Colunas

O desafio da valoração

Em livro de estudos de caso sobre valoração ambiental, Ronaldo Serôa, economista do IPEA, mostra os valores e os caminhos para preservar a floresta amazônica.

9 de junho de 2006 · 15 anos atrás
  • Eduardo Pegurier

    Mestre em Economia, é professor da PUC-Rio e conselheiro de ((o))eco. Faz fé que podemos ser prósperos, justos e proteger a biodiversidade.

Os recursos naturais não têm etiqueta de preço. Será que o valor deles é infinito, como argumentariam os puristas?

O debate acabou de ficar enriquecido. Ronaldo Serôa, economista do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), lançou “Economia Ambiental”, um livro que reúne estudos de casos sobre valoração dos recursos naturais e uso de instrumentos econômicos para incentivar a sua proteção.

Ronaldo poderia ter sido mais didático e preocupado em amaciar a teoria para os interessados não-técnicos. Mas embora a densidade de economês seja alta, seus leitores encontrarão, igualmente, farto material para quem gosta ou quer aprender sobre o assunto, apresentado por um dos nossos maiores especialistas. Ele analisa as seguintes situações, todas brasileiras: o custo do desmatamento na Amazônia; políticas de redução do lixo e reaproveitamento de sucatas; a valorização econômica da água; e o valor do Parque Estadual do Morro do Diabo, no interior de São Paulo.

O caso da Amazônia é interessantíssimo. As atividades econômicas desenvolvidas em áreas desmatadas podem valer mais do que a floresta. Mas somando os benefícios que essa última gera para o mundo, as árvores superam de longe a renda da soja ou do gado.

Como é o processo da valoração ambiental?

Baseado nos conhecimentos ecológicos que relacionam a produção econômica com a disponibilidade de recursos ambientais, os métodos de valoração procuram monetizar a contribuição da natureza. E não param aí. O valor subjetivo que as pessoas atribuem ao recurso também é computado.

O Valor Total do Recurso Ambiental, ensina Serôa, é a soma dos seguintes fatores, exemplificados abaixo para o estudo sobre a Amazônia:

. Valor de Uso Direto – ganhos econômicos com a utilização imediata dos recursos naturais. Na Amazônia, eles viriam do extrativismo madeireiro; de derivados da floresta como o látex, a piaçava e a juta; e do ecoturismo.

. Valor de Uso Indireto – um benefício que deriva da existência do recurso natural, como é o caso do seqüestro de carbono proporcionado pela mata.

. Valor de Opção – representa o potencial de ganhos futuros por preservar o recurso. Nesse caso, representado pelas possibilidades econômicas da biodiversidade na composição de remédios e cosméticos.

. Valor de existência – esse último, também chamado de valor de não-uso, é tão importante quanto sutil de quantificar. Representa aquilo que as pessoas estão dispostas a pagar por valores culturais ou altruísticos para proteger a Amazônia. Ele é descoberto através de pesquisas de campo semelhantes às eleitorais. São conduzidas com a aplicação de questionários, onde os entrevistados respondem que valores aceitariam desembolsar para preservar a floresta. No caso, elas foram feitas nos países ricos, onde a maioria dos habitantes pode pagar e conhece o problema do desmatamento amazônico.

Pelos cálculos do autor, os custos do desmatamento são os seguintes:

Por isso mesmo, como mostra o estudo acima sobre a Amazônia, não despreze o cálculo econômico. Mais frequentemente do que se pensa, a racionalidade por trás dele pode ser a maior aliada das causas nobres. Já que na política essa qualidade, em qualquer lugar do mundo, costuma faltar.

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta