Salada Verde

O valioso trabalho dos morcegos

De acordo com estudo publicado na última edição da Science, a conta pode chegar a US$ 53 bilhões por ano graças a dieta rica em insetos.

Redação ((o))eco ·
3 de abril de 2011 · 11 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Vandré Fonseca

Os serviços prestados pelos morcegos à agricultura nos Estados Unidos valem bilhões de dólares, segundo um estudo publicado na edição do último dia 01 de abril da revista científica Science. A conta, que pode variar de US$ 3,7 bilhões a US$ 53 bilhões por ano (aproximadamente entre R$ 6 bilhões e R$ 88 bilhões), inclui os custos de combate a insetos, consumidos por morcegos, em importantes áreas produtoras agrícolas americanas, como os campos de algodão do Texas.

Esta é a conta que os Estados Unidos poderão ter de pagar se não tomarem medidas para proteger morcegos, que hoje sofrem duas ameaças sérias no país: a síndrome do nariz branco, provocada pelo fungo Geomyces destructans, que afeta o comportamento e o desenvolvimento de quirópteros durante a hibernação em cavernas, e os campos de geração de energia eólica . Os campos de produção de energia movidos por vem misteriosamente exercem uma atração mortal para os morcegos, que os cientistas ainda não compreenderam. Segundo o estudo, até 2020, entre 33 mil e 110 mil morcegos vão morrer por ano em choques com turbinas só nas montanhas do Meio-Atlântico americano.

A população de morcegos nos EUA está ameaçada por fungo e também pela turbinas eólicas (foto: divulgação)
A população de morcegos nos EUA está ameaçada por fungo e também pela turbinas eólicas (foto: divulgação)

Morcegos insetívoros são trabalhadores vorazes. Uma colônia de 150 morcegos-marrons (Eptesicus fuscus), no estado americano de Indiana, consome aproximadamente 1,3 milhões de insetos por ano, contribuindo para interromper ciclos de pestes para a agricultura. Outra estimativa sugere que apenas um pequeno morcego-marrom pode consumir entre 4 a 8 gramas de insetos por noite. A morte de 1 milhão de morcegos mortos pela síndrome do nariz branco significaria que entre 660 e 1320 toneladas de insetos deixariam de ser consumidos por ano, nas áreas afetadas pela síndrome.

Para calcular o valor do trabalho dos morcegos, os pesquisadores consideraram estimativas publicadas anteriormente que indicavam que a eliminação de pragas por morcegos no centro-sul do Texas podem variar de US$ 12 a US$ 173 por acre de algodão e extrapolaram os dados para outras regiões dos Estados Unidos.

E o preço do trabalho noturno destes mamíferos pode ser ainda maior, pois a estimativa deixa de lado custos adicionais com a resistência desenvolvida pelos insetos a agrotóxicos ou produtos transgênicos.

Ficou de fora também desta conta a proteção que os morcegos prestam às florestas, com a eliminação de insetos que predam a vegetação. Ou seja, os morcegos não vieram apresentar a conta, mas não levá-los em consideração, e protegê-los, pode custar muito caro.

Devoradores de insetos, os morcegos garantem a saúde das lavouras nos EUA (foto: divulgação)
Devoradores de insetos, os morcegos garantem a saúde das lavouras nos EUA (foto: divulgação)
Anjos negros
O mundo desconhecido dos morcegos
Perigosa mutação

Leia também

Notícias
20 de maio de 2022

Alto custo é principal barreira para visitação de parques

De acordo com estudo, alto custo da viagem, distância e falta de informações disponíveis são os principais obstáculos para visitação de parques naturais

Notícias
20 de maio de 2022

Presidenciáveis recebem plano para reverter boiadas ambientais de Bolsonaro

Estratégia ‘Brasil 2045’ propõe medidas para reconstruir política ambiental brasileira e fazer país retomar posição de liderança global em meio ambiente

Análises
20 de maio de 2022

O dilema de Koniam-Bebê

Ocupação indígena no Parque Estadual Cunhambebe realimenta falsa dicotomia entre unidades de conservação e territórios indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Cássio Garcez diz:

    Brilhante análise, Beto. Parabéns e obrigado por ela.