Salada Verde

Navio laboratório em expedição científica chega no Rio de Janeiro

Tara estará presente de 4 a 10 de novembro na capital com uma série de eventos gratuitos para o público. A expedição tem o objetivo de estudar os micro-organismos marinhos

Bruna Martins ·
4 de novembro de 2021
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Desembarca no Rio de Janeiro, mais especificamente no Museu do Amanhã, o navio laboratório Tara, da mais ambiciosa expedição científica do gênero no momento, no dia 5 de novembro. Liderada pela fundação francesa Tara Océan, em parceria com 45 instituições científicas de mais de 10 países, incluindo o Brasil, a Missão Microbioma chega à Baía de Guanabara após passar por Chile, Caribe, rio Amazonas e todo o litoral do Norte e Nordeste brasileiro. A expedição busca responder a seguinte pergunta: como as mudanças climáticas e os vários tipos de poluição, como dos microplásticos, estão afetando as correntes oceânicas e a vida dos micro-organismos marinhos?

A relevância dessa pesquisa se dá pelo papel que esses micro-organismos possuem para manter o equilíbrio ambiental. Eles absorvem parte significativa do gás carbônico emitido pelos seres humanos e produzem 50% do oxigênio disponível na Terra. Além de ser responsável por regular o clima no planeta, este microbioma – mundo invisível a olho nu formado por milhões de vírus, bactérias, microalgas e outros micro-organismos – é o primeiro elo em uma enorme cadeia que alimenta grande parte da humanidade e fornece serviços ecológicos e econômicos vitais. 

Como diz Romain Troublé, Diretor Executivo da Fundação Tara Océan: “Assim como não poderíamos viver sem os bilhões de micróbios ‘amigáveis’ que habitam nossos corpos, nosso planeta não seria viável sem a presença do microbioma marinho que regula seus principais equilíbrios. No entanto, este microbioma está agora sujeito a ameaças, como aquecimento global e várias poluições, com consequências desconhecidas. Depende de nós mergulhar neste mundo pouco conhecido antes que seja tarde demais”.

Exposição da tara em Salvador. Foto: Arthur Larie/Fondation Tara ocean.

O diretor explica que os humanos sempre estudam aqueles micróbios que os atacam, a posteriori. Ele acredita que é hora de assumir o controle e estudar como são os micro-organismos do planeta e quais são seus papéis, para a obtenção de respostas mais rápidas quando necessário. Troublé estará no Rio ao lado da equipe da expedição para compartilhar os resultados desses 18 anos produzindo conhecimento capaz de antecipar as mudanças nos oceanos ligadas aos riscos climáticos e ambientais.

Serviços

De 5 a 7 de novembro, no Museu do Amanhã, e de 8 a 10 na Marina da Glória, aqueles que estiverem no Rio de Janeiro poderão entrar em contato com esse mundo à parte em uma série de eventos gratuitos. A programação conta com oficinas dedicadas à escolas, com projeção, oficinas educativas e visitas virtuais. Também contará com conferências sobre oceano sustentável e Impactos das mudanças climáticas e das poluições de origem humana sobre o Oceano Atlântico. Além disso, haverá exposições com a pesquisa como temática e a Operação de limpeza da Praia de Copacabana com estudantes e jovens que participam do projeto FrancEcolab Brasil.

  • Bruna Martins

    Jornalista em formação pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM).

Leia também

Salada Verde
6 de março de 2019

Brasil é o quarto país que mais produz lixo plástico no mundo

Dados são de estudo publicado pelo WWF. País produz 11 milhões de toneladas de lixo plástico por ano. Apenas EUA, China e Índia produzem mais que o Brasil

Análises
3 de novembro de 2020

Até quando vamos enxugar o chão?

Para o plástico parar de entrar em nossos oceanos, devemos reduzir a quantidade de plásticos descartáveis produzidos na fonte. O tanque já transbordou e vai inundar sua casa

Notícias
16 de maio de 2019

Brasil cumprirá acordo internacional sobre monitoramento de resíduos plásticos

A partir de dezembro de 2020, países exportadores de lixos contaminados, mistos ou não recicláveis terão que obter o consentimento dos governos locais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta