Colunas

Sala Verde, frutos maduros

Bocaina ganha uma "Sala Verde" que vai discutir soluções para os problemas ambientais, em parceria com prefeituras e comunidades. O projeto nasce promissor.

28 de outubro de 2005 · 16 anos atrás

Nesta sexta-feira, dia 4 de novembro, a população do Vale do Paraíba vai ganhar um presente de Natal adiantado. Na data vai ser inaugurada, na bucólica vila de Arapeí, a Sala Verde Sertões da Bocaina.

A sala faz parte de um projeto do Ministério do Meio Ambiente, criando uma rede de espaços destinados à discussão dos diversos ecossistemas brasileiros e seus problemas. Já nasce frondosa. Se o tronco foi fornecido pelo Projeto do Governo Federal, os galhos são compostos por uma entidade séria e experiente. Trata-se da ANPED, Associação Nacional de Pesquisa em Design, cujas histórias de sucesso na área ambiental permitem um prognóstico sonhador.

Os objetivos da Sala são modestos e factíveis. Segundo o Professor João Lutz, coordenador do Projeto pela ANPED, a Sala objetiva “promover a integração do setor público, do terceiro setor e da iniciativa privada, através da articulação e implementação de parcerias e de se promover a definição de um modelo que possa ser replicado em outras situações a partir da realização de pequenos reajustes”. O leitor, naturalmente, já ouviu essa chorumela antes. O colunista também. Textos assim recheiam os planos de manejo das Unidades de Conservação Brasil afora. Enfeitam livros, que por sua vez decoram estantes empoeiradas, à espera de leitores com espírito prático. Raramente saem do papel. No caso da Sala Verde Sertões da Bocaina, contudo, há boas razões para se ter uma expectativa positiva.

A equipe de João Lutz, que conta com cinco professores doutores e quatro mestres, tem cancha em transformar papel em realidade. Um de seus projetos mais bem-sucedidos, a Trilha da Catacumba, desenvolvido em parceria com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente do Rio de Janeiro, é prova disso. Iniciado em 1998, o projeto recuperou a trilha ao Mirante de Sacopã no bairro carioca da Lagoa, onde implantou e mantém até hoje sinalização educativa e direcional. Desde então, a trilha já recebeu mais de 40 mil excursionistas, entre os quais estão incluídas diversas visitas monitoradas de escolas municipais e estaduais. O projeto, que inclui até aqui o reflorestamento com 500 mudas de espécies nativas, também tem sido sítio de pesquisas botânicas e históricas que já geraram a publicação de sete trabalhos científicos.

É esse modelo vitorioso que a ANPED pretende replicar em Arapeí, onde quer trabalhar em parceria com o Parque Nacional da Bocaina, com as Prefeituras Municipais de Arapeí, São José do Barreiro e Bananal, com proprietários rurais e com empresários da região para desenvolver inúmeras atividades. O escopo do projeto é amplo e diversificado. Inclui desde oficinas de educação ambiental até a capacitação de monitores de trilhas, passando por reflorestamento de matas ciliares e projetos de capacitação em ecoturismo para pequenos e médios proprietários locais. Nesse último item, o projeto é ambicioso pois quer incentivar um ecoturismo que “não seja apenas fonte de renda para sobrevivência, mas também uma atividade que gere trabalho e renda para a população local e ao mesmo tempo impeça a deterioração ambiental e eduque os visitantes”.

Mas, se o objetivo é ambicioso, seu planejamento tem os pés no chão. No primeiro ano, a Sala pretende interagir sobretudo com a única escola municipal de Arapeí, com escolas particulares e com as populações ribeirinhas, por meio de oficinas e trabalhos de campo voltados para alunos, professores e moradores das áreas afetadas. Os temas abordados no período serão: a importância da recuperação de áreas degradadas, a necessidade de se preservar os mananciais e as soluções para o destino final do lixo. Em paralelo às oficinas, os professores doutores e mestres também desenvolverão pesquisas utilizando a metodologia Pesquisação, muito similar à pedagogia de Paulo Freire, que prega o engajamento dos pesquisadores com as comunidades envolvidas na procura de soluções práticas para problemas reais.

Para fazer isso tudo, a Sala Verde da ANPED contará com um salão de 63 metros quadrados, mobiliado com 28 carteiras escolares, televisão, vídeo, computador com acesso à internet, biblioteca de 100 volumes e monitor em tempo integral. Para as visitas a campo e aulas itinerantes, ainda há uma Sala Verde Móvel: uma Toyota Bandeirante com motogerardor de eletricidade, telão, projetor de slides e televisão, além de lonas e toldos de proteção para os dias de chuva e equipamento para pernoite nos sertões, tal como barracas, mesas e fogareiros.

A Sala, nunca é demais repetir, abre na próxima sexta-feira, com festa de inauguração na rua Ernani Graca 115, no centro de Arapeí. Para o leitor do Rio que não puder fazer o esforço da viagem até o Vale do Paraíba para compartilhar da festa, sempre existe a possibilidade de dar um pulinho até a Trilha da Catacumba. Ali, nesses tempos de desilusão, vai ver um pequeno Brasil que deu certo e – por que não? – sentado no alto do Mirante de Sacopã, vai sonhar com uma floresta de salas verdes, que só o carinho de quem acredita no que faz pode regar até a maturidade viçosa.

Leia também

Análises
24 de janeiro de 2022

O legado de Thomas Lovejoy para a ecologia brasileira

Falecido em dezembro, Lovejoy concebeu o que viria a ser o mais duradouro experimento ecológico realizado até hoje em florestas tropicais

Notícias
24 de janeiro de 2022

Lewandowski suspende decreto que tirou proteção das cavernas de máxima importância

Decisão do ministro do STF acata parcialmente pedido de medida cautelar protocolado pela Rede e pelo Partido Verde, que apontam inconstitucionalidade do decreto presidencial que removeu proteção das cavernas

Notícias
24 de janeiro de 2022

Satélites apontam garimpo como responsável pela mudança da cor da água do rio Tapajós

Análise de imagens de satélite feita pelo MapBiomas aponta evidências de que a coloração diferente nas águas do rio paraense é resultado da explosão do garimpo na região

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta