Salada Verde

Fracassa licitação que venderia 41% das florestas do Paraná

Estado não conseguiu atrair interessados em adquirir 12 mil hectares de florestas públicas. Tentativa de privatizar mata vai continuar

Redação ((o))eco ·
26 de maio de 2014 · 8 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Primeira tentativa do governador Beto Richa (PSDB) de privatizar florestas estaduais não deu certo.

A tentativa do governo de Beto Richa (PSDB) de privatizar 12 mil hectares de florestas públicas no Paraná não foi bem sucedida. O leilão realizado na tarde desta segunda-feira (26) não teve interessados. A área posta a venda é formada por 7 das 17 fazendas de pinheiros e remanescentes da Mata Atlântica que pertence ao governo do estado.

O objetivo era arrecadar 105 milhões com a venda das áreas reflorestadas. O governo estadual quer se desfazer dos 45 mil hectares administradas pelo Instituto de Florestas do Paraná, autarquia ligada à Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento, e transferir esses custos para a iniciativa privada. O leilão realizado hoje iria privatizar 41% desse montante.

Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, o secretário Norberto Ortigara, da Agricultura, afirmou que os remanescentes da Mata Atlântica que estão nas fazendas não poderão ser cortados, pois estão na área de Reserva Legal ou em APPs (Área de Proteção Permanente).

Ainda de acordo com o jornal, a autarquia dá prejuízo e o atual governo não quer gastar dinheiro com manejo e venda de madeira. Desde o ano passado, o estado vem enfrentando dificuldades de pagar fornecedores e realizar obras.

Apesar da derrota de hoje, o governo não desistiu de se livrar da função de vender madeira. Nova licitação será marcada.

Leia Também
Verde à venda
O loteamento das florestas públicas do Brasil
Projeto paulista legaliza concessões em parques estaduais

Leia também

Salada Verde
18 de janeiro de 2022

Em evento, Bolsonaro comemora redução de 80% das multas do Ibama

“Nós reduzimos em mais de 80% as multagens no campo”, disse o presidente, que creditou ao ex-ministro Salles e à ministra da Agricultura, Teresa Cristina, as boas medidas para o campo

Salada Verde
18 de janeiro de 2022

MPF se pronuncia contra decreto que permite destruição de qualquer caverna

Câmara de Meio Ambiente do Ministério Público Federal (4CCR) diz que norma desrespeita princípios constitucionais. Governo publicou decreto na semana passada

Reportagens
18 de janeiro de 2022

Uma oportunidade de recomeço para a Mata Atlântica

O bioma mais destruído do Brasil ganha uma nova chance com o avanço da agenda de restauração no país, mas ainda sofre com gargalos como a falta de sistematização de dados e de governança

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. Nanda diz:

    1. Obrigado, Nanda! 🙂
      Fica ligada que essa é só a primeira reportagem do especial Mata Atlântica: novas histórias. Ainda vem muito mais por aí e você pode acompanhar na página do especial – https://oeco.org.br/especial/mataatlantica/
      Abs