Salada Verde

Manaus: III Fórum de Sustentabilidade debate medida para substituir PIB

Criação de indicador alternativo de riqueza e acordos para a Conferência Rio+20 dominaram o primeiro dia de debates no encontro.

Daniele Bragança ·
23 de março de 2012 · 10 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
A ex-premiê norueguesa Gro Harlem Brundtland é uma das estrelas do encontro de Manaus. Foto: divulgação
A ex-premiê norueguesa Gro Harlem Brundtland é uma das estrelas do encontro de Manaus. Foto: divulgação

Discussões sobre a conferência Rio+20 tomaram conta do primeiro dia de debate do Fórum Mundial de Sustentabilidade, que está acontecendo em Manaus. Uma das principais ideias apresentada, ontem,  foi levantada pelo diretor executivo da Rio+20, o embaixador francês Brice Lalonde. Ele defendeu a proposta de criação de um índice que substituiria o PIB, indicador criticado por ambientalistas por não contabilizar os impactos negativos, como degradação de recursos naturais, na produção de riqueza. Outro destaque do dia foi a ex-premiê norueguesa Gro Harlem Brundtland, uma das responsáveis por cunhar o conceito de desenvolvimento sustentável. Brundtland chefiou em 1987 o relatório “Nosso Futuro Comum”, que serviu de base para a conferência Rio 92.

Lalonde afirmou que a Rio+20 deve produzir um mandato para que a ONU apresente, em um prazo de três anos, um indicador alternativo ao Produto Interno Bruto. O novo indicador, junto com a criação de uma agência global para o meio ambiente, nos moldes da OMC, poderá estar entre as principais medidas que sairão da conferência de junho. Mas não é só.

O diretor executivo da Rio+20 deixou claro, ontem, que os líderes dos países devem vir para a conferência preparados para um acordo: “Não venham ao Rio se vocês não tiverem compromissos”. Lalonde disse também esperar que o resultado final da conferência não seja apenas documentos assinados, de intenções, mas que contenha “um plano de ação”.

Para a ex-premiê, a Rio+20 “é uma grande responsabilidade”, principalmente porque a “a agenda é muito ampla e todos os países estão trabalhando fortemente em relação à mudança climática”, disse aos jornalistas logo após a sua palestra “O Caminho de Estocolmo à Rio+20, e da Rio+20 ao ano de 2032”. Ela estará no Rio, em junho, para a conferência.

 
  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Reportagens
21 de outubro de 2021

Estudo aponta diretrizes para barrar a degradação acelerada de campos e savanas

As chamadas grasslands estão ameaçadas em todo o planeta, alerta um grupo internacional de pesquisadores. Solução envolve restauração e busca de alternativas de exploração econômica sustentáveis

Notícias
21 de outubro de 2021

Até 2020 Rondônia não possuía lei para regular destinação de terras públicas

Estado tem quase 30% de seu território ocupado por terras não destinadas. Briga entre Legislativo e Executivo rondonienses dificultam formalização dos processos

Reportagens
21 de outubro de 2021

Superintendente dá aval para obras que ameaçam habitat de peixe das nuvens cearense

Duplicação de rodovia no litoral do Ceará foi embargada pelo Ibama em janeiro para proteger espécie de peixe das nuvens ameaçada. Com desembargo, pesquisadores temem pela destruição do habitat já restrito da espécie

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta