Reportagens

Um olhar para eternizar a Serra da Bodoquena

A fotografia como instrumento de sensibilização e educação ambiental na Bodoquena.

Ecocomunicadores da Rede ParaTudo ·
2 de março de 2017 · 7 anos atrás

Texto produzido pelos ecomunicadores da Rede ParaTudo – Grupo Bodoquena e Bonito/MS

Canário da terra de carona com um fogo-apagou. Fotos: Edivaldo
Canário da terra de carona com um fogo-apagou. Fotos: Edivaldo Souza

Bodoquena carrega o mesmo nome da Serra em que se localiza. É uma cidade pacata por onde ainda é possível tomar café de graça nas padarias em troca de boa prosa. E lá, assim como em Bonito, município vizinho famoso pelo ecoturismo, também existem rios cristalinos, cavernas secas ou molhadas e matas nativas.

Em cidades pequenas assim, quem tem sonhos de metrópole acaba invariavelmente partindo. No entanto, não menos especiais são aqueles que escolhem ficar, valorizar as belezas locais, e que também deixam a sua marca. Edivaldo Souza é um rapaz bodoquense, criado no mato, que não se sente à vontade em aglomerações. Ele trabalha como atendente de farmácia, lida com o público e desafia diariamente a sua timidez. Tímido, mas irrequieto. Movido pela curiosidade, pela paixão e preocupação com os entornos de Bodoquena, não sossegou até se tornar um educador ambiental. De fala acanhada, mas de olhar apurado, Edivaldo logo se descobriu um ótimo observador. Comprou uma câmera, fez curso, conversou pela internet com pessoas interessadas em fotografia e começou suas saídas matinais diárias para fazer registros de animais que nos encantam.

Para conversar com a natureza é necessário paciência, silêncio e disciplina. É incrível o que um Surucuá desconfiado exige para que Edivaldo consiga registrá-lo com sua máquina fotográfica assim, de peito aberto, em uma clareira do Cerrado. São horas agachado no meio da mata na companhia de mosquitos e carrapatos, e as consequentes picadas e vermelhões.

É pela fotografia que Edivaldo se comunica, se expressa e através da qual ele ocupa o lugar em que vive. Com o seu olhar, faz arte. Ela chama o que faz de “eco comunicação visual”, que combina criatividade, resiliência e paciência. A natureza exige qualidades do seu observador e Edivaldo é adaptável como um opilião de caverna (e como há cavernas nessa tal de Bodoquena!), animal capaz de sobreviver em ambientes escuros e hostis.

São muitos os personagens da Bodoquena captados pelas lentes de Edivaldo, com a sensibilidade de quem sabe a história por trás de cada bicho. Os canarinhos da terra cantam melodias capazes de resgatar as lembranças de quem passou a infância no mato. As magníficas antas assobiam ao longe preenchendo a mata por todos os lados – dizem até que parece o assobio da caipora, que vem de lugar nenhum e de todos os lados. Ou os peculiares urutaus que se esgueiram nas árvores, se fantasiam de toco seco e ecoam seu choro mata adentro – por um tempo os chamaram de espíritos da floresta, dado que eram praticamente invisíveis. E também os lagartos que espreitam com paciência infinita seu alimento e o capturam com a destreza de um bailarino.

Edivaldo captura tudo isso de maneira poética, suave, apaixonada. Cada evento é único, extraordinário e efêmero. Segundo ele, a “natureza é acontecência”. Assim são as fotografias de Edivaldo, o verbo em ação, a eternização do movimento e a voz da própria natureza. Portanto, nada melhor para falar por ele do que suas próprias fotografias.

Clique nas imagens para ampliá-las e ler as legendas

Siriema à espreita no ninho. 02032017-edivaldo-2 Aranha da família Lycosidae carrega os filhotes.
Hora da refeição. Ninho.

 

 

Leia também

Notícias
19 de junho de 2024

Coletivos de jovens repudiam falta de participação em evento preparatório do G20, em Belém

Para ativistas, como resultado das falhas de organização oficial do evento, houve pouca representatividade de jovens em plenárias realizadas esta semana na capital paraense

Reportagens
19 de junho de 2024

Fenômenos naturais ameaçam de extinção quase 4 mil espécies terrestres

Estudo inédito revela que terremotos, furacões, tsunamis e vulcões colocam em risco cerca de 10% das espécies de vertebrados terrestres do mundo, principalmente em ilhas e regiões tropicais

Notícias
19 de junho de 2024

Governo reforça que pedirá volta do exterior das ararinhas comprovadamente brasileiras

Medida depende igualmente de questões como negociações diplomáticas e arranjos logísticos entre os países envolvidos

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.