Salada Verde

Novo e-book sobre pagamento por serviços ambientais

Publicação narra experiências no Brasil e na América Latina sobre o mecanismo econômico que ajuda a manter a floresta em pé. Confira.

Redação ((o))eco ·
22 de janeiro de 2014 · 8 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Tido como uma das principais ferramentas capazes de frear o avanço da perda da floresta, o uso de pagamento por serviços ambientais (PSA) pipoca aqui em ali, em projetos específicos e alheios ao grande público. O Instituto O Direito por Um Planeta Verde reuniu 4 artigos que falam de exemplos bem sucedidos de PSA em países da América Latina e no Brasil. Eles foram publicados em “Pagamento por Serviços Ambientais – Experiências locais e latino-americanas” (144 páginas), que faz parte da série  “Direito e Mudanças Climáticas”, composta por 4 e-books e disponível para download gratuito.

Entre os casos relatados de pagamento por serviços ambientais está o uso de de recursos hídricos em países como Costa Rica, México, Equador e Colômbia; a experiência de mitigação de mudanças climáticas na amazônia brasileira; e a proteção da biodiversidade em Santa Catarina.

Confira o e-book

 

Leia Também
WWF publica estudo sobre incentivos por serviços ambientais
Floresta em pé, água abundante
O que são serviços ambientais?

 

 

 

Leia também

Reportagens
25 de outubro de 2021

Como os estados cuidam da Amazônia: comparamos dados de proteção, orçamento e desmatamento

Análise exclusiva do ((o))eco se debruça sobre dados ambientais dos nove estados da Amazônia Legal para compreender diferenças e semelhanças nas políticas públicas regionais

Notícias
22 de outubro de 2021

“Adote um ninho”: Conheça a campanha para a preservação dos papagaios brasileiros

Campanha busca incentivar a proteção dos papagaios por meio da construção de ninhos artificiais para suprir a falta de cavidades naturais, que estão diminuindo por conta do desmatamento

Análises
22 de outubro de 2021

Por uma nova onda de soluções para a resiliência e a saúde do oceano

Estudo do FMI estima que 8 milhões de toneladas de lixo plástico acabam no mar todos os anos, sendo 80% provenientes do continente. Se não mudarmos esse quadro, o oceano terá mais lixo do que peixes até 2050

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta