Colunas

As cores da nova estação no Canadá

Ciclo das estações dá novas cores às árvores do Hemisfério Norte. População chega a migrar para apreciar o amarelo dos pinheiros, antes do cálido Inverno que desponta no horizonte.

2 de outubro de 2008 · 13 anos atrás
  • Helena Artmann

    Montanhista e balonista há mais de 16 anos, tendo feito mais de 15 expedições para alta montanha. É formada em Comunicação So...

Foto: Helena Artmann
Foto: Helena Artmann

O meu quarto verão no Canadá já se foi e entramos na estação que é uma das minhas favoritas: o Outono. Aprendo, aqui, a seguir o ritmo e o rumo da natureza, a contemplar e apreciar coisas que não existiam no Brasil de duas estações (ou até mesmo de uma só!) e percebo, depois de um ano inteirinho, como este curto espaço de tempo é suficiente para me fazer esquecer do que a natureza oferece em seu interminável ciclo.

Fui caminhar no domingo, como fiz quase todos os finais de semana da Primavera e do Verão, que sei são curtíssimos para tanta montanha a trilhar. Escolhi uma trilha que, apesar de estar lá o ano inteiro, é extremamente freqüentada apenas nesta época do ano: Larch Valley. O nome se refere ao tipo de pinheiro que inunda a região, o larch. Pinheiro único este, já que suas folhas espinhosas tornam-se amarelas no Outono para caírem antes mesmo do Inverno chegar. Este processo é rápido: dura pouquíssimas semanas por ano e deixa o vale pincelado de amarelo. É tão bonito que tem gente que vai lá todo santo ano só para ver os larchs amarelando…

Aqui, na região das Rochosas Canadenses, não temos a maple, árvore-símbolo do Canadá, que fica vermelha no Outono e dizem que é de tirar o fôlego! O lugar para vê-los é New Brunswick, uma das províncias do leste. A região está no calendário para, quem sabe, um dia. Enquanto isso, vou me contentando com a profusão de amarelos que temos aqui. É incrível. Fica ainda mais espetacular no contraste com a rocha e o verde dos pinheiros que assim permanecem o ano inteiro e, por isso, são chamados de perenes. Mas o vermelho aparece em pequenas folhas de arbustos.

Foto: Helena Artmann
Foto: Helena Artmann

O Outono traz, com suas cores, a lembrança de que o Verão acabou e que o longo Inverno está para começar. Para muitos canadenses, essa simples recordação já desanima e entristece. Para outros, como eu, a lembrança do Inverno é recheada de diversão e de paisagens estonteantes, onde o frio não é a primeira coisa que vem à mente. A receita de um Inverno feliz, para mim, é torná-lo divertido: passe um dia nas montanhas, esquiando ou apenas caminhando e você entenderá o que quero dizer. Aliás, esta é a minha receita para uma vida feliz!

Além da temperatura e das paisagens, outra coisa muda drasticamente: as horas de luz. Passamos de 18 horas no Verão para apenas 8 no Inverno! É uma diferença tão brutal que passei minha primeira estação fria deprimida boa parte do tempo. Aos poucos, fui descobrindo brasileiros que usavam luzes especiais por um curto período do dia para suprir esta carência. Vitamina D, ao invés de absorvida na praia ou ao ar livre, é engolida diariamente em forma de comprimido, nos meses que têm R no nome.

E assim vou vivendo nestas latitudes do Norte, em um constante vai-e-vem onde aprendemos a aproveitar cada minuto de cada estação, pois sabemos que teremos de esperar um ciclo inteiro se completar para tê-la de novo. A hora é agora. E isso é tão mais fácil de entender quando temos um empurrãozinho da natureza…

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta