Salada Verde

Migração arriscada

Estudo sugere que deslocamentos do peixe-boi-amazônico se devem à busca de proteção contra predadores. Sua caça é proibida desde os anos 1960.

Salada Verde ·
5 de janeiro de 2010 · 12 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Foto: Fiocruz
Foto: Fiocruz
Há muito se sabe que, durante a estação seca, o peixe-boi amazônico (Trichechus inunguis) migra das várzeas para canais escavados pelos rios. Mas as razões desta perigosa migração, que faz com que os animais tenham que jejuar por meses, ainda eram pouco claras. Estudo, publicado por pesquisadores brasileiros e do Reino Unido no Journal of Zoology sugere que o risco dos peixes-boi serem mortos por predadores nas águas rasas da várzea durante a estação seca é o que faz os animais preferirem passar fome. Proeminentes entre os predadores estão os habitantes locais, que continuam a caçar peixes-boi e representam o maior risco à viabilidade das populações desta ameaçada espécie , que também sofre com o aumento dos episódios de seca “anormal” nos rios amazônicos. Como os animais devem se deslocar por áreas rasas, isso os expõe aos caçadores, que matam os animais pela carne e status social que a atividade traz. Só para lembrar, a caça ao peixe-boi é proibida desde a década de 1960 e os habitantes das ditas “reservas de desenvolvimento sustentável” deveriam, no mínimo, obedecer as leis ambientais.

 

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta