o controle do aquecimento global”, ressaltou o agrônomo. Afinal, não faltam motivos para que essas regiões recebam mais atenção.

O Pampa foi reconhecido como um bioma em 2004. Antes, integrava a Mata Atlântica. Domina a metade sul do Rio Grande do Sul. Tem mais de 3.500 tipos diferentes de plantas. Seus ambientes abrigam animais ameaçados de extinção e são parada de aves migrando pelo continente. O subsolo estoca grandes quantidades de carbono, ajudando a segurar as pontas da crise climática.

Mas tais serviços estão em xeque. O bioma já perdeu 2 milhões de hectares para pastagens artificiais, grãos, eucaliptos e pinus. É a maior taxa de destruição se comparada a das outras grandes regiões naturais. O plantio de soja com agrotóxicos saltou 189% entre 2000 e 2015. É o principal motor da destruição do Pampa no Brasil, mostra o MapBiomas.

Nas elevações do Sul e Sudeste, campos com imponentes araucárias atraem aves como papagaio-charão e gralha-azul e também muita gente. Todos buscando belas paisagens e pinhões, base de pratos e festas típicas. Serrarias e agropecuária reduziram essas matas a 3% do que foram um dia. Mesmo dizimado, o pinheiro-brasileiro é alvo de projetos para manejo comercial.

Peixes, aves migratórias, crustáceos e até espécies desconhecidas pela Ciência vivendo em lagoas, rios e córregos entremeados ao Pampa e matas com araucárias da mesma forma merecem mais estudos e proteção, pediram pesquisadores e ambientalistas em manifesto enviado ao governo Joe Biden durante a Cúpula de Líderes sobre o Clima, em abril.

A carta que tem mobilizado mais cientistas e ONGs para influenciar políticas conservacionistas lembra que esses ambientes têm grande potencial para um uso comercial sustentável e restauração ecológica.

O encontro virtual para discutir ações de combate à emergência climática entre 40 líderes mundiais foi organizado pelos Estados Unidos e aconteceu entre 22 e 23 de abril. Na reunião, o presidente brasileiro Jair Bolsonaro mentiu ao mundo ao afirmar que dobraria recursos e que retomaria ações contra o desmatamento no país.

Veste-amarela é uma das espécies que vivem em campos nativos usados pela pecuária extensiva no Pampa. Foto: Adriano Becker.

Boiada verde

A pecuária extensiva no Pampa ajuda a conservar pastagens e outras plantas e animais nativos, além de ser um contraponto à carne produzida com a destruição de outros biomas. O rebanho bovino cresceu 22% na Região Norte apenas desde 2004, mas a maioria do gado pisoteia o Cerrado, conforme o InfoAmazonia.

“No Brasil, desmatam florestas para por pasto e gado. E onde tem pasto nativo apto à pecuária, se elimina o pasto para plantar soja e árvores exóticas”, pondera Pedro Develey, diretor-executivo da Save Brasil.

A ONG integra um esforço que associa pecuária e conservação de pastagens naturais. A carne certificada produzida em 243 fazendas no Brasil rende mais aos pecuaristas e chega a supermercados do Rio Grande do Sul e São Paulo. A iniciativa alcança Argentina e Uruguai, onde a carne também é exportada.

“O gado criado em campos nativos tem carne mais macia e saborosa. Uma pastagem natural bem manejada é tão produtiva e lucrativa quanto uma lavoura de soja. Isso fez muitos pecuaristas abrirem porteiras para ambientalistas, algo raro no país. Agora cada um destes fazendeiros é um ‘guarda parque’”, detalhou Develey.

A estratégia cabe como uma luva num bioma que tem apenas 3,3% em unidades de conservação federais e estaduais e abriga mais de 570 tipos de pássaros. 120 deles só vivem em campos conservados e 23 estão ameaçados de extinção.

Por motivos como esse, o ex-secretário Executivo da Convenção sobre Diversidade Biológica das Nações Unidas, Bráulio Dias, defende que a restauração de ambientes como as florestas com araucárias e campos nativos pode amarrar políticas e ações de combate à mudança do clima e da perda de biodiversidade.

“Além da Amazônia, os demais biomas enfrentam grandes desafios para sua conservação. A mudança climática afeta a biodiversidade, enquanto conservar dará mais chances para a natureza se adaptar às alterações do clima. Restauração ajuda as duas agendas, pois sequestra carbono e restabelece a conectividade entre ecossistemas”, ressaltou o professor da Universidade de Brasília (UnB).

Que ações como essas se tornem logo uma realidade, evitando o desaparecimento de ambientes tão ricos à cultura e à natureza brasileiras.

Gado criado em ambientes naturais no Rio Grande do Sul. Foto: Adriano Becker.
  • Aldem Bourscheit

    Jornalista cobrindo histórias sobre Conservação da Natureza, Crimes contra a Vida Selvagem, Ciência, Comunidades Indígenas e ...

Leia também

Análises
4 de maio de 2006

Conservação da Floresta com Araucária – urgência reforçada

Na lista vermelha, a araucária passou a ser considerada espécie criticamente ameaçada. Ela só existe no Sul do país, onde não resta mais do que 0,4% da mata original.

Reportagens
21 de abril de 2021

Cúpula do Clima deve frustrar planos de Bolsonaro de acordo com Biden

Cenário internacional evidencia Estados Unidos na liderança da pauta climática e coloca Bolsonaro e Brasil em xeque como párias ambientais

Análises
17 de dezembro de 2020

O Pampa está ameaçado

No Dia Nacional do Pampa, pesquisadores da Rede Campos Sulinos alertam para quadro dramático de perda de vegetação nativa no bioma

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.