Salada Verde

Ibama diz não para a Usina Hidrelétrica de Tijuco Alto

Órgão Federal alega alto impacto ambiental em área inserida na Mata Atlântica. Decisão significa vitória de grupos contrários à construção da usina

Sabrina Rodrigues ·
6 de dezembro de 2016 · 6 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Rio Ribeira de Iguape, que seria atingido pela construção da hidrelétrica de Tijuco Alto. Foto: Povos do Ribeira/Flickr
Rio Ribeira de Iguape, que seria atingido pela construção da hidrelétrica de Tijuco Alto. Foto: Povos do Ribeira/Flickr

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) rejeitou a licença prévia ambiental para a construção da Usina Hidrelétrica de Tijuco Alto, localizada no Vale do Ribeira, divisa entre os estados de São Paulo e Paraná. O documento assinado pela presidente do Ibama, Suely Araújo, e pela diretora de Licenciamento Ambiental, Rose Mirian Hofmann, alegou que “a ponderação dos efeitos benéficos e adversos do empreendimento mostra evidente desequilíbrio na distribuição de ônus e benefícios, em virtude da perspectiva de alto impacto ambiental, em área inserida integralmente no bioma Mata Atlântica, para geração ineficiente de energia elétrica para abastecimento do complexo metalúrgico da Companhia Brasileira de Alumínio (CBA)”. A construção da usina de Tijuco Alto encontrou resistência de quilombolas, pequenos agricultores e das populações locais que alegam, entre outros motivos, que com a hidrelétrica, vastas áreas de Mata Atlântica seriam inundadas, causando prejuízos ambientais, sociais e culturais à região.

Fonte original: EBC

Leia também:

Não que vira sim

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Colunas
24 de abril de 2007

Não que vira sim

Com pressão e falsas mudanças, empresas sempre conseguem converter decisões de orgãos ambientais contrárias às suas obras em um sim definitivo. O rio Ribeira é a próxima vítima.

Reportagens
27 de janeiro de 2023

Apib representa criminalmente ex-presidente Jair Bolsonaro por omissão na proteção do território Yanomami

Além do ex-mandatário, o ex-presidente da Funai, Marcelo Xavier e a ex-ministra e atual senadora Damares Alves são citados. A ação destaca possível incentivo para invasões da área protegida

Notícias
27 de janeiro de 2023

Mauro Mendes quer “desfederalização” do Parque Nacional da Chapada dos Guimarães

É a primeira vez que um parque federal seria transformado em estadual no País, aponta Rede Pró-Unidades de Conservação. Alteração pode diminuir poder de acionar mecanismos de proteção

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. Osmar de Carvalho diz:

    Entregar esse Parque para inciativa privada, que ‘investirá’ R$ 18 milhões em 30 anos, faz algum sentido? Parque abandonado, queimado anualmente, jogado às traças há anos. E sem nenhuma chiadeira por ong alguma…. Tem coisas que nem Freud explica.


  2. Absalão Farah Contursi diz:

    Como é possível alguém não querer que o passivo de regularização seja diminuído antes da criação de novas UCs??? Melhor 1 na mão que 2 voando!!! Quem muito quer, nada tem! Indenizar os desapropriados é o mínimo de justiça!