Salada Verde

Pescadores e mergulhadores, ajudem a mapear os meros do Brasil

Projeto Meros do Brasil, patrocinado pela Petrobras, quer saber qual a contribuição econômica da atividade de mergulho com meros no Brasil

Daniele Bragança ·
7 de novembro de 2019 · 2 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Por acaso você já me viu por aí? Foto: Áthila Bertoncini.

Este é um texto direcionado aos mergulhadores e pescadores do país, independentemente da modalidade de pesca e mergulho que fazem. O Projeto Meros do Brasil, que há 17 anos monitora e estuda o peixe Epinephelus itajara, criticamente em perigo de extinção. Agora, os pesquisadores do projeto querem ouvir os profissionais que trabalham no ambiente do mero para entender qual a contribuição econômica da atividade de mergulho com meros no Brasil. 

Para isso, precisam que os profissionais respondam a um formulário eletrônico que leva cerca de 10 minutos para ser preenchido. Perguntas sobre modalidade, experiência de mergulho no Brasil, custos envolvidos e encontro (s) com meros fazem parte do formulário eletrônico que reunirá os dados que irão compor pesquisa do Projeto. 

A pesquisa pode ser respondida até o dia 30 de novembro.

“Esse questionário nos ajudará a diagnosticar quais são os locais onde a atividade de mergulho com os meros é relevante no Brasil e fomentar um olhar local de conservação. Também poderemos mapear potenciais locais para ações de Políticas Públicas além de aumentar o Produto Interno Bruto local. Em resumo, mostrar que é possível a relação ganha-ganha: conservação e economia”, explica o pesquisador Cleiton Jardeweski, responsável pela valoração econômica no Projeto. 

Segundo o projeto, existem aproximadamente 200 mil mergulhadores certificados no Brasil, mas esse número não leva em conta os praticantes de apneia e pesca submarina, um público que tem uma contribuição relevante na conservação dos meros.

“Esses resultados nos permitirão estimar o valor que os meros vivos na natureza possuem. Nos permitirá também evidenciar que a espécie tem um imenso potencial de gerar renda sem que seja utilizada para fins de consumo humano”, afirma a coordenadora nacional do PMB, Maíra Borgonha.

O questionário será divulgado na Homepage Oficial, Instagram e Facebook do PMB, na grande mídia e em veículos de comunicação especializados. O link também poderá ser compartilhado por e-mail e grupos de mensagens.

 

Saiba Mais

Questionário – Dez minutos pelos Meros do Brasil – Valoração Econômica dos meros 

Leia Também 

Vídeo: Espécies ameaçadas marinhas valem mais vivas ou mortas? por Cleiton Jardeweski

Vídeo: Por que a proibição de pesca é importante para a conservação do mero? por Jonas Leite

“Sem apoio da população local, não há conservação”, diz pesquisador do mero

 

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Vídeos
8 de abril de 2018

Vídeo: Por que a proibição de pesca é importante para a conservação do mero? por Jonas Leite

O presidente do Instituto Meros do Brasil, Jonas Leite, explica como a moratória da pesca do mero (Epinephelus itajara) é um instrumento importante para a manutenção da espécie

Vídeos
15 de julho de 2018

Vídeo: Espécies ameaçadas marinhas valem mais vivas ou mortas? por Cleiton Jardeweski

O que traz mais retorno financeiro: o turismo para avistar um tubarão ou o kg de sua barbatana? neste vídeo, o oceanógrafo do projeto Meros do Brasil explica o valor econômico das espécies

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta