Salada Verde

Registro raro mostra uma mamãe onça com seu filhote na Serra do Mar

A cena foi flagrada por um armadilha fotográfica instalada pela equipe do Programa Grandes Mamíferos da Serra do Mar, que monitora a presença de animais como a onça-pintada e a anta na região

Duda Menegassi ·
23 de julho de 2021
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Os pesquisadores do Programa Grandes Mamíferos da Serra do Mar foram surpreendidos com um dos registros feito por uma das armadilhas fotográficas instaladas na região: uma rara cena de uma onça-pintada com seu filhote. A imagem foi feita no trecho paranaense da Serra do Mar, um contínuo de Mata Atlântica situado entre os estados de Paraná e São Paulo. “Com toda a pressão que a Mata Atlântica vem sofrendo com desmatamentos, mudanças climáticas e caça ilegal, este registro é super importante. Indica que a região apresenta condições saudáveis, permitindo não só a sobrevivência da espécie na área, mas também a reprodução”, comemora o biólogo Roberto Fusco, responsável técnico do Programa. Os filhotes de onça-pintada costumam seguir a mãe durante seus primeiros dois anos de vida.

O projeto monitora não apenas onças-pintadas (Panthera onca), mas também outros mamíferos como a anta (Tapirus terrestris) e o queixada (Tayassu pecari), ao longo de uma área de 17 mil km². Com as informações coletadas, os pesquisadores se dedicam a construir uma estratégia de conservação para espécie, com a proteção e recuperação das populações destes animais. E a presença da onça-pintada, um predador no topo da cadeia alimentar, é essencial para garantir o equilíbrio ecológico da floresta.

“A preocupação é pela viabilidade das espécies a longo prazo, que já estão ameaçadas de extinção. Grandes mamíferos são extremamente vulneráveis à perda de habitat e à pressão de caça, sendo os primeiros a desaparecerem, o que pode gerar um enorme impacto. O desaparecimento da onça, por exemplo, pode gerar impacto em todo o ecossistema, por meio de um efeito cascata, que começa com o aumento de suas presas, geralmente herbívoros, que por sua vez impactam a composição e estrutura da vegetação. Essa bagunça no ecossistema pode trazer efeitos imprevisíveis, como a perda de biodiversidade, alteração na composição do solo, aumento de espécies exóticas e até mesmo liberar patógenos que afetam a saúde humana”, explica Fusco.

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação e montanhismo. Escreve para ((o))eco desde 2012. Autora do livr...

Leia também

Notícias
20 de outubro de 2021

Desmatamento na Amazônia já chega a quase 9 mil km² em 2021, mostra Imazon

Somente em setembro foram destruídos 1.224 km² de floresta, área equivalente a mais de 4 mil campos de futebol por dia. Números sãos os maiores em 10 anos

Salada Verde
20 de outubro de 2021

Em comemoração de seus 10 anos, Onçafari lança concurso de fotografia

Fotógrafos profissionais e amadores podem se inscrever até o dia 14 de novembro. Vencedores terão a oportunidade de fotografar a fauna e flora existentes na sede da Onçafari, no Pantanal

Notícias
20 de outubro de 2021

INPE não tem recursos garantidos para pagamento de água e luz até final do ano

Destinação de R$ 5 milhões pela AEB deu um respiro ao Instituto, mas órgão ainda aguarda verba de outras fontes para honrar despesas de funcionamento até dezembro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta