Salada Verde

Prefeito de Itaituba (PA) é condenado por desmatamento ilegal

Valmir Climaco de Aguiar foi condenado a quatro anos e nove meses de detenção por exploração de madeira sem autorização em Altamira (PA)

Sabrina Rodrigues ·
3 de outubro de 2019 · 2 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
O prefeito de Itaituba, Valmir Climaco, foi denunciado em 2008 pelo MPF sob a acusação de ter destruído 746 hectares de floresta nativa em área de preservação. Foto: ASCOM/Prefeitura de Itaituba.

O prefeito de Itaituba (PA), Valmir Climaco de Aguiar (PMDB-PA), foi condenado a quatro anos e nove meses de detenção em regime semiaberto por desmatamento praticado no município de Altamira, sudeste do estado. A sentença proferida pela Justiça Federal em  Santarém foi divulgada na terça-feira (01).

Valmir Climaco foi denunciado em 2008 pelo Ministério Público Federal (MPF) sob a acusação de que, durante os anos de 2002 e 2003, ter destruído 746 hectares de floresta nativa em área de preservação – através da Madeireira Climaco, da qual é sócio; além de ter usurpado patrimônio da União ao explorar matéria-prima sem autorização legal.

De acordo com a sentença, a matéria-prima explorada estava dentro da Gleba Arraia, localizada no sudoeste do estado do Pará, de domínio da União.

“Há, igualmente, inúmeras provas acerca da autoria nos autos. De início, observa-se que o desmatamento e a exploração de madeira ocorreu em área sob a posse do acusado, o que é comprovado através do auto de infração juntado aos autos que foi assinado pessoalmente pelo réu e ratificado pelo termo de inspeção que compõe o auto de infração, cujas informações da equipe de inspeção ratificam que a área em comento foi explorada pelo réu”, escreveu o juiz federal, Domingos Manoel Moutinho, que aplicou a pena.

Para Moutinho, o termo de inspeção reforça que a área era explorada a mando de Valmir Climaco. Na época a fiscalização “foi acompanhada por Manoel Antônio Pires, cujo endereço fica justamente na Madeireira Climaco, o que comprova tratar-se de pessoa diretamente subordinada ao réu”, afirma o juiz na sentença.

O magistrado também cita o caso da testemunha Eliza Lilia Gomes e Silva que acompanhou a equipe de fiscalização em um helicóptero do Exército, onde chegaram a pousar em uma área desmatada, cujos trabalhadores no local afirmaram estar trabalhando a mando de Valmir Climaco de Aguiar. Os trabalhadores afirmaram ainda que o responsável pelo desmatamento não estava presente no local. Posteriormente, Valmir compareceu ao escritório do IBAMA em Itaituba e assinou o auto de infração e ao mesmo tempo tomou ciência de que a área havia sido embargada.

Como Valmir Climaco de Aguiar respondeu ao processo em liberdade, o juiz decidiu que ele deverá cumprir a pena também em liberdade. 

Saiba Mais

Sentença

 

Leia Também

Prefeito de Humaitá é preso por ataques a órgãos ambientais

Prefeito é acusado de intimidar fiscais do ICMBio

Justiça Federal suspende certificação socioambiental de madeireiras no Pará

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
23 de março de 2017

Justiça Federal suspende certificação socioambiental de madeireiras no Pará

Decisão entra em conformidade com as ações do MPF que acusa as madeireiras Ebata e Golf por propaganda enganosa sobre sustentabilidade

Notícias
15 de maio de 2012

Prefeito é acusado de intimidar fiscais do ICMBio

João Ocivaldo Amorim teria constrangido analistas do instituto e tentado impedir a fiscalização contra crimes ambientais em município do Amazonas.

Notícias
27 de março de 2018

Prefeito de Humaitá é preso por ataques a órgãos ambientais

Herivâneo Vieira de Oliveira e outros políticos da cidade, no interior do Amazonas, são acusados de incentivar reação violenta contra operação que fiscalizava o garimpo de ouro no Rio Madeira

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Paulo diz:

    Ladrão do bem público.