Salada Verde

Câmara deixa direção do INPE e se diz frustrado

Diretor de órgão responsável pelas taxas oficiais do desmatamento na Amazônia diz que já não tem mais argumentos para convencer governo que deve investir em renovação dos quadros.

Gustavo Faleiros ·
19 de agosto de 2011 · 11 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

“Frustrado” foi a palavra que Gilberto Câmara usou para definir seu estado de espírito. Diretor-geral do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), uma das mais renomadas instituições cientifícas brasileiras, o engenheiro decidiu pedir demissão de seu cargo.

Inicialmente indicado para um mandato com duração até 2013, Câmara entregou uma carta ao ministro de Ciência e Tecnologia, Aloízio Mercadante, pedindo que um comitê de busca seja instalado e defina a substituição da chefia do INPE até o fim deste ano.

Gilberto Câmara, durante em entrevista na Cúpula de Copenhague em 2009. (foto: Gustavo Faleiros)
Gilberto Câmara, durante em entrevista na Cúpula de Copenhague em 2009. (foto: Gustavo Faleiros)

Ele falou com ((o))eco na manhã de ontem e disse que sua decisão é definitiva. “Estou frustrado com a falta de renovação nos quadros do INPE”, disse explicando qual foi a razão que o levou a pedir demissão. Segundo ele, existe um “desgaste” após 6 anos no cargo que o leva a abandonar o posto e voltar para a cadeira de pesquisador do instituto. “Não sei mais o que fazer para convencer o governo de que é preciso contratar pessoal no INPE. Há mais 10 anos que não há um novo concurso”, lamentou.

Não houve, disse Câmara, motivação política em sua saída. Ele nega que divergências com o presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), Marco Antônio Raupp, teriam sido o estopim de sua decisão.

O engenheiro garante que as mudanças na direção do INPE não afetam programas de lançamento de novos satélites, como o Amazônia 1 – que vai melhorar a vigilância do desmatamento – e o CBERS 3 – mais um da bem sucedida série de equipamentos feitos em parceria com os chineses. “O INPE tem uma tradição de continuidade de seus projetos mesmo depois da troca de diretores”, comenta .

Perguntei a ele, se seu anúncio de demissão poucas semanas antes do fechamento do número oficial do desmatamento seria mais do que mera coincidência. “Não há nenhum problema aí, as medições do desmatamento continuam ocorrendo normalmente”, afirmou. Nesta última quinta, o INPE divulgou o número do desmatamento em julho e até o fim dos ano divulga a taxa oficial, medida pelo programa Prodes.

Câmara é um ferrenho defensor da política de transparência de dados do desmatamento e, em 2008, envolveu-se em uma polêmica quando Blairo Maggi e até o próprio presidente Lula levantaram dúvidas sobre os números do desmatamento no Mato Grosso, que voltavam a subir segundo o INPE. Como resultado da disputa, o programa Deter (Detecção de Desmatamento em Tempo Real) passou a divulgar não mais apenas dados sobre corte razo na Amazônia, mas também sobre degradação florestal.

*Gustavo Faleiros com colaboração de Daniel Santini

Saiba mais
Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE

{iarelatednews articleid=”10965, 15954,23094″}

  • Gustavo Faleiros

    Editor da Rainforest Investigations Network (RIN). Co-fundador do InfoAmazonia e entusiasta do geojornalismo. Baterista dos Eventos Extremos

Leia também

Reportagens
28 de setembro de 2022

Sem peixes e caranguejos, fome assola comunidades pesqueiras da Baía de Guanabara 

Defensores públicos cobram ações emergenciais e políticas de inclusão social para pescadores, após vistoria em rios e manguezais degradados de Duque de Caxias

Salada Verde
28 de setembro de 2022

Cachoeira azul: Secretaria de Meio Ambiente não encontra alterações na água

Responsável foi identificado e deve ser autuado. Laudo técnico ainda irá definir aplicação de multas e penalidades. Investigação também corre em sigilo no Ministério Público

Reportagens
28 de setembro de 2022

Mudanças ambientais e econômicas pressionam onças-pintadas no Pantanal

Controlar o uso do fogo, consolidar e ampliar áreas protegidas e corredores ecológicos em terras públicas e privadas ajudarão a perpetuar a espécie

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta