Salada Verde

Estado do Amazonas libera uso de mercúrio em garimpos

Resolução aprovada em junho pelo Conselho Estadual do Meio Ambiente do Amazonas permite o uso do metal, que é altamente poluente e tóxico.

Daniele Bragança ·
19 de julho de 2012 · 9 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

A resolução 011/2012, aprovada em junho pelo Conselho Estadual do Meio Ambiente do Amazonas (CEMAAM), estabelece procedimentos a serem observados no licenciamento ambiental para a atividade de lavra garimpeira de ouro no Estado do Amazonas, e libera o uso de mercúrio nos garimpos, estabelecendo 30 dias após o licenciamento para comprovação da origem do produto. Desde que foi emitida a nova norma, no dia 15 de junho, ambientalistas e cientistas estão lutando para mudar a resolução, já que o mercúrio é extremamente tóxico e poluente.

Uma petição online pede a reformulação da Resolução 011/2012. A contaminação de peixes e seres humanos pelo mercúrio levou vários países a proibir a utilização do metal. No Brasil, o mercúrio ainda é largamente utilizado no processo de separação do ouro e é exatamente esta atividade que está sendo disciplinada pela resolução do CEMAAM, que estabelece algumas restrições.

Os garimpeiros vão precisar utilizar um equipamento chamado cadinho para recuperar o metal, comprovar origem de compra do mercúrio, transportar os resíduos para depósitos autorizados e apresentar estudo de impacto ambiental, o EIA/Rima. A fiscalização ficará a cargo do governo estadual, com o apoio do Ibama. Com as medidas, o governo do Amazonas pretende combater o garimpo ilegal de ouro.

O problema é que o uso de mercúrio traz grandes riscos para os rios da região, e não se sabe até onde esta fiscalização será eficiente. No dia 2 de junho, o Museu da Amazônia (Musa), dirigido pelo professor e pesquisador Ennio Candotti, divulgou carta aberta manifestando preocupação e alertando para os riscos que o mercúrio pode trazer à região: “As garantias de rigoroso controle expressam a melhor das intenções, mas é difícil convencer-se que de fato serão eficazmente implementadas. Nossas dúvidas e incertezas sobre os teores tóxicos de mercúrio já presentes nos peixes amazônicos aumentarão com a aprovação da mencionada resolução normativa”.

O aumento do preço do ouro no mercado internacional também preocupa, pois mais pessoas estarão dispostas a extrair o metal, mesmo que de forma ilegal, o que aumenta o risco de contaminação dos rios e peixes e, por tabela, da população local.

Na carta aberta dirigida ao Governo do Estado do Amazonas, o professor Ennio Candotti afirma que há alternativas mais limpas do que o uso de mercúrio para a separação de ouro nos garimpos e se coloca à disposição do governador para apresentar alternativas: “Há tecnologias limpas que fazem uso do cianeto, experimentadas com sucesso nos últimos anos em garimpos do alto Tapajós”.

A resolução 011 já está em vigor no Estado do Amazonas.
*Com informações do Instituto Socioambiental

 
Leia também
  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Reportagens
27 de outubro de 2021

Estados da Amazônia não estão preparados para eventos climáticos extremos, mostra estudo

Nenhum dos nove estados possui sistema de alertas ou planos de contingência para lidar com inundações, secas, incêndios ou ondas de calor

Análises
27 de outubro de 2021

Um olhar sobre 36 anos da Mata Atlântica – o que aconteceu entre 1985 e 2020 e para onde vamos

O bioma mais impactado pela presença humana ao longo de toda a história do país permaneceu com intensa transformação do seu território nas últimas 3,5 décadas

Reportagens
27 de outubro de 2021

Lobby do agronegócio reduz transparência ambiental de estados e favorece desmatamento

Governadores cedem a interesses de produtores rurais e bloqueiam ou dificultam acesso a dados públicos que poderiam apontar quem está derrubando a floresta ilegalmente

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta