Análises

Água e fogo: relação direta no Cerrado

Corremos o risco de ter fogo incontrolável na savana mais rica em biodiversidade do mundo. Devemos proteger a vegetação com todos os nossos esforços.

Carlos Secchin ·
17 de agosto de 2010 · 11 anos atrás
Estação Ecológica Águas Emendadas, no Distrito Federal (foto: Gustavo Faleiros)
Estação Ecológica Águas Emendadas, no Distrito Federal (foto: Gustavo Faleiros)

No momento, o nível de secura do ar exige-nos um total estado de alerta contra a ameaça que o fogo impõe à nossa região, o Cerrado. Mesmo que contando com tanta e bem distribuída água, ficamos expostos à propagação resultante do forte vento que sopra nesta estação.

Nossos aceiros têm o dobro da largura dos da região e o capim que cresce à beira da estrada é, periodicamente cortado para não facilitar o alastramento de fora para dentro da propriedade. São medidas preventivas que, nesses tempos de fumaça densa, tem nos garantido a saúde das florestas e das fontes.

Parte dessa preocupação deve-se ao fato de que as nossas surgências (fontes captadas) dependem da proteção da camada vegetal nativa que cobre o solo e, a melhor maneira de impedir que o fogo se propague sobre uma savana naturalmente inflamável é com a preservação de floresta úmida e compacta.

Com a acelerada e descontrolada expansão populacional e agropecuária no Centro Oeste não nos deixa dúvida de que uma tragédia de grandes proporções encontra-se em curso.

Quando não se respeita a obrigatoriedade de se preservar 35% da vegetação nativa, o resultado dessa irresponsabilidade que os olhos não vêem, mas sentem com a fumaça é o contínuo e inexorável rebaixamento do lençol freático da região.

Com a acelerada e descontrolada expansão populacional e agropecuária no Centro Oeste não nos deixa dúvida de que uma tragédia de grandes proporções encontra-se em curso – OS INCÊNDIOS INCONTROLÁVEIS E A DESERTIFICAÇÃO DO SOLO DA SAVANA MAIS RICA DO PLANETA.

Para não comprometermos o sucesso comercial de quem empreende a exploração e produção da nossa lavra, temos o dever de manter o compromisso de preservar a vegetação do Cerrado dentro e no entorno da área de sua proteção.

Por esta razão, insisto que não tem a menor graça montar uma fábrica, projetada para receber 40 mil l/h e, tempos depois, ter que comprar caminhões pipa para tocar a linha de produção.área de sua proteção. Devemos ampliar nossos esforços no sentido de viabilizarmos barreiras de vento através de plantação ao longo das cercas que margeiam a parte mais alta da fazenda como, também, alargarmos as estradas desse setor, pavimentando-as com nosso cascalho.

Qualquer sugestão para aplacarmos a fúria do fogo criminoso provocado por esse povo primitivo e selvagem é bem vinda. Se vivesse na Suécia estaria, provavelmente, em cadeia nacional (TV) promovendo uma caçada, sem trégua a esses irresponsáveis. Aqui? Nem o Corpo de Bombeiro atende ao nosso chamado. Quem com fogo fere será ferido? Aqui? Duvido, nem chamuscado fica. Pobre país que adora soltar balões!

Devem estar se perguntando o por quê dessa indignação. Ontem, quando meu gerente compareceu à delegacia de polícia para prestar esclarecimento sobre uma chuva que há 4 anos provocou o deslizamento de um pequeno barranco na margem de um pequeno lago na fazenda, coincidentemente, o fogo irrompeu e devastou os nossos bosques de ipês plantados por nós. Como o responsável capacitado para as ações de defesa da fazenda estava fora e ocupado com a inútil, dispendiosa e nojenta burocracia coercitiva, não deu outra: a bandidagem aproveitou a oportunidade e tascou fogo em tudo.

Conclusão: cada vez, fica mais difícil trabalhar por aqui. As forças das trevas estão crescendo. E o ninho da serpente, cada vez maior e mais protegido.

  • Carlos Secchin

    Carlos Secchin é engenheiro e fotógrafo, Carioca, vive no Cerrado onde se dedica a conservar uma pequena porção deste rico bi...

Leia também

Salada Verde
29 de novembro de 2021

ICMBio abre concurso para 171 vagas

Edital publicado nesta segunda-feira (29) oficializa o concurso para servidores do órgão ambiental, com 61 vagas para analistas e 110 de técnicos

Notícias
29 de novembro de 2021

Conama volta a debater proposta que restringe cadastro de entidades ambientalistas

As alterações propostas aumentam a burocracia e diminuem a ampla participação das entidades ambientalistas no Conama. Organizações socioambientais pedem pela rejeição do projeto

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta