Salada Verde

Nona edição do Filmambiente começa em abril

Festival de filmes ambientais será do dia 04 a 10 de abril e exibirá 34 produções. Esta será a primeira vez que o evento ocorrerá em Niterói, no Rio de Janeiro

Sabrina Rodrigues ·
25 de março de 2019 · 3 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Criado em 2011, o Filmambiente exibe os mais variados filmes da área ambiental. Foto: Pixabay.

Ampliar a visibilidade das questões ambientais para o maior número de pessoas possível. É com essa expectativa que começará, no dia 04 de abril, a nona edição do Filmambiente 2019- Festival Internacional de Filmes Ambientais, que acontecerá no município de Niterói, no Rio de Janeiro.

“O que a gente quer com o festival é falar com pessoas que ainda não estão atentas para o assunto, por isso a gente faz uma seleção mais aberta, onde o ser humano é o centro, é uma questão ambiental mais ampla, mas que envolve ser humano, não só plantas e matas, mas a questão do homem e o seu entorno”, afirma Suzana Amado, diretora do festival. “A gente procura selecionar filmes que possam interessar ao maior número de pessoas. Esperamos falar com o público que necessariamente não está voltado para as questões ambientais. Um público que vá pelo fato de o filme ser bom, porque se interessa por bons filmes”, continua Suzana.

Criado em 2011, este ano será a primeira vez que Niterói sediará uma edição do Festival. Serão ao todo 34 filmes –, nove na mostra competitiva e 25 curtas e médias metragens reunidos em quatro programas. Há produções do Brasil, Reino Unido, África do Sul, Canadá, Estado Unidos, França, Argentina, Turquia, Argélia, Índia, Irã e México. As exibições acontecerão de 04 a 10 de abril, no Cine Arte UFF, em Icaraí, às 19h e no Reserva Cultural, no Gragoatá, às 21h.

Evento gratuito

Com exibições gratuitas, o Filmambiente contará com um júri popular para escolher o vencedor da mostra competitiva. Como exemplo da diversidade dos temas que serão exibidos, o festival abrirá com o filme chamado “Astral”, no Reserva Cultural, na noite de quinta-feira (04). A produção espanhola narra a história de um barco de luxo transformado em barco de resgate e a luta da ONG espanhola Open Arms para salvar as vidas que se arriscam no Mediterrâneo em busca de uma vida melhor na Europa. Com direção de Jordi Évole, o filme revela, com muita emoção, um dos maiores dramas humanos da atualidade. A intenção é que a partir deste filme, as pessoas discutam, pensem em discriminação, aceitação e empatia.

O filme “Amazônia, o despertar de florestania, dirigido por Christiane Torloni e Miguel Przewodowski, terá a pré-estreia durante o festival, entrando em circuito comercial em seguida. Depois da exibição do filme, haverá debate com os diretores.

“Espero que ao assistir ao filme dirigido pela Christiane Torloni, as pessoas entendam a questão da Amazônia e da preservação ambiental. Com o filme, esperamos falar com outro tipo de público. Temos um público cativo, que se interessa pelas questões ambientais, mas o que queremos com o festival é levar as informações para as pessoas que ainda não estão atentas para o assunto, por isso, fazemos uma seleção bem eclética, com vários assuntos.

Você pode saber mais sobre o Filmambiente, nas redes sociais do Festival como o Facebook, Instagram e Twitter.

Saiba Mais

Filmes

Programação

Serviço

Evento: Filmambiente 2019

Onde: Cine Arte UFF, Rua Miguel de Frias, 9 – Icaraí, Niterói, Rio de Janeiro.

 Reserva Cultural Niterói, Av. Visconde do Rio Branco, 880 – São Domingos, Niterói, Rio de Janeiro.

Quando: De 04 a 10 de abril, sempre às 19h e 21h.

Valor: Entrada gratuita.

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Salada Verde
25 de maio de 2022

CPI/PUC lança plataforma sobre os 10 anos do Código Florestal

Ferramenta concentra análises, pesquisas e dados sobre a implementação da Lei 12.651/2012 em todos os estados brasileiros

Notícias
25 de maio de 2022

Desmatamento na Mata Atlântica cresce 66% e chega a 21,6 mil hectares em 2021

Estados que estavam perto de atingir o desmatamento zero, como São Paulo e Sergipe, voltam a apresentar alta na destruição do bioma, revela Atlas

Notícias
25 de maio de 2022

Onças encontradas mortas no Pantanal foram envenenadas por agrotóxico, conclui PF

O inseticida Carbofurano, agrotóxico cuja venda é proibida no país, foi usado para envenenar as onças-pintadas. Carcaças foram encontradas em junho de 2021, já em estado de decomposição

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta