Análises

Quem não tem AR 15, caça com gato

Na véspera de uma oficina sobre “conflitos entre seres humanos e fauna silvestre”, os guardas-parques do Parque Nacional Kruger haviam matado quatro caçadores e ferido um quinto.

Pedro da Cunha e Menezes ·
15 de fevereiro de 2011 · 12 anos atrás
Pássaro morto por gato doméstico. Controle é essencial para conservação local (foto: Pedro da Cunha e Menezes)
Pássaro morto por gato doméstico. Controle é essencial para conservação local (foto: Pedro da Cunha e Menezes)

 

Semana passada fui a uma oficina na Universidade da Cidade do Cabo sobre “conflitos entre seres humanos e fauna silvestre”. Cheguei cedo demais. Não havia ninguém. Comprei um jornal, pedi um capuccino, sentei-me ao sol da manhã. Ao folhear o matutino dei com uma notícia que me chamou atenção. Na véspera os guardas-parques do Parque Nacional Kruger haviam matado quatro caçadores e ferido um quinto. Eram parte de uma quadrilha responsável pelo abate de 22 rinocerontes na África do Sul, somente este ano. Estavam armados com AR 15s e fuzis de repetição e recusaram a oferta de rendição, preferindo trocar tiros com o pessoal da fiscalização.
 
Por incrível que pareça, o tom da notícia era de alívio. Há medo que o mercado para chifres de rinocerontes da Ásia, onde acredita-se que tenham efeitos sexuais miraculosos,  seja mais forte que a capacidade dos países africanos de proteger seus rinocerontes. Se o ritmo da matança continuar do jeito que está, os rinocerontes não resitirão mais dez anos antes de sumirem para sempre. Países como o Quênia já estão adotando medidas extremas, como a colocação desses animais em áreas especiais super vigiadas. Na África do Sul, no momento, consideram-se medidas como a remoção profilática dos chifres, o que retiraria a razão para seu abate, a implantação de chips localizadores em cada indivíduo ou o pagamento a guarda-parques para fazerem um serviço guarda-costas de rinocerontes.
 
Começada a oficina, assisti palestra em que o Professor Rob Simmons relatou as conclusões de suas pesquisas em conjunto com a aluna de mestrado Sharon George. Na pesquisa, foram colocadas coleiras com GPS em 78 gatos domésticos residentes em áreas até 1 km distantes dos limites do Parque Nacional da Montanha da Mesa. Também foram distribuídos 600 questionários a donos de gatos no entorno da unidade de conservação.
 
Assim verificou-se que, em média, à noite, os gatos domésticos cobrem uma área de 51 hectares. 40% dos felinos pesquisados não foram flagrados caçando, mas os outros 60% caçam em média 80 animais por ano cada um. Entre as presas 3/5 são de espécies nativas. Os bichanos têm preferênica por répteis (25% do total) e invertebrados (16%), mas também comem passarinhos (13%) e sapos (1%). O estudo tabulou apenas os animais abatidos que foram trazidos de volta para casa, mas trabalhos feitos em outros países mostram que, em média, os gatos apenas trazem 1/3 de suas presas de volta.
 
Feita a projeção matemática, os 118 mil gatos domésticos recenseados no entorno do Parque Nacional da Montanha da Mesa são potencialmente responsáveis pelo assassinato anual de cerca de 5 milhões de pequenos animais, 3 milhões dos quais nativos.
 
No entanto, a figura peluda e fofinha dos bichanos deperta carinho e compaixão. Se aplaudimos o abate de cinco malvados homens que caçam rinocerontes para extrair-lhes os chifres em troca do vil metal, nos repugna a idéia de eliminar ou proibir a presença de gatos domésticos nos entornos de nossos parques nacionais, mesmo sabendo que são máquinas de matar e que assassinam por prazer, pois são alimentados nas casas de seus donos.
 
Quando fui diretor da Tijuca pude aquilatar a extensão do problema naquela que é uma unidade de conservação colada à cidade e, embora não disponha do respaldo científico com que agora conta o Parque Nacional da Montanha da Mesa, posso garantir que trata-se de um drama de dimensões genocidas. Dia sim, outro também, deparava com gato caçando ou com alguma presa recém abatida e devidamente depenada.
 
Tenho certeza que aflição semelhante assola o Parque Nacional de Brasília, os Parques Estaduais da Cantareira, Tiririca, Pedra Branca, Dunas, Coocó, Utinga e Pituaçu, para citar apenas alguns exemplos conhecidos de áreas protegidas urbanas. No entanto, não temos no Brasil nenhuma política séria para lidar com o problema.
 
A única certeza que temos é que os defensores dos assassinos são fortes e organizados, como pode testemunhar a atual direção da Floresta da Tijuca. Nunca tiveram tanta dor de cabeça com o público quanto quando tentaram acabar com os gatos no Setor Parque Lage daquela área protegida.
 
Aos gatos o banquete…..

Leia também

Salada Verde
2 de dezembro de 2022

Lula afirma que deve criar “Secretaria dos Povos Originários” com status de um Ministério

Em entrevista coletiva nesta sexta-feira (02), o presidente eleito esclareceu que fará os anúncios dos nomes do primeiro escalão depois de ser diplomado, em 12/12

Reportagens
2 de dezembro de 2022

Encurralados pela degradação, morcegos ainda resistem em áreas de pasto no Pantanal

Estudo revela que mesmo em menor abundância, morcegos ainda buscam comida e abrigo em áreas de pasto. Resultado mostra importância da manutenção de sobras de floresta em áreas degradadas

Notícias
2 de dezembro de 2022

Sociedade e Inea pressionam e PL que flexibiliza proteção do rio Paraíba do Sul encolhe

Proposta que extingue o Refúgio de Vida Silvestre do Médio Paraíba para criar, em seu lugar, uma APA, mais flexível aos usos, foi rechaçada pela sociedade civil em sessão da Comissão de Meio Ambiente nesta quinta (1º)

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta