Análises

Porto Instantâneo II

De Maria do Socorro MendonçaAAI - Associação Ação Ilhéus Também sou nativa de Ilhéus, mais especificamente no então vilarejo de Olivença, há 49 anos. A minha infância foi verde, quase não existiam estradas, tenho origem humilde, estudei nos colégios públicos, fui criada aqui e sou feliz. Quero o melhor para Ilhéus e ela merece dos seus filhos verdadeiros o respeito e a sua preservação. O retrocesso vivido por Ilhéus citado por algumas pessoas aqui da cidade para O Eco, defendendo o Porto Sul como solução, foi causado pela irresponsabilidade daqueles que em busca de votos e poder político, anunciaram grandes obras e geração de empregos que nunca aconteceram, mas quem precisava de dinheiro e de emprego, aqui chegou. A cidade inchou, desrespeitosa e desordenadamente. A vassoura de bruxa desempregou muitos e eles abandonaram o campo para passar fome na cidade. O Governo nada fez naquele momento, quando era a hora de ser apresentada uma alternativa para mantê-los ali mesmo, onde teriam terra para plantar. Após 20 anos de muita luta, anuncia-se o PAC do Cacau e o que se vê é uma luta estúpida para saber quem é o pai do PAC, enquanto o PAI da Vassoura de Bruxa nunca foi encontrado. Bem, mais uma vez anunciam-se grandes obras que serão a salvação da sofrida e desrespeitada Ilhéus e agora tudo é verdade. Difícil acreditar não é? A BML (Bahia Mineradora) só tem interesse por enquanto em um mineroduto e um porto para escoar o minério de ferro da mina em Caetité. O porto não gerará mais que 100 empregos. E estes empregos, quantos empregos indiretos gerará? Se formos generosos, diremos que 300, logo teremos 400 empregos e isso com certeza não irá atender a demanda que temos na cidade. Mais uma vez o Governo "inocentemente" anuncia a geração de 10.000 empregos com as obras do Porto Sul. Eu acredito que aconteceu uma falha na hora da impressão da notícia e adicionaram 2 zeros. O mais importante é que a matéria da Fabiane está perfeita! Parabéns ao Eco por divulgá-la. Tudo o mais é pretendido pelo Governo, a partir da necessidade da BML, pois a ferrovia inicial em todos os estudos apontam o porto de Aratu na Baía de Todos os Santos. A necessidade de calado para o maior navio do mundo para transporte do minério de ferro, é a única razão de ser apontada a Praia do Norte em Ilhéus Bahia. Acontece que para a execução desta obra, serão destruídas muitas vidas (bio), as quais estão protegidas por Lei através da criação da APA DA LAGOA ENCANTADA E RIO ALMADA. Agora, cabe ao Ministério Público decidir pelo que é de maior interesse público: A geração de 300 empregos ou a preservação daquela área, tão importante para a preservação do SER HUMANO. Destruir aquela mata com construção de retroárea, pêra de ferrovia, siderurgia e depósito de resíduos do minério? Quanto custará para a população as consequências geradas? Compensa? Precisamos sim de geração de empregos para todos os seres que para aqui vieram, mas o Governo poderá contribuir não indo de encontro ao que ele mesmo disse ser o melhor para esta Região e não alterar abruptamente a vocação natural. Infelizmente ainda existem pessoas que não conseguem entender que para a nossa sobrevivência, é necessária a manutenção das demais vidas, impedindo o desequilíbrio que certamente acontecerá. Ilhéus pode crescer de outra forma, pode ter indústrias limpas, pode ter atenção por parte do Governo respeitando a sua vocação natural, que é o Turismo. Por que destruir a nossa riqueza maior? Temos que buscar solução e incentivo para o TURISMO, isto sim gerará mão-de-obra para a demanda que temos, a qual não é qualificada. O Porto Sul, será muito bom para Caetité e não para Ilhéus. No entanto, entendemos que existe um compromisso do Governo e aceitamos que venha o Porto Sul, mas que a condição seja a alteração da sua localização, pois temos 84 km de costa, já que o ideal não poderá acontecer. Um negócio só é bom, quando atende a dois e não apenas a um dos deles. Estamos à disposição do Eco para dar maiores detalhes. Venham até Ilhéus, ver de perto o que se pretende fazer e terão suas próprias conclusões. Temos certeza de que o Governo está sensível a tudo e buscará uma solução que atenda verdadeiramente a população.

Redação ((o))eco ·
13 de maio de 2008 · 14 anos atrás

De Maria do Socorro MendonçaAAI – Associação Ação Ilhéus

Também sou nativa de Ilhéus, mais especificamente no então vilarejo de Olivença, há 49 anos. A minha infância foi verde, quase não existiam estradas, tenho origem humilde, estudei nos colégios públicos, fui criada aqui e sou feliz. Quero o melhor para Ilhéus e ela merece dos seus filhos verdadeiros o respeito e a sua preservação.

O retrocesso vivido por Ilhéus citado por algumas pessoas aqui da cidade para O Eco, defendendo o Porto Sul como solução, foi causado pela irresponsabilidade daqueles que em busca de votos e poder político, anunciaram grandes obras e geração de empregos que nunca aconteceram, mas quem precisava de dinheiro e de emprego, aqui chegou. A cidade inchou, desrespeitosa e desordenadamente. A vassoura de bruxa desempregou muitos e eles abandonaram o campo para passar fome na cidade. O Governo nada fez naquele momento, quando era a hora de ser apresentada uma alternativa para mantê-los ali mesmo, onde teriam terra para plantar. Após 20 anos de muita luta, anuncia-se o PAC do Cacau e o que se vê é uma luta estúpida para saber quem é o pai do PAC, enquanto o PAI da Vassoura de Bruxa nunca foi encontrado.

Bem, mais uma vez anunciam-se grandes obras que serão a salvação da sofrida e desrespeitada Ilhéus e agora tudo é verdade. Difícil acreditar não é?

A BML (Bahia Mineradora) só tem interesse por enquanto em um mineroduto e um porto para escoar o minério de ferro da mina em Caetité. O porto não gerará mais que 100 empregos. E estes empregos, quantos empregos indiretos gerará? Se formos generosos, diremos que 300, logo teremos 400 empregos e isso com certeza não irá atender a demanda que temos na cidade. Mais uma vez o Governo “inocentemente” anuncia a geração de 10.000 empregos com as obras do Porto Sul. Eu acredito que aconteceu uma falha na hora da impressão da notícia e adicionaram 2 zeros.

O mais importante é que a matéria da Fabiane está perfeita! Parabéns ao Eco por divulgá-la. Tudo o mais é pretendido pelo Governo, a partir da necessidade da BML, pois a ferrovia inicial em todos os estudos apontam o porto de Aratu na Baía de Todos os Santos. A necessidade de calado para o maior navio do mundo para transporte do minério de ferro, é a única razão de ser apontada a Praia do Norte em Ilhéus Bahia. Acontece que para a execução desta obra, serão destruídas muitas vidas (bio), as quais estão protegidas por Lei através da criação da APA DA LAGOA ENCANTADA E RIO ALMADA.

Agora, cabe ao Ministério Público decidir pelo que é de maior interesse público: A geração de 300 empregos ou a preservação daquela área, tão importante para a preservação do SER HUMANO. Destruir aquela mata com construção de retroárea, pêra de ferrovia, siderurgia e depósito de resíduos do minério? Quanto custará para a população as consequências geradas? Compensa?

Precisamos sim de geração de empregos para todos os seres que para aqui vieram, mas o Governo poderá contribuir não indo de encontro ao que ele mesmo disse ser o melhor para esta Região e não alterar abruptamente a vocação natural. Infelizmente ainda existem pessoas que não conseguem entender que para a nossa sobrevivência, é necessária a manutenção das demais vidas, impedindo o desequilíbrio que certamente acontecerá.

Ilhéus pode crescer de outra forma, pode ter indústrias limpas, pode ter atenção por parte do Governo respeitando a sua vocação natural, que é o Turismo. Por que destruir a nossa riqueza maior?
Temos que buscar solução e incentivo para o TURISMO, isto sim gerará mão-de-obra para a demanda que temos, a qual não é qualificada. O Porto Sul, será muito bom para Caetité e não para Ilhéus.

No entanto, entendemos que existe um compromisso do Governo e aceitamos que venha o Porto Sul, mas que a condição seja a alteração da sua localização, pois temos 84 km de costa, já que o ideal não poderá acontecer. Um negócio só é bom, quando atende a dois e não apenas a um dos deles.

Estamos à disposição do Eco para dar maiores detalhes. Venham até Ilhéus, ver de perto o que se pretende fazer e terão suas próprias conclusões. Temos certeza de que o Governo está sensível a tudo e buscará uma solução que atenda verdadeiramente a população.

Leia também

Reportagens
17 de maio de 2022

Amazônia tem mais de 425 mil famílias sem energia elétrica

Brasil avança na universalização da energia, mas população de áreas remotas da Amazônia ainda demandam acesso à eletricidade. Pandemia atrasou cronograma

Notícias
17 de maio de 2022

Para beneficiar pecuária, Acre reduz em até 80% imposto sobre comercialização de gado

ICMS a ser pago por pecuaristas acreanos cai de 12% para 2,4% na venda para alguns estados. Medida pode resultar em mais desmatamento, diz pesquisadora

Análises
17 de maio de 2022

Oportunidades e desafios para a implementação do Código Florestal brasileiro

A lentidão na implementação do Código Florestal representa o desperdício de uma valiosa oportunidade de transformar o uso da terra no Brasil

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta