Salada Verde

Hidrelétricas no Peru recebem críticas

Destruição de florestas e deslocamento de populações indígenas são os principais impactos das hidrelétricas previstas no acordo.

Salada Verde ·
21 de junho de 2010 · 14 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

O acordo energético entre Brasil e Peru está sendo questionado no país andino devido aos impactos sociais e econômicos que pode provocar. Ambientalistas afirmam que a construção de seis hidrelétricas na amazônia peruana atende apenas a interesses brasileiros, com alto custo para a floresta e populações indígenas. As críticas foram divulgadas pelo Internacional River (IRS), no dia seguinte à assinatura do acordo entre os presidentes Luís Inácio Lula da Silva e o colega Alan Garcia. O Brasil vai colaborar na construção de seis hidrelétricas, com capacidade para gerar 6 mil MW de energia, e linhas de transmissão no país vizinho. A maior parte da energia deverá ser exportada para o Brasil.

“Este acordo não irá garantir energia limpa e renovável para o Peru. Ao contrário, vai impor uma série de impactos ambientais e sociais negativos, como o deslocamento de povos indígenas e o desmatamento acelerado em pelo menos cinco provincias do Peru, colocando em grave risco o futuro da Amazônia Peruana,” afirmou à IRS Mariano Castro, ex-Secretário-Executivo do Conselho National Peruano de Meio Ambiente (CONAM) e advogado da Sociedade Peruana de Direito Ambiental (SPDA).

O acordo recebe críticas também no Brasil. De acordo com a declaração do professór Célio Bermann, do Instituto de Eletrotécnica e Energia da Universidade de São Paulo, as hidrelétricas atenderiam aos interesses de minero-metalúrgias que estão se instalando na Amazônia. “Essa energia não vai ser direcionada para as necessidades da população peruana, nem tampouco à população brasileira,” afirmou à IRS o professor. (Vandré Fonseca)

Saiba mais
Brasil e Peru defendem hidrelétricas na Amazônia



Leia também

Reportagens
20 de junho de 2024

Da crítica ao modelo de desenvolvimento às enchentes no Rio Grande do Sul

Desde 1971, Francisco Milanez milita na Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural e dela retira a explicação para a mudança no clima que ainda vitima seu estado

Salada Verde
20 de junho de 2024

Elas chegaram: temporada de baleias-jubarte na costa brasileira

Pesquisadores brasileiros vêm acompanhando a rota migratória das jubarte para analisar os efeitos das mudanças ecossistêmicas na alimentação desses animais

Salada Verde
20 de junho de 2024

Tatu-canastra é fotografado durante o dia, em Minas Gerais

Animal de hábitos noturnos, espécie foi fotografada por Alessandro Abdala em um dia chuvoso no Parque Nacional da Serra da Canastra

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.