Salada Verde

Fracassa licitação que venderia 41% das florestas do Paraná

Estado não conseguiu atrair interessados em adquirir 12 mil hectares de florestas públicas. Tentativa de privatizar mata vai continuar

Redação ((o))eco ·
26 de maio de 2014 · 7 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Primeira tentativa do governador Beto Richa (PSDB) de privatizar florestas estaduais não deu certo.

A tentativa do governo de Beto Richa (PSDB) de privatizar 12 mil hectares de florestas públicas no Paraná não foi bem sucedida. O leilão realizado na tarde desta segunda-feira (26) não teve interessados. A área posta a venda é formada por 7 das 17 fazendas de pinheiros e remanescentes da Mata Atlântica que pertence ao governo do estado.

O objetivo era arrecadar 105 milhões com a venda das áreas reflorestadas. O governo estadual quer se desfazer dos 45 mil hectares administradas pelo Instituto de Florestas do Paraná, autarquia ligada à Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento, e transferir esses custos para a iniciativa privada. O leilão realizado hoje iria privatizar 41% desse montante.

Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, o secretário Norberto Ortigara, da Agricultura, afirmou que os remanescentes da Mata Atlântica que estão nas fazendas não poderão ser cortados, pois estão na área de Reserva Legal ou em APPs (Área de Proteção Permanente).

Ainda de acordo com o jornal, a autarquia dá prejuízo e o atual governo não quer gastar dinheiro com manejo e venda de madeira. Desde o ano passado, o estado vem enfrentando dificuldades de pagar fornecedores e realizar obras.

Apesar da derrota de hoje, o governo não desistiu de se livrar da função de vender madeira. Nova licitação será marcada.

Leia Também
Verde à venda
O loteamento das florestas públicas do Brasil
Projeto paulista legaliza concessões em parques estaduais

Leia também

Reportagens
21 de outubro de 2021

COP26 – Brasil tentou minimizar impacto das emissões da pecuária em relatório do IPCC

País também defendeu que aumento do desmatamento não é resultado da política atual brasileira. Outros países fizeram lobby para mudar relatório climático.

Reportagens
21 de outubro de 2021

Estudo aponta diretrizes para barrar a degradação acelerada de campos e savanas

As chamadas grasslands estão ameaçadas em todo o planeta, alerta um grupo internacional de pesquisadores. Solução envolve restauração e busca de alternativas de exploração econômica sustentáveis

Notícias
21 de outubro de 2021

Até 2020 Rondônia não possuía lei para regular destinação de terras públicas

Estado tem quase 30% de seu território ocupado por terras não destinadas. Briga entre Legislativo e Executivo rondonienses dificultam formalização dos processos

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta