Análises

A Amazônia no Acre pede socorro

A contribuição do governo do Estado do Acre para a boiada do desmatamento e das queimadas avançar no território acreano. Estado é o terceiro que mais desmatou em agosto

Fabio Pontes ·
27 de setembro de 2021

No Brasil, quando se fala em políticas de proteção da Floresta Amazônica, muito se atribui apenas ao governo federal a responsabilidade. A partir do momento em que a Presidência da República é ocupada por alguém com visão totalmente antiambiental e anti-indígena, é bem mais fácil jogar todo o ônus da atual devastação do bioma nos ombros de Brasília. Todavia, é importante ressaltar que a Amazônia Legal é formada por nove Estados com governos regionais autônomos, e que esses governos também têm muita responsabilidade direta em proteger a floresta. 

Vejamos o que acontece aqui, no pequeno e quase invisível Acre, no extremo oeste da Amazônia brasileira. O Estado, que por 20 anos exerceu certo protagonismo na preservação de sua cobertura florestal, hoje é referência naquilo que há de pior em termos de política ambiental. O ritmo sem precedentes de devastação da Amazônia no Acre é consequência tanto do desmonte das políticas de proteção do meio ambiente promovida pelo governo federal quanto pelo local.  

Por aqui, a estratégia de deixar a boiada passar foi adotada com muito mais antecedência pelo governo de Gladson Cameli (PP) do que aquela exposta por Ricardo Salles diante de um país assustado com a pandemia da Covid-19. Ainda durante sua campanha para governador, Cameli tinha como promessa fazer do agronegócio o carro-chefe da economia acreana. Para isso, ele garantia desburocratizar e flexibilizar as normas ambientais do Estado. Também muito se dizia em tirar a fiscalização do pescoço de quem quer produzir. 

A principal missão de Gladson Cameli ao assumir o governo do Acre, em janeiro de 2019, era destruir todo o arcabouço institucional de proteção da Amazônia construído durante as duas décadas de governos do PT. Tal política gestada durante o chamado governo da floresta de Jorge Viana (1999-2006), conhecida como florestania, passou a ser o inimigo público número um de Gladson Cameli. Na visão dele, a florestania era responsável por colocar o Acre na miséria, apontando o agronegócio como solução mágica.   

Assim foi feito. Num de seus primeiros eventos públicos já como governador, Gladson Cameli desmoralizou a atuação dos agentes do Instituto de Meio Ambiente do Acre (Imac), afirmando que ninguém precisava mais pagar as multas ambientais porque “agora quem está mandando sou eu”. A fala de Cameli foi o sinal verde para a abertura da porteira, e a boiada avança sem dó desde então. O discurso de Cameli ocorreu no município de Sena Madureira, que hoje figura entre os campeões de desmatamento e fogo dentro da Amazônia brasileira. 

De acordo com o último boletim do desmatamento do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), Sena Madureira foi o quinto município da Amazônia Legal que mais derrubou floresta em agosto de 2021. Aliás, o Acre foi o terceiro Estado que mais contribuiu para a destruição do bioma mês passado; foram 236 km2 de Amazônia destruídos no pequeno Acre; em julho, já tinham sido outros 313 km2 de mata devastados. 

Conforme o Imazon, entre agosto de 2020 e julho deste ano, o Acre viu desaparecer 927 km2 de Floresta Amazônica. Os números são estarrecedores se tratando de um território tão pequeno como é o Acre, quando comparado ao gigantesco vizinho Amazonas e ao Pará. Até 2019, o Acre ainda tinha ao menos 86% de seu território amazônico intacto. Ao se olhar os dados do Imazon e do Inpe, percebe-se que o desmatamento avança justamente para as áreas com maior cobertura florestal intacta. 

Depois de Sena Madureira, Feijó e Tarauacá são os municípios com os maiores registros de áreas desmatadas e focos de calor desde 2019; isso não apenas dentro do Acre, mas entre os demais municípios do Norte. 

Quando analisamos os dados das queimadas, observamos que a maior quantidade de focos de calor desde 2019 se concentra justamente nestes três municípios, localizados em regiões de uma Amazônia ainda bem preservada. Em 2021, conforme o Boletim de Queimadas do Inpe, Feijó, Tarauacá e Sena Madureira lideram o ranking do fogo. É sobre essa região do Acre que avança a “fronteira agrícola”, o “arco do desmatamento”. 

Após todo o leste acreano ter sido devastado para a abertura de fazendas de gado nos últimos 40 anos – com a política da ditadura militar (1964-1985) de “ocupar” a Amazônia – agora a devastação avança rumo ao oeste de floresta intacta. A exploração madeireira legalizada por meio de planos de manejo nada sustentáveis também causa impactos imensuráveis. Agora, a atividade vai ganhar ainda mais intensidade com a proposta do governo Gladson Cameli de entregar milhares de hectares de florestas públicas para “exploração comercial”.  

A política do governo Gladson Cameli de patrocinar projetos de abertura de estradas em regiões hoje isoladas e preservadas é outro fator para um desmatamento quase sem controle no estado. O projeto mais ameaçador é o da construção da estrada entre Cruzeiro do Sul, a segunda maior cidade acreana, e Pucallpa, capital do departamento peruano de Ucayali. 

Caso de fato saia do papel, a rodovia provocará a destruição de uma das regiões mais intocadas do bioma por meio da grilagem, da extração de madeira, do garimpo e do tráfico internacional de drogas. A rodovia é uma grave ameaça para a preservação da Amazônia, independentemente das linhas fronteiriças. 

E é assim, no caminho de rodovias e com as porteiras escancaradas, que o Acre dá a sua infeliz contribuição para o aumento da destruição da mais importante floresta tropical do mundo – tão importante para mitigar os efeitos da crise climática. Uma crise climática já vivida pela população local com enchentes e secas acontecendo com mais frequência e maior intensidade. De mocinhos passamos a ser vilões na proteção do bioma. A Amazônia no Acre clama por ajuda.

As opiniões e informações publicadas nas sessões de colunas e análises são de responsabilidade de seus autores e não necessariamente representam a opinião do site ((o))eco. Buscamos nestes espaços garantir um debate diverso e frutífero sobre conservação ambiental.

  • Fabio Pontes

    Fabio Pontes é jornalista acreano, há mais de uma década escrevendo, desde a Amazônia, sobre meio ambiente, povos indígenas e comunidades extrativistas, crises migratórias, mudanças climáticas (enchentes e secas severas) e a política regional. Já produziu reportagens para os principais veículos de imprensa do Acre e do país.

Leia também

Notícias
10 de junho de 2010

“A Atividade Madeireira na amazônia brasileira: produção, receita e mercados”

CLIQUE AQUI PARA FAZER DOWNLOAD O Governo Federal e o Serviço Florestal Brasileiro em parceria com o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) lançaram neste ano o livro entitulado: “A atividade Madeireira na Amazônia brasileira: produção, receita e mercados”. A publicação tem por objetivo avaliar o atual cenário madeireiro da região amazônica de modo a subsidiar a formulação e implementação de políticas públicas capazes de estabelecer uma economia de base florestal sustentável e duradoura para a Amazônia Legal. Juntamente com a publicação anterior do Imazon, “A expansão madeireira na Amazônia”, formam a série mais completa de estudos sobre esta atividade econômica no Brasil. O livro abrange os aspectos de produção, geração de renda e empregos do setor madeireiro, as zonas de produção madeireira da amazônia, uso de resíduos de madeira, a participação da madeira nativa amazônica em exportações e seu fluxo no mercado interno. Portanto, essa iniciativa traz um relatório síntese da evolução da produção de madeira processada em termos de volume de toras, do número de madeireiras ativas no setor madeireiro e da economia gerada por essa atividade econômica dentro da Amazônia Legal.

Reportagens
9 de junho de 2021

Projeto de rodovia deixa em risco outra área intocada da Amazônia

No Acre, propostas para conectar ‘municípios isolados’ a estradas principais tendem a avançar desmatamento já em alta para regiões intactas do bioma; após o Alto Juruá, o Alto Purus é o alvo de políticos

Reportagens
8 de março de 2020

Amazonas, Acre e Rondônia querem o seu próprio Matopiba

Combinação de áreas pode dar origem a Amacro, uma região de desenvolvimento agropecuário onde ocorreu metade do desmatamento nos 3 estados em 2018

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta