Salada Verde

População de baleia-jubarte cresce na Antártida, diz estudo

Pesquisa publicada na revista científica Royal Society Open Science confirma o aumento do número de grávidas entre esses cetáceos na Antártica Ocidental

Sabrina Rodrigues ·
9 de maio de 2018 · 4 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
A Jubarte (Megaptera novaeangliae) já esteve à beira da extinção devido à caça. Foto: J. Maughn/Flickr.

 

A população de baleias-jubarte que vivem na Península Antártica Ocidental parece estar se recuperando rapidamente e com tendências ao crescimento, é o que informa o estudo High pregnancy rates in humpback whales (Megaptera novaeangliae) around the Western Antarctic Peninsula, evidence of a rapidly growing population,  publicado pela revista científica Royal Society Open Science, no dia 02 de maio.

O motivo da boa notícia está no número de fêmeas que apresentam altas taxas de gravidez. Os pesquisadores usaram dardos para coletar 507 amostras de pele e gordura das baleias entre 2010 e 2016. A equipe sequenciou o DNA e descobriu que as amostras provinham de 239 machos e 268 fêmeas. A equipe então, resolveu testar as amostras de 244 fêmeas para progesterona, e descobriram que 63,5% estavam grávidas. A presença de altas taxas de gravidez é um sinal de que a população de baleias jubarte na Península Antártica Ocidental tende a crescer rapidamente.

Um fato favorável para a presença das baleias jubarte na região está no aspecto climático. A Península Antártica Ocidental experimentou períodos com mais dias sem gelo e mais acesso a alimentos, como  pequenos crustáceos parecidos com camarões chamados krill que formam a maior parte da dieta das jubartes, especialmente nas regiões polares. Esse fator foi benéfico para os animais. Entretanto, os pesquisadores alertam que embora a disponibilidade de presas provavelmente aumente no curto prazo, as tendências de longo prazo podem ser mais problemáticas devido às alterações no clima.

Conhecida também como baleia corcunda, ou baleia-cantora, a baleia jubarte tem o nome científico de Megaptera novaeangliae. A Jubarte já esteve à beira da extinção devido à caça. O Japão, por exemplo, burla, há 30 anos, a moratória de caça à baleia na Antártica usando como justificativa a caça”científica” de cetáceos no Polo Sul.  Por ano, o Japão abate cerca de 50 Jubarte.

No Brasil, a Megaptera novaeangliae esteve muito próxima de ser exterminada da costa nacional. Em 1980, havia apenas 500 exemplares da espécie, o que motivou a proibição definitiva da caça. Após quase 30 anos não sendo perturbada, a espécie voltou a se recompor: já estava em 9 mil indivíduos em 2008 e em 2016 foi para 17 mil.

Saiba Mais

High pregnancy rates in humpback whales (Megaptera novaeangliae) around the Western Antarctic Peninsula, evidence of a rapidly growing population

 

Leia Também

Japão está proibido de caçar baleias na Antártica

Baleias Jubarte são vistas em grupo na África

População de Baleia Jubarte continua crescendo

 

 

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
6 de setembro de 2016

População de Baleia Jubarte continua crescendo

O número de nascimento dos mamíferos poderá chegar a até 2 mil filhotes esse ano, contribuindo para a recuperação da espécie.

Salada Verde
14 de março de 2017

Baleias Jubarte são vistas em grupo na África

Há quase um século, apenas uma vez, esses cetáceos foram vistos se alimentando na região da costa sul-africana.

Notícias
31 de março de 2014

Japão está proibido de caçar baleias na Antártica

Após ação da Austrália, país asiático será obrigado a deixar de fazer caça "científica" no Santuário de Baleias do Oceano Austral.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta